terça-feira, julho 18, 2006

Sobre guerras e crianças...

Nilton Atayde e Locobueres comentavam sobre a guerra no Oriente Médio, o amigo Loco sempre muito passional apresentava argumento para uma Jihad, não podemos esquecer que o Loco é árabe, não é sem razão que ele é louco por quibe.

Assistindo pela TV e acompanhando pela internet o conflito no Oriente Médio, um misto de revolta e aparente impotência nos invade a alma. Vidas medíocres e temperadas por doses generosas de envelhecidos Ballantine's. Amargura pequeno-burguesa, seguida de depressão... Não se domina o impulso para o consumo desenfreado... Mais frustração... O que é tudo isso diante do sofrimento das crianças jogadas no meio desse tabuleiro geopolítico?!
Suas vidas e suas mortes nesse mundo online e pósmoderno servem pra quê?
As alegrias derramadas na calma do lar escoam solenemente através da carne dilacerada e dos destroços encharcados do sangue inocente...
Marshall Berman no livro Tudo que é sólido Desmancha no ar - a aventura da modernidade, Editora Companhia das Letras, 1986, em seu prefácio ao final dizia: "no mundo moderno, aqueles que são mais felizes na tranqüilidade doméstica(as crianças), talvez sejam os mais vulneráveis aos demônios que assediam esse mundo; a rotina diária dos parques e bicicletas, das compras, do comer e limpar-se, dos abraços e beijos costumeiros, talvez não seja apenas infinitamente bela e festiva, mas também infinitamente frágil e precária; manter essa vida exige talvez esforços deseperados e heróicos, e às vezes perdemos. Ivan Karamazov diz que, acima de tudo o mais, a morte de uma criança lhe dá ganas de devolver ao universo o seu bilhete de entrada. Mas ele não o faz. Ele continua a lutar e a amar; ele continua a continuar".

Os países menos beligerantes deveriam mobilizar forças mais rapidamente contra o radicalismo ianque-sionista e influenciar através de políticas econômicas concretas para a democratização dessa região, diminuindo, destarte, o crescimento do hezbolah e hamas.

Sinceramente, com o radicalismo de ambos os lados, a guerra continuará, infelizmente.

5 comentários:

Anônimo disse...

Meu caríssimo Panda Nelito.Voçe continua um primor de descoprometimento.

No livro "o Processo," texto singular da literatura universal,de Fraz Kafka,o anti-heroi Joseh K. leva o leitor a descobrir a história dos pesadelos do mundo moderno,e as situações intoleraveis;
Pode-se afirmar que esse romance expressa o fantastico o incompreensivel, a opressão, o extranho, a sátira em vez do patético.As ideias centrais da narrativa nos traz um sentimento concreto de contemporaneidade, que certamente trancedera o clichê que chama de "pós-moderno",esse periodo que o desenvolvimento se deu muito mais em nível cientifico, e muito menos em nivel ético.

Os interesses transnacionais com todas as suas conseguencias e razões inominaveis, desfralda os seus estandartes, e as suas vozes, são as bombas.

O sentimento de humanidade acabou, ou, nunca existiu.

Fracassamos, caro Panda,Caiu por terra a última gota de leite do seio da mulher.

Eduardo Bueres

Anônimo disse...

Meu caríssimo Pedro Nelito.Você continua um primor de coprometimento.

No livro "o Processo," texto singular da literatura universal,de Franz Kafka,o anti-herói Joseh K. leva o leitor a descobrir a história dos pesadelos do mundo moderno,e as situações intoleráveis;
Pode-se afirmar que esse romance expressa o fantástico o incompreensível, a opressão, o estranho, a sátira em vez do patético.As idéias centrais da narrativa nos traz um sentimento concreto de contemporaneidade, que certamente transcedera o clichê que chamamos de "pós-moderno",esse período que o desenvolvimento se deu muito mais em nível científico, e muito menos em nível ético.

Os interesses transnacionais com todas as suas conseqüências e razões inomináveis, desfralda os seus estandartes, e as suas vozes, são as bombas.

O sentimento de humanidade acabou, ou, nunca existiu.

Fracassamos, caro Pedro,Caiu por terra a última gota de leite do seio da mulher.

Eduardo Bueres

citadinokane disse...

Caro Bueres,

No momento de plena lucidez, instante em que o álcool evaporado de nosso organismo e dissipadas as confusas elucubrações volupiosas, carnais, licenciosas e orgíacas de uma noite violada ao luar...
"Os interesses transnacionais com todas as suas conseqüências e razões inomináveis, desfralda os seus estandartes, e as suas vozes, são as bombas"(sic), o discurso juvenil e raivoso caiu no lugar comum, não revela a multiplicação do ódio, não me parece razoável repetir que esse raciocínio é açúcar na boca do trotsko Luisão.
"Vi o coração de moça
esquecido numa jaula.
Excremento de leão,
apenas. E o circo distante.
Vi os tempos defendidos.
Eram de ontem e de sempre,
e em cada país havia
um muro de pedra e espanto,
e nesse muro pousada
uma pomba cega."(Carlos Drummond)

No momento és uma pomba cega.
A arte te salvou. E ponto.

Anônimo disse...

IDEIAS VERDADEIRAS DA FILOSOFIA
Caro Mestre Panda Nelito.
A exemplo ,talvez de Pappus,( não confundir com Baccus), que era filósofo e matemático, e viveu muitos séculos antes de nossa era,
algumas personalidades contemporaneas,suprimiram por certa astúcia perniciosa,a verdadeira essência de seus saberes e inteligentzias,





talvez por que sua grande facilidade e simplicidade em exterioriza-las ficassem diminuídas depois de divulgadas e, para que continuassemos a admirá-los,

preferiram nos apresentar, em seu lugar, como produto de seu método, algumas verdades estéreis demonstradas com um sutíl rigor lógico, a nos ensinar o própio método o que faz desaparecer por completo a admiração inicial, certamente pueril, propositadamente.
" Essanoite a lua traveja e osol do outro lado respira o seu hàlito de morte"

E. Bueres.

citadinokane disse...

Bueres,

"Si en esta confusión honda y sombria
es, Señor, todavia
raudal de vida tu palabra santa,
di a nuestra fe desalentada y yerta:
- Animate y despierta!
Como dijiste a Lázaro: - levanta!"(Núñez de Arce)