domingo, outubro 08, 2006

Shakespeare bebia e bebia...


Cá entre nós, sempre desconfiei da genialidade dos gênios, a produção de "cara limpa", sem patuscada, sem nenhuma gotinha do néctar de Dionísio para socorrê-los, sempre cocei a orelha desconfiado... huumm... Nenhuma gotinha... huumm...

Olha só o que a Folha de São Paulo publicou:
"Especialistas dizem que Shakespeare bebia quando escrevia".

Por favor, alguém pode trazer-me um cálice de vinho tinto chileno?! Ôpa! Muito obrigado. Que sabor maravilhoso... É possível agora sentir uma suave brisa do Pacífico... Não me peçam para parar de ingerir esse elixir dos dioses, Shakespeare em seu túmulo sabe muito bem do que estou falando, ele me acompanharia intimoratamente nessa degustação dionisíaca e ao final de cada cálice diria "mais um vermelhinho chileno, hehehe...".

O jornal paulista divulga que o dramaturgo inglês William Shakespeare (1564-1616) escreveu muitas das suas peças teatrais após noites de bebedeiras, em pândegas. É isso mesmo, quem afirma que Shakespeare enchia a "lata"?! É o director artístico da Royal Shakespeare Company (RSC), Peter Hall, e o director do teatro Globo, Dominic Dromgoole.
Para Hall, especialista na obra shakespereana, o autor de clássicos como A Tempestade, Hamlet e Romeu e Julieta escreveu muitas das suas obras embriagado, como havia sugerido o poeta Ben Johnson contemporâneo de Shakespeare. Dromgoole afirma que Shakespeare criou os seus versos mais famosos "nas segundas-feiras após tomar porres". Segundo ambos os conhecedores do escritor inglês, dentro da obra de Shakespeare há "versos ruins", compostos sob os efeitos das enxaquecas causadas pelo excesso de álcool das noites anteriores.
Shakespeare, dramaturgo, poeta e ator inglês, nasceu em 23 de abril de 1564 e morreu em 3 de maio de 1616.
É considerado o escritor mais importante de língua inglesa e um dos mais célebres da literatura.

Mais um cálice Shakespeare?! Ok! É bom, né?!
Peraí Shakespeare, eu quero também.
Agora entendi, não se pode dar muito vinho para o maior escritor inglês, ele fica abusado... rsrsrs...
Ei "Shake" deixa o copo aí, pode levar a garrafa... Tchau seu chato!!!!

8 comentários:

Direito & Esquerdo disse...

O que diria o dileto "LocuBueres" sobre o post?
Talvez diria: se não me der eu conto.
Um amplexo nazareno.
Bruno

marisanblog disse...

Pedro,

Adorei o post. Isto prova então, que a bebida, especialmente o vinho, dá asas às imaginações poéticas, então... uma garrafa por favor amigo!? Rsrsrs

Abraços

Mari

citadinokane disse...

Soeiro,
Se não me der o quê, cara pálida?!
Abraços,
Pedro

citadinokane disse...

Mari,
Um cálice de tinto chileno, por favor!
Abs,
Pedro

Anônimo disse...

com um santa helena eu escrevo até a bíblia

Navi Leinad disse...

Onde foi parar a rolha dessa garrafa que o chato do "Shake" levou?
Por favor, sem respostas indecentes.
:P

citadinokane disse...

Gabriela,
Com duas garrafas é possível produzir o Alcorão também, hehehe...
Abraços,
Pedro

citadinokane disse...

Ivan,
o "Shake" deve ter levado essa rolha também...
Na próxima vez tem que esconder a garrafa.
Abraços,
Pedro