quarta-feira, outubro 04, 2006

O crime do balde... e o anão.

O amigo "Cabeção" gosta de contar causos e dentre vários contados o que me chamou a atenção foi o caso relatado de um anão que havia praticado um estupro, o detalhe surrealista, a moça tinha 1,80m de altura e o crime havia sido praticado em pé... Huum, não sei não... O Cabeção tem uma mente fértil, adora inventar histórias só pra chamar atenção, sabe como é que é, ele tem cabeça grande, o corpo é disforme, usa aparelhos nos dentes, calvo e o desgraçado ainda carrega o famigerado complexo de Brad Pit, isto é, se acha o bam-bam... Aí é um passo para a imaginação criar asas, detalhe que não se pode deixar de frisar, essa imaginação quase sempre cria asas etílicas, é sério! E com fortes dores de cabeça no dia seguinte, segundo explicações do afamado Cabeçón.
Escrevo desconfiado de que é mais uma história, daquelas que não aparecem as verdadeiras digitais do autor. Cabeção pediste e o poster publica.

DEVE SER PIADA. COM A PALAVRA, OS SRS.ADVOGADOS!!! Vamos ao relato do amigo Cabeção:

Tratava-se de um estranho caso de estupro que envolvia como acusado um anão e como vítima uma bela moça de 1,80m de altura. Nas alegações finais de defesa, o advogado do anão pedia a absolvição, afirmando que não haveria a mínima possibilidade do anão ter cometido o crime, uma vez que constava dos autos, no depoimento da própria vítima inclusive, que o ato sexual teria acontecido em pé. Ora, como explicar que um anão de 1, 30m de altura teria conseguido praticar a conjunção carnal em pé com uma moça de 1,80m ?
Na tréplica, o Promotor de Justiça reitera o pedido de condenação, dizendo que o fato estaria explicado também pelo depoimento da vítima, que afirmou que "o anão tinha utilizado um balde". Assim, o anão teria subido no balde para ficar na altura necessária para consumar seu intento criminoso.
O juiz decidiu: "Absolvo o acusado. Não houve estupro, pois o ato teve o consentimento tácito da vítima. Não obstante estar de mãos amarradas (como consta dos autos), nada impedia a vítima de apenas com um chute no balde derrubar o anão e assim se livrar do ato sexual, se assim realmente quisesse".
Muito tempo depois, quando o crime já estava prescrito, o anão esclareceu o ocorrido: "Eu de fato cometi o estupro e consegui fazê-lo usando um balde, mas não subi no balde. Eu coloquei o balde na cabeça da vítima e me dependurei na alça !!!!"

17 comentários:

Luana Caldas disse...

EI,qual o problema com pessoas que usam aparelhos?
Mas que alça forte heim??rsrsrsrs

Mixikó disse...

ehehehehehehehehahahh...

E essa do complexo de Brad Pit está demais...se acha o bam-bam??Acha-se o maior, o máximo, podre de bom?
Desculpa, mas se for esse o significado...ele é mesmo bom-bom...eheheeheheheheheh

Mari Penna disse...

Meu Deus! Meus Deu! Meu Deus!!!
Isso é que é fertilidade mental!
Ahahahahahaha.
Pior é que faz sentido...rs.

Tozé Franco disse...

Não sei se é verdade, mas que está com imaginação disso não tenho dúvidas.
Um abraço.

Navi Leinad disse...

Pedro, essa é boa! Que anão esperto, hein?
hehehehehehehehehehehe...
O mais cômico ao ler o caso é que a gente fica tentando visualizar em nossa mente a situação. Primeiro em cima do balde, depois pendurado no balde.
Esse "causo" vou passar adiante. Merece! hehehehehehe...

marisanblog disse...

Rsrsrsrs,....

Pedro, quero te dizer que isto aí, não é Nelson Rodrigues, rsrsrs


Mari

citadinokane disse...

Luana,
nenhum problema, todos são filhos de Deus, né?!
Claro que é brincadeira, o aparelho tá lá porque é necessário, se não fosse não estaria, ótima conclusão.
A alça do balde é forte, hein?!
Beijos,
Pedro

citadinokane disse...

Mixikó,
O Brad Pit não entro no mérito, mas o Cabeção é pura encenação...
O Cabeção está para o Brad Pit, assim como o Plutão está para a Terra, pronto. Hehehe... O Cabeção vai ficar uma fera.
Beijos
Pedro

citadinokane disse...

Mari Penna,
É muito fértil a cabecinha do meu amigo, aí a inventividade não tem limites.
Ô alça forte, hein!?
Beijos,
Pedro

citadinokane disse...

Tozé,
Haja imaginação...
Abs,
Pedro

citadinokane disse...

Ivan,
Fiquei pensando no clichê - "chutar o balde", talvez fosse a salvação... Mas a moça não contava com a astúcia do cidadão saliente e inteligente, resolveu evitar o chute e ficou pendurado, pra lá e pra cá...
Por falar em Cabeção, já podemos marcar o encontro pra tomar "leite" na Sol?! O Cabeção vai, topas?
A partir das 11h, ok!?
Abraços,
Pedro

citadinokane disse...

Mari,
Não é Nélson Rodrigues. É Cabeção mesmo.
Abs,
Pedro

Navi Leinad disse...

Ok! Tá combinado então.

Carlos Ponte disse...

Digamos que é uma adaptação de "A fé move montanhas".
Pudera, uma montanha daquelas... qual anão qual quê?
As histórias que o seu amigo conta Pedro!
Um abraço,
Carlos Ponte

Anônimo disse...

Quanta imaginação!!!
Adorei a descontração da história.
Ainda bem que o réu pode mentir em juízo.

Fátima

citadinokane disse...

Carlos,
Precisas conhecer o Cabeção, ele é impagável, è vero!

Tanto mar, tanto mar... estava escutando o Chico Buarque, homenageando a Revolução dos Cravos, lembrei de ti irmão.
Um abraço,
Pedro

citadinokane disse...

Fatinha,
Volte sempre, ah! se não fosse a mentira, né?!

Beijos,
Pedro