domingo, novembro 12, 2006

Canção óbvia - Paulo Freire


Paulo Freire grande educador brasileiro, criando inclusive um método de educação que leva o seu nome, escreveu vários livros que abordavam a possibilidade de uma educação libertadora a partir dos conhecimentos do dia-a-dia do homem comum. Com o golpe militar de 1964, Paulo Freire foi perseguido pelos militares e buscou o exílio na África e depois na Europa. Fui educador de rua, trabalhei com crianças de rua, à época acreditava nessa possibilidade de transformação social, e fui muito influenciado por Paulo Freire, sempre pensei ao ler os textos do maravilhoso pedagogo brasileiro, que as idéias expostas nos livros eram articuladas de forma poética. O meu grande amigo Marcelo Costa (Marcelinho) me deu de presente uma poesia que Paulo Freire havia escrito no exílio, achei linda de morrer e quero compartilhar com todos:

CANÇÃO ÓBVIA

Escolhi a sombra desta árvore para
repousar do muito que farei,
enquanto esperarei por ti.
Quem espera na pura espera
vive um tempo de espera vã.
Por isto, enquanto te espero
trabalharei os campos e
conversarei com os homens
Suarei meu corpo, que o sol queimará;
minhas mãos ficarão calejadas;
meus pés aprenderão o mistério dos caminhos;
meus ouvidos ouvirão mais,
meus olhos verão o que antes não viam,
enquanto esperarei por ti.
Não te esperarei na pura espera
porque o meu tempo de espera é um
tempo de que fazer.
Desconfiarei daqueles que virão dizer-me,
em voz baixa e precavidos:
É perigoso agir
É perigoso falar
É perigoso andar
É perigoso, esperar, na forma em que esperas,
porque esses recusam a alegria de tua chegada.
Desconfiarei também daqueles que virão dizer-me,
com palavras fáceis, que já chegaste,
porque esses, ao anunciar-te ingenuamente,
antes te denunciam.
Estarei preparando a tua chegada
como o jardineiro prepara o jardim
para a rosa que se abrirá na primavera.

Paulo Freire: Genève, Março 1971

28 comentários:

Lila Magritte disse...

Un hombre solidario y de gran sabiduría será siempre recordado con admiración.
Acá en Chile también se hizo notar con fuerza su figura y sus enseñanzas innovadoras.

Abrazos.

fgiucich disse...

Es peligroso hablar, es peligroso andar, es peligroso pensar, pero cuán hermoso es vivir en libertad. Hermoso poema. Abrazos.

citadinokane disse...

Lila,
Resumiste Paulo Freire: um homem solidário e sábio.
Contribuiu em muito para a nossa democracia.
Besos,
Pedro

citadinokane disse...

Fgiucich,
Liberdade, liberdade joga tuas asas sobre nós...
Bom é viver em liberdade civil.
Besos,
Pedro

Paola Vannucci disse...

Anote aí:

paolavannucci@hotmail.com

me adiciona

e vamos ver o que acontece com meu blog, eu não entendi nada....

Tenha uma boa semana........

Beijos

Estou na correria......

Mixikó disse...

É Lindo Pedr...obrigada pela partilha...

É preciso...VIVER

Carlos Ponte disse...

Pena que Freires destes comecem a escassear! Há é por aí muito frade enganando a gente com o seu hábito.
Raio de trocadilhos! Até parece o Periquita a falar.
Amigo Pedro, um abraço p'ra você.
Carlos Ponte

citadinokane disse...

Mixikó,
Sempre compartilhando e vivendo...
Beijos,
Pedro

citadinokane disse...

Carlos,
Ah! Um Periquita, nada mal...
Abraços,
Pedro

Tozé Franco disse...

Caro Pedro:
PAsse pelo meu blogue pois tenho lá um convite para si.
Um abraço.

Paola Vannucci disse...

Poema feito no ano que nasci, gosto muito de Paulo Freire, digito muitas coisas sobre pois com o trabalho que executo sempre me cai Pedagogia a frente, o mais incrível é como tem muitas pessaoas se formando em pedagogia, mas na prática deveria primeiro se o governo passar uma formação de boa qualidade aos formandos que irao entrar no mercado de trabalho. Vejo muitas vezes pelas monografias que digito que os trabalhos quazer não tem base sólida, e no entanto os tutores ,se apoiam no nada de informações que os alunos passam. Aproveitando a postagem abaixo, muitos dos alunos entram na net copiam textos longos e colam como se fossem eles que tivessem desenvolvidos. Tem um site Zé Moleza que dá monografias inteiras, prontas...... Pergunto onde vai parar o profissionalismo?

Mas gosoto muito de Paulo Freire...
òtimo poema.

Meu amigo, me adiciona lá, querer tentar entender o problema de não conseguir ler meu espaço.
Vamos acabar com esses alienígenas todos que estão pululando nossos caminhos literários....

Amo vc

Boa noite

Mixikó disse...

A Paola tem toda a razão, fico passada também por exemplo, com tantos blogues que vejo, onde copiam textos na íntegra...e não fazem referênca à fonte ou autor...como se fossem de sua autoria...

Luciane Fiuza de Mello disse...

