sábado, agosto 05, 2006

Amigos


Esse post nasceu da vontade de dialogar com um novo amigo que a blogosfera nos trouxe, seu comentário em um post que tratava sobre amizade, lembro que na época para escrevê-lo me socorri da poesia de Vinícius de Moraes, o nosso eterno poetinha, no comentário meu amigo asn discorre sobre as poucas amizades no feitio em que o poetinha desenhava em sua poesia, aponta a vida nômade e desenraizada que o destino impôs a ele e família, não reclama, apenas constata... Apresenta a família como o supedâneo das alegrias e conquistas que auferiu ao longo de praticamente doze lustros de existência, não deixando de demonstrar nos nomes de seus animais de estimação o grande carinho que devota aos pequenos seres que enchem de felicidade a sua vida juntamente com os netos... Ah! Ia esquecendo, sua grande amiga é Zaida.
O comentário foi postado recentemente e acabou levando-me ao mergulho inevitável nas recordações...
As lembranças em borbotões, desordenadas...
Partindo da juventude, impetuosa e com a promessa de mudanças radicais, o mundo nos pertencia e éramos invencíveis... Muitos amigos pulsando nas emoções desafiadoras e perturbadoras eram a redenção do que ainda não fora realizado... Muitos partiram e se perderam por entre utopias irrealizáveis e a dura luta pela sobrevivência... Sobrevivemos... E na maturidade passamos a cultivar a alegria e o sorriso do reencontro e o recontar das aventuras vividas e compartilhadas.
Não conheço texto que expresse de forma tão poética e fraternal a necessidade de preservarmos os amigos, de dizer o quanto são importantes para as nossas vidas...
Ofereço a tantos amigos o texto abaixo de Vinícius, conheci esse texto primeiramente através do amigo Dias do Portela, foi lido em um sarau na casa de Mariazinha, todos comovidos nos abraçamos e brindamos efusivamente à vida e à poesia que nos libertava do estresse cotidiano...
O texto abaixo está dedicado aos amigos Duda Bueres(tão sumido, rsrs), Nilton Atayde(eternamente bicolor, hehehe), Xico Rocha(o nosso Baby Junior, hehehe), Carlos Ponte(de além-mar e perto-cá no meu computador) e António Nunes que tão bem divulga a região de Leiria.


"AMIGOS

Tenho amigos que não sabem o quanto são meus amigos.
Não percebem o amor que lhes devoto e a absoluta necessidade que tenho deles.
A amizade é um sentimento mais nobre do que o amor, eis que permite que o objeto dela se divida em outros afetos, enquanto o amor tem intrínseco o ciúme, que não admite a rivalidade.
E eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores, mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos! Até mesmo aqueles que não percebem o quanto são meus amigos e o quanto minha vida depende de suas existências...
A alguns deles não procuro, basta-me saber que eles existem.Esta mera condição me encoraja a seguir em frente pela vida.
Mas, porque não os procuro com assiduidade, não posso lhes dizer o quanto gosto deles. Eles não iriam acreditar.
Muitos deles estão lendo esta crônica e não sabem que estão incluídos na sagrada relação de meus amigos.
Mas é delicioso que eu saiba e sinta que os adoro, embora não declare e não os procure.
E às vezes, quando os procuro, noto que eles não tem noção de como me são necessários, de como são indispensáveis ao meu equilíbrio vital, porque eles fazem parte do mundo que eu, tremulamente, construí e se tornaram alicerces do meu encanto pela vida.
Se um deles morrer, eu ficarei torto para um lado.
Se todos eles morrerem, eu desabo!
Por isso é que, sem que eles saibam, eu rezo pela vida deles. E me envergonho, porque essa minha prece é, em síntese, dirigida ao meu bem estar. Ela é, talvez, fruto do meu egoísmo.
Por vezes, mergulho em pensamentos sobre alguns deles.
Quando viajo e fico diante de lugares maravilhosos, cai-me alguma lágrima por não estarem junto de mim, compartilhando daquele prazer...
Se alguma coisa me consome e me envelhece é que a roda furiosa da vida não me permite ter sempre ao meu lado, morando comigo, andando comigo, falando comigo, vivendo comigo, todos os meus amigos, e, principalmente os que só desconfiam ou talvez nunca vão saber que são meus amigos!
A gente não faz amigos, reconhece-os." (Vinícius de Morais)

4 comentários:

asn disse...

Obrigado Nelito...
À Amizade...
António

citadinokane disse...

António,
Agradeçamos ao bom Deus que possibilita coisas maravilhosas...
A amizade se inclui aí...
Um abraço irmão,
Pedro

Carlos Ponte disse...

Pedro,
Fiquei deveras sensibilizado com o seu texto, e ainda mais quando descobri o meu nome mais lá para o fim. Tal como para si, os meus amigos são tesouros que guardo religiosamente.
Um abraço amigo,
Carlos Ponte

citadinokane disse...

Carlos,
Sê protegido de todos os males e saúde em profusão.
Abraços,
Pedro