terça-feira, março 28, 2006

Professor Maurício

De óculos, roqueiro metaleiro, com olhar circunspecto e sentenças ácidas e irônicas...
Tão à esquerda, que às vezes não era possível defini-lo ideologicamente, por confundir a todos com posturas tão liberais...
De discurso firme em torno da cidadania que corrobora muito mais os escritos de Norberto Bobbio, do que os escritos do velho Karl Marx...
Um defeito imperdoável - é torcedor do Clube do Remo (aquela coisa horrível!).
Muitas revoluções e outras utopias sonhamos e divagamos em uma mesa de um Café em Paris, Berlim, Havana ou Moscou? Nova Déli ou São Paulo? Em uma cidade invisível? (Ítalo Calvino), que não existe mais... Existiu e se perdeu no tempo, que a memória se nega a esquecer...
É... meu caro Maurício Leal Dias, nome e sobrenome de estirpe visigótica que dominou num passado distante a península ibérica, o tempo não pára e nem pode esperar...(Lô Borges)
As utopias persistem. (Marx)
Lembro mais do Círio de Nazaré, pela emoção que arrebata a todos que se aproximam e acreditam numa força que ampara e sustenta nos momentos difíceis, o mais humilde dos homens a continuar-a-continuar...
Não esqueço da Revolução Vermelha de 1917, pela mudança material que proporcionou ao mundo, mas tantas vidas sacrificadas e extirpadas em tenra esperança...
Outros outubros virão...

Em Belém, estarei com o povo contrito, rezando e lembrando dos burocratas diabólicos.

Um abraço Maurício

Nenhum comentário: