quinta-feira, novembro 09, 2006

Zeca Baleiro no Café da Sol.



Gente, há duas semanas atrás estávamos eu, o Ivan, o Osvaldo jr., Osvaldo Belarmino e o Cabeção lá no Café da Sol, e de repente o Osvaldo Jr. olhou pro lado e disse: - Aquele cara é o Zeca Baleiro!
E realmente, era o Zeca Baleiro.
O compositor e cantor veio fazer um Show no ginásio do Sesc na sexta-feira, resolveu no sábado de manhã dá uma esticada até o Café da Sol.
Nós estávamos lá e registramos a visita do mais novo expoente da MPB: Zeca Baleiro. Vamos reproduzir uma entrevista que encontramos na Internet:

Zeca Baleiro é mesmo a cara deste País. A variedade de ritmos e gêneros musicais envolvidos em suas produções o tornam como um dos cantores que sabem valorizar a terra onde vive. Suas canções vão do simples ao rock pesado, passando pelo samba, embolada, balada, baião, reggae, pagode, blues etc. Baleiro não costuma dar rótulos ao tipo de música que toca. Para ele, o universo musical brasileiro é muito mais abrangente do que isso.Zeca Baleiro foi batizado com nome de santo, José de Ribamar, como paga de promessa. Ganhou o apelido de Baleiro ainda na faculdade, quando, entre uma aula e outra, saboreava suas balas e doces.

Entrevista realizada no dia 18/02/2003

1) Como você lida com os preconceitos que a mídia tem com o som regional ? Você encontrou dificuldades para a divulgação de seu trabalho?
Meu som nunca foi identificado como apenas regional, pois sempre houve uma aspiração pop na minha música. Dificuldades eu encontrei, claro, mas não por isso exatamente. Aliás, o fato de ter elementos de culturas regionais na produção musical de hoje se tornou um trunfo, um dado a favor.
2) Zeca, você chegou ao sucesso com seus próprios esforços e sem ter sido apadrinhado por ninguém. Como é essa sensação?
Com meus próprios esforços sim, mas tive muitas colaborações pelo caminho, algumas essenciais. A gratidão é uma virtude, já deve ter falado algum sábio, e eu sou muito grato à Rossana Decelso, minha amiga e empresária, que está comigo desde o tempo das vacas mortas, ao Mazzola, criador do selo MZA, pelo qual até hoje gravo e lanço meus discos, e a muita gente mais, Chico César e Rita Ribeiro, comparsas do início em São Paulo, à Gal Costa, etc etc etc. Me sinto um guerreiro, mas ninguém vence um exército só. Sozinho sozinho não dá pé.
3) Mata uma curiosidade pra gente. É verdade que a primeira vez que subiu em um palco para fazer um show, você estava completamente bêbado? Conte melhor isso.
Eu era um moleque de 19 anos de idade, inseguro pra cacete, nunca havia subido num palco. Classifiquei um samba de breque quilométrico pra um festival lá em São Luís do Maranhão. Era o Festival Viva, apresentado num ginásio pra mais de 5 mil pessoas, personalidades no júri, um acontecimento. No meu dia, acho que o Belchior era um dos jurados. Tentei achar alguém pra cantar, mas todo mundo achava difícil decorar aquela letra de quatro laudas. Então sobrou pra mim, tive que ir defender a música. Pra encorajar, enchi a lata, cantei, fomos aplaudidos, elogiados e tudo, mas eu não lembro de nada.
4) Como você vê o nível dos artistas que estão surgindo? Há alguém que você admire?
Gosto muito de Totonho e os Cabra, banda meio paraibana meio carioca, que faz uma mistura muito bem resolvida de eletrônico e rock com regional. Mas tem gente boa surgindo a todo instante.
5) Como você define seu som? Tá mais pra MPB ou Regional ? Ou acredita que rótulo é algo desprezível?
Rótulo é um mal necessário. A indústria e a imprensa precisam dele, é óbvio, mas o artista não. A partir do momento em que você aceita um rótulo, você vira escravo dele, e o maior bem de um criador é a sua independência, sua liberdade. E se amanhã eu quiser fazer um disco de samba, quem vai me impedir, ou um disco de hardcore?... Nada me proíbe de transitar por praias diversas, vários gêneros, etc. Não há limites ou freios para a criação. Tenho tentado mostrar isso com meus discos esquizofrênicos.
6) Como se sente tendo sua música Lenha sendo regravada por outros artistas e praticamente tendo virado um hit nacional?
É bom, o destino das canções é esse mesmo, a banalização. Quero ver o porteiro do prédio assoviando minha música.
7) Deixe uma mensagem final para todo o público que te acompanha desde longa data e para os mais recentes.
Pode não parecer, mas o mundo é dos vira-latas.

