sexta-feira, fevereiro 24, 2006

Carnaval & Calypso

Estou estudando, é mais de meia-noite, o sono começa a dar os primeiros sinais, ou talvez seja apenas o cansaço de uma semana que derrama os seus últimos suspiros, esperando pela folia de MoMo... Ligo a tv e o Jornal da Globobo mostra o flash do carnaval belemense, aparece a Banda Calypso... Imediatamente vem a lembrança do meu amigo Cabi (abreviação de Cabeção) que foi diretor do QUENZÃO, ontem ele havia me dito que em relação ao carnaval de Belém, não tinha como não jogar a toalha, as palavras dele por telefone foram "o que é que eu posso fazer? vou pro Sal (Salinas), lá é melhor!".
Todo mundo tá dormindo, vou até à janela da sala(estou no 13º andar), antes de fechá-la avisto a sede do Quem São Eles...
Tudo é silêncio...
Mas a Calypso tá fazendo o maior carnaval!!! Enaltece a repórter na TV...
E uma voz lá no fundinho diz "pensa baixinho, fala baixinho, não adianta... ninguém vai te ouvir..."
Nesta hora é impossível não lembrar do Cabi (aquele meu amigo) limpando o óculos e depois alisando o joelho bichado dizendo "eu vou é pro Sal..."
Eu me pergunto como o Cabi se transformou no Al-Mustafá, o eleito e bem amado?! Como consegue ensinar tanto dizendo "vou pro Sal..."???!!!

2 comentários:

Anônimo disse...

Taí..., um dos traços mais marcantes do Parense é o saudosismo.Parece existir um coplô de antemão falido, de tentar reviver "os velhos carnavais", daqueles de batalha de confete, lança perfume , marchinhas da era tenentista, mascarados, colombinas, etc.Daí o mochucho com a banda calypso ?.Por sinal ela resgata com imprecisão a cara e os pés das nossas raíses. Se os bahianos podem encher o saco do Brasil, com seus os trios eletricos e repertórios desencontrados, Joelma e Chimbimha são mais coerentes.Tome o povão de prova..
Arriba calypso (E.B.)

Anônimo disse...

Companheiro Panda Nelito

Aí vai um poema que eu fiz a luz luz de velas, não por outro motivo, mas por força da sacanagem madrugueña das centrais eletricas e da generosidade do wiskey com esse paraense. Vai,(fazer
o que?), para a Senhora R.,fenomeno luminoso de irisação combinado com uma aparencia leitosa e característica de opala nobre: