terça-feira, outubro 17, 2006

25 de Abril, para sempre!!!

Nan sempre visita-me, o blog dela o "letras de babel" é muito gostoso de ler, enxuto e profundo, como são os blogs portugueses...
Leu um post que escrevi nesses dias tão conturbados, véspera de eleição presidencial, e deixou um comentário que me encheu de alegria, uma revivescência que só o bom e velho Locobueres sabe fazer com suas músicas de combates... Juro por Deus que iremos gravar essas músicas, antes que se percam na eternidade dos ossos puídos pelo tempo e dispersos ao vento...
Nan relembrou o poeta Manuel Alegre e sua bela poesia que visceralmente está ligada à Revolução de Abril, juntamente do cantor português Adriano Correia de Oliveira... Identificada como uma cidadã do mundo, para ela não importam as fronteiras, "já que a primavera não escolhe o jardim..." (não esqueçam, Silvio Rodríguez)
Nan está do lado dos simples do mundo... Posso me emocionar e quero me emocionar e não pedirei perdão, quero juntar minha voz a tua voz querida Nan...
Faço uma pequena homenagem não somente aos irmãos portugueses, mas a todos os que continuam a bradar que um Outro Mundo é Possível...
Abaixo uma Revolução para não ser esquecida, as utopias alimentam a alma, é preciso sonhar sempre. Com a certeza na frente e a história nas mãos... Aqui dentro, é sempre abril!


25 de Abril




23 comentários:

Tozé Franco disse...

Ainda me lembro do dia da Revolução.
Viva o 25 de Abril, viva a democracia.
Abaixo todos aqueles que tentanram desvirtuar o espírito da Revolução e tentaram impor outras formas de totalitarismo.
Excelentes imagens.
A foto mais próxima que tenho da Revolução é uma em estou na manifestação do 1º de Maio a seguir ao 25 de Abril, com um cravo vermelho ao peito.

Navi Leinad disse...

Emocionante, Pedro!

Nan disse...

Emoção, renovação de sentimentos, alguma tristeza..não sei descrever assim, num comentário, tudo pelo que fui assaltada com este teu post. Talvez a tristeza seja, para ti, o mais difícil de entender, embora, para mim, o mais fácil de explicar. Por exemplo, neste momento, cá está-se com dois dias de greve dos professores, mais dois agendados pela administração pública para os próximos dias...entre várias outras do sector privado. os portugueses vivem tempos difíceis desde há meia dúzia de anos para cá. É o país da Europa onde o fosso entre ricos e pobres é maior; há dois milhões a viverem com 80 cêntimos por dia (menos de 1 euro!), há empresas a fecharem numa correria louca para os novos países de leste, houve uma quebra total de contrato entre Estado e funcionários públicos (sobretudo para aqueles que ingressaram nos últimos anos), e no entanto, tirando estas greves "mixurucas", como vcs dizem, nada mais se faz. Façam-se as eleições que se façam, ganham sempre os mesmos, quando o maior poder do povo está no voto. Eu sei que por aí ainda está pior mas o pior não faz esquecer o mau. Está pior nas condições de vida, porque em termos de capacidade de lutar voçês ganham aos portugueses, já o tinha dito.

Tristeza por pensar em quem, aqui, deu anos de vida nas prisões, ou deu mesmo a vida de facto, para que a justiça vencesse.
Tristeza ao ver, nesse vídeo que postaste, um Salgueiro Maia (já falecido precocemente também) que, juntamente com todos os outros capitães de Abril, pôs a vida em risco naquele 25 de abril...e tantas outras coisas.

E, enfim, gratidão pelo teu post.

Eu optei por fazer um blog (do qual ando meio cansada) não político, porque seria um blog muito exaltado e pouco compreendido. Eu, militante de esquerda, teria até a dizer coisas contra o meu próprio partido. Há comodismos instalados que me tiram do sério. Há subserviências à direita (mais notadas a nível da administração local). Há injustiças e pouca camaradagem dentro dele, etc, etc...

Mas é bom lembrar e sentir a esperança que passou. E, fundamentalmente, já que o sistema falhou, não deixar cair o ideal.

Força para vocês!

Um beijo para ti.

Nan disse...

PS: a música desse vídeo(da autoria do grande Zeca Afonso) foi a senha final, transmitida na rádio (e estava proibida há muito), para o arranque das tropas rumo a Lisboa, nessa madrugada de Abril.
Ainda faz arrepiar...

Anônimo disse...

Hi, i was looking over your blog and didn't
quite find what I was looking for. I'm looking for
different ways to earn money... I did find this though...
a place where you can make some nice extra cash secret shopping.
I made over $900 last month having fun!
make extra money

Nan disse...

outro ps: eu escrevi vocês com cedilha!?
(eu bem digo que isto não anda bem...)
:)

já agora, num post anterior está escrito "sevidão" em vez de "servidão". fiz o copy dum site de poesia e nem reparei...

Luana Caldas disse...

"É PRECISO SONHAR SEMPRE", palavra chave do seu texto.
Abraços

Mixikó disse...

OLá Pedro...
Que texto tão cheio de emoção...tão cheio de paixão... pela vida, pelas causas...

Escreves muito bem...

P.S.Esta música de Zeca Afonso...como a nan referiu e bem, foi escolhida para o arranque das tropas, como sendo a segunda senha de sinalização da Revolução,proibida no regime Salazarista(regime de ditadura de Salazar).A sua transmissão na rádio no 25 de Abril ficou para
sempre marcada como o inicio da Democracia em Portugal.

Só por curiosidade Pedro:

A primeira senha de sinalização da revolução foi uma outra música, de Paulo de Carvalho (letra de José Niza), tocada horas antes do dia 25:

E depois do Adeus:

Quis saber quem sou
O que faço aqui
Quem me abandonou
De quem me esqueci
Perguntei por mim
Quis saber de nós
Mas o mar
Não me traz
Tua voz.

Em silêncio, amor
Em tristeza e fim
Eu te sinto, em flor
Eu te sofro, em mim
Eu te lembro, assim
Partir é morrer
Como amar
É ganhar
E perder

Tu vieste em flor
Eu te desfolhei
Tu te deste em amor
Eu nada te dei
Em teu corpo, amor
Eu adormeci
Morri nele
E ao morrer
Renasci

E depois do amor
E depois de nós
O dizer adeus
O ficarmos sós
Teu lugar a mais
Tua ausência em mim
Tua paz
Que perdi
Minha dor que aprendi
De novo vieste em flor
Te desfolhei...

E depois do amor
E depois de nós
O adeus
O ficarmos sós

citadinokane disse...

Tozé,
O grande dilema das revoluções, é o processo que vem depois, isto é, como reorganizar a sociedade e projetar as utopias para que elas se concretizem.
És professor de História e sabes que muitos "revolucionários" vão traindo por "30 moedas" os ideais em nome do pragmatismo, em muitos casos funesto...
O bom das revoluções é a sensação de que é possível se construir com as próprias mãos o futuro.
É de verdade emocionante...
Viva Tozé, viva a democracia, viva Abril eterno!!!!
Abraços,
Pedro

citadinokane disse...

Ivan,
Já decidi. Tenho que fazer uma revolução diária, micro, molecular...
É emoção garantida e muito o que abandonar.
Abraços,
Pedro

citadinokane disse...

Nan,
Voltarei aqui para comentar.
Beijos,
Pedro

citadinokane disse...

Mixikó,
Ruy Guerra e Chico Buarque têm razão, trazemos o sangue lusitano em nossas veias...
Tuas palavras e o poema que colocas no comentário me deixaram com os olhos marejados de emoção.
Quiçá, outro "abril" virá em nossas vidas, e com certeza com cheirinho de alecrim...
Beijos,
Pedro

prof disse...

Olá, Pedro! Obrigada pela visita e pela solidariedade. Eu passei pelo seu blog, para retribuir a visita e o conhecer, e já o adicionei aos meus favoritos. E foi lindo ver aqui esta homenagem ao 25 de Abril, data que recordo com saudade.
Abraço, Armanda

Paola Vannucci disse...