Olá, Pedro.
Obrigada por visitar "todo" o meu blog (rsrssr). Pelo jeito parece que gostou mesmo. Valeu!
Tentei fazer o mesmo por aqui, mas não consegui, voltarei para me deliciar nas tuas leituras.
É que tem muita informação, o espaço é muito interessante, bem eclético: artes, curiosidades, diversão, histórias... Muito 10 mesmo!!! Também me agrada o fundo azul., minha cor predileta.
Quanto ao meu bloguito, estou com um problemão para acessá-lo, esqueci o login e estou tentando recuperá-lo. Já não é a primeira vez que tenho problemas com o meu blog - que é de Portugal, por isso o "pt" no final -, mas não quero trocar para não perder os comentários.
Assim que resolver esta situação prometo ser mais constante por lá; estou sentindo muita falta mesmo de postar. Vou arrumar um tempo também para aprender a colocar links, contadores, banners etc.
O teu blog é lindo e tem tudo isso, além do principal: tem conteúdo e, para completar, é poético. Parabéns novamente!
Lu.

Mixikó disse...

Olá Pedro,
"Puto" pode querer dizer muitas coisas, entre elas na gíria = homem devasso, de maus costumes ou então; usamos para dizer: eu não percebo puto disto = eu não percebo nada disto; ou no meu caso, usei mesmo para dizer que o professor era mesmo puto = de novinho, muito novinho...

o que achei interessante por ele saber tanto já...aliás ontem estive a conversar com ele,no final da aula, porque tinha umas dúvidas e conversa puxa conversa, ele disse que tinha 28 anos = um puto = miúdo portanto...lol...mas com um grande caminho já...
Um beijo

citadinokane disse...

Tozé,
Irei daqui a pouco e sem falta.
Um abraço,
Pedro

citadinokane disse...

Paola e Mixikó,
É muito importante incentivarmos a criatividade, um pouquinho de esforço resulta em post bem "giro"(Mixikó está certo o uso da palavra?!).
Beijos,
Pedro

P.S.: Paola como adicionar?!

citadinokane disse...

Luciane,
Aconteceu o mesmo comigo, perdi o login e tudo mais, não quero nem lembrar... Tristeza...
Mas deixa pra lá.
Seja sempre bem vinda, e continuarei indo te visitar.
Beijos,
Pedro

P.S.: Depois que recuperar a senha, não esqueça de anotar e colocar no cofre, né?

citadinokane disse...

Mixikó,
Obrigadooooooo!!!!
Usamos por aqui mais com o primeiro significado, rsrsrs...
Beijos
Pedro

Luciane Fiuza de Mello disse...

Obrigada, Pedro.
Vou fazer isso, senhas sempre me dão problemas. acabo de ler mais um poco do blog do Nelito.
Um abraço!!!
Luciane.

Mixikó disse...

Está certo o uso da palavra "giro"...eheheh...beijos

marisanblog disse...

Boa leitura Pedro.

Beijos

Mari

citadinokane disse...

Lu,
Uma dica, compra um caderninho só pra anotar as coisas do blog, ok?!

citadinokane disse...

Mixikó,
Que bom! Estou ficando "giro", ehehehe...

citadinokane disse...

Mari,
Paulo Freire sempre uma boa leitura.
Abraços,
Pedro

Luciane Fiuza de Mello disse...

Valeu pela dica. tenhos alguns arquivos com idéias soltas. Vou reuní-los em um spó e providenciar o caderninho.
Amei a Canção Óbvia, até imprimi.
quero te mandar um texto do Frei Betto sobre paulo Freire. Daqui a pouco coloco aqui.
Lu.

Luciane Fiuza de Mello disse...

O texto:
"Foram as suas idéias, professor, que permitiram a Lula, o metalúrgico, chegar ao governo. Isso nunca acontecera antes na história do Brasil e, quiçá, na do mundo, exceto pela via revolucionária. (...) A sua pedagogia, professor, permitiu que os pobres se tornassem sujeitos políticos. (...) Graças às suas obras, professor, descobriu-se que pobres têm uma pedagogia própria. Eles não reproduzem discursos abstratos, mas plásticos, ricos em metáforas. Não moldam conceitos,
contam os fatos. Foi o senhor que nos fez entender que ninguém é mais culto do que o outro por ter freqüentado a universidade ou apreciar as pinturas de Van Gogh e a música de Bach. O que existe são culturas paralelas, distintas e socialmente complementares. (...) O
pobre sabe, mas nem sempre sabe que sabe. E quando aprende é capaz de expressões como esta que ouvi da boca de um senhor, alfabetizado aos 68 anos: 'Agora sei quanta coisa não sei'. (...) O senhor fez os pobres conquistarem auto-estima. Graças ao seu método de alfabetização, eles aprenderam que 'Ivo viu a uva' e que a uva que Ivo viu e não comprou é cara porque o país não dispõe de política agrícola adequada e nem permite que todos tenham acesso à alimentação básica. (...) Ao longo das últimas quatro décadas, seus 'alunos' foram emergindo da esfera da ingenuidade para a esfera da crítica; da passividade à militância; da dor à esperança; da resignação à utopia. Convencidos pelo senhor de que são capazes,
eles foram progressivamente ocupando espaços na vida política brasileira, como militantes das CEBS, do PT, do MST e de tantos outros movimentos. Por este novo Brasil, muito obrigado professor Paulo Freire". Frei Betto.

(Trecho retirado da contra-capa do livro Pedagogia da Autonomia - Saberes necessários à prática educativa; de Paulo Freire; 3ª edição; São Paulo: Faz e Terra, 1996. Coleção Leitura).

citadinokane disse...

Lu,
Manda pra gente.
Abs,
Pedro

citadinokane disse...

Lu,
Ok!
Abs,
Pedro