Ola meu querido

Acabei de ler suas postagens, mas cofesso gostar muito da alegria de ensinar,....


mas com tanto trabalho desses ultimos dias confesso estar muito cansada......

mas vir aqui me relaxa, nao se preocupe......

Beijos

mil

PAola

Paola Vannucci disse...

estou escutando a grande Musica do Zeca Afonso, eu a tenho gravada a muito tempo, realmente na história humana, há muitas perversidades as quais nos dói e muito.... Se todas as pessoas se conscientizacem de que há esperança no porvir o mundo seria melhor............

beijos

Boa noite

citadinokane disse...

Luana,
É preciso não deixar de sonhar...
É a condição humana, projetar sonhos e lutar para concretizá-los...
Pôxa! Estamos com saudades de ti...
Abraços,
Pedro

citadinokane disse...

Armanda,
Me pegaste meio ocupado, sou professor e tenho tantas provas para corrigir, mas estou aqui para reafirmar o desejo de um mundo sem fronteiras, para todos...
Abraços,
Pedro

citadinokane disse...

Paola,
Há esperança no porvir, estou certo disso.
Abraços querida amiga,
Pedro

citadinokane disse...

Nan,
Engraçado, essas experiências que vivencias, vivi intensamente não faz muito tempo...
Fiquei alquebrado, chateado... Muitas noites e madrugadas em tarefas "revolucionárias", contando estrelas... Sonhos e pregando cartazes... Sonhos e disputas... Sonhos e decepções...
Mas, nada poderá apagar a esperança de que é possível construir um mundo mais fraterno. Te digo do fundo do coração, é possível semear onde estivermos, novas possibilidades, com diálogos firmes e elucidativos, sem a arrogância de apontarmos que Canaã está ali na esquina...
A realidade é muito mais dura do que pensamos.
A esperança está no horizonte, caminhamos em sua direção, e ela se distancia... A esperança é isso mesmo, faz caminharmos sempre... E continuamos a nossa jornada, com a alegria do pouco feito e a certeza de lutas vindouras pelo muito que não se fez.
Abraços,
Pedro

Luana Caldas disse...

Oi Pedro,

Eu também estou com saudades de vcs, é que a minha vida de estudante está um loucura e também a procura novos espaços de trabalho, mas... prometo que isso vai melhorar, afinal "É PRECISO SONHAR SEMPRE!!!!"
Bjs

asn disse...

MANIFESTO!... fora de tempo?
Aproximando-se a minha idade em passo célere dos 60 anos, é muito natural (o que, às vezes, admito que possa ser muito chato para os meus leitores...)que invoque as minhas recordações, aquelas que me ficaram na memória, que ainda hoje me emocionam e me perturbam o espírito. O pior é que sinto, como muitos milhares como eu, que vivi uma época, com o ardor próprio das revoluções e da juventude, com todo o entusiasmo de quem estava convicto de que poderia dar o seu contributo para melhorar o Mundo. A pensarmos que em Portugal, o Estado passaria a ser o conjunto de todo o Povo!
"O Povo é quem mais ordena!
O Povo unido jamais será vencido!
Por um país realmente social e solidário!
A Internacional Socialista cantada a plenos pulmões!
Noitadas a colar cartazes e a pendurar panos com palavras de ordem e Convocatórias para Manifestações!
Reuniões atrás de reuniões para delinear estratégias da Comissão política concelhia do PS!
Montar guarda à sede nos tempos quentes do Verão de 1975!
Comissões de Trabalhadores!
Campanhas eleitorais de microfone numa mão e o volante da carrinha que levava a propaganda na outra( várias do PS, das Presidenciais a favor de Mário Soares e do General Eanes, Assembleias e Junta de Freguesia!
etc etc.
Viva o 25 de Abril!
Viva a Democracia!
Viva o Humanismo, também...
Alô Pedro, um grande abraço e obrigado pelo texto sentido deste teu post!
António

citadinokane disse...

Luana,
Com toda certeza conseguirás o teu espaço.
Te ligo sem falta.
Abraços,
Pedro

citadinokane disse...

Querido António,
Que nossas utopias sejam realidades num futuro não muito distante...
Viva o povo! Viva o António!
Abraços,
Pedro