Quem quiser escutar o Zeca Baleiro, clica aí no YouTube

23 comentários:

Mixikó disse...

Essas vossas tertúlias no café Sol parecem ser muito interessante...é um alimento para a alma...

P.S. Pedro, terei muito gosto em receber esse abraço, é só avisar quedo estiver em Portugal (eu estou em Lisboa), combinámos um cáfé...

citadinokane disse...

Mixikó,
O encontro com os amigos é remédio para a alma estressada...
Estou me planejando para além-mar.
Abraços,
Pedro

Paola Vannucci disse...

Bom dia meu querido amigo,

Adoro o Zeca,

ele com sua sábia simplicidade.

Uma música, aquele do salão de beleza, gosto muito....
Telegrama, entre outras.........

Beijos meu querido....

Sua presença muito me fortifica...

PAola

Yúdice Randol disse...

Se tenho lamentado não poder ir aos encontros de sábado, agora me corto ainda mais, ao saber que perdi a chance de dar um abraço no Baleiro. Mas me aguardem que, na próxima semana, hei de estar com vocês. Amanhã, infelizmente, tenho uma ridícula mudança a fazer.

citadinokane disse...

Paola,
Considero Zeca excelente! A voz, as letras das músicas bem identificadas com o nosso dia-a-dia.
Abraços,
Pedro

citadinokane disse...

Yúdice,
Inclusive ele perguntou por ti... rsrsrs...
Brincadeiras de lado, o cara é muito simples, bem acessível, é um brasileiro!
Abraços,
Pedro

Navi Leinad disse...

Por falar em tertúlias, amanhã é Computer Store ou a boa e velha Sol?

citadinokane disse...

Ivan,
Aceito sugestão.
Vamos fazer contato com o Cabeção?!
Estou inclinado a boa e velha Sol. Sabe como é que é?! O hábito do cachimbo deixa a boca torta,né?
Pedro

Navi Leinad disse...

Companheiro, sou eu. Atende esse telefone!
Companheiro, sou eu. Atende esse telefone!
Companheiro, sou eu. Atende esse telefone!
Companheiro, sou eu. Atende esse telefone!

marisanblog disse...

Pedro,

Zeca Baleiro é muito legal. Certa vez ganhei um CD dele de um amigo, aliás o único que tenho. Muito gostoso.

Bj

Mari

Juana Banana disse...

oiii!!!! eu fiquei maravilhada pela sua visita meu amigo Kane!!!

BEMVINDO A MEU ESPACIO DE SONHOS TAMBEM!

seu morada é muito bonita, cara...esu adoro seu pais, conhezco até curitiba, mais longe nao, mais eu acho que alguma vez eu estarei pela sua cidade!

beijos beijinhos de anjo!
eu volto, sim, sim , mesmo, que voltarei!

Jofre Alves disse...

Eis aqui para desejar um óptimo fim-de-semana, enquanto aprecio esta página, sempre atractiva, eternamente interessante, continuamente apelativa, por todos os motivos. Um hábito que se tornou imprescindível, claro, porque a qualidade é muita.

Paola Vannucci disse...

o cara mais andreground que conheço é o diabo...........

Putz

Ouço isso direto.........

Arre

Sua presença no blog está fuminante,

rsrsrsrssrsrsrsrssrsr

Tenha uma suave noite

Te amo

Paola

marisanblog disse...

Pedro, ô Pedro,

Onde tá tu homi!? Rsrsrs

Mari

citadinokane disse...

Ivan,
Já atendi.

citadinokane disse...

Mari,
Deixa de ser "mão-fechada", o que tá faltando pra comprar os outros CD's do Baleiro?!
Abre a carteira, vale a pena muié!

citadinokane disse...

Juana,
Também gosto muito do teu país, tenho grande desejo de conhecê-lo, não é tão longe.
Conheço também Curitiba. Continuarei te visitando.
Sempre bem vinda.
Abrazos y besos,
Pedro

citadinokane disse...

Querido Jofre,
Tu és pessoa que preza pelo resgate histórico, fiquei de verdade muito impressionado com o teu empreendimento nos vários blogues que comandas, é sensacional o que realizas, parabéns.
És bem vindo, sempre.
Abraços além-mar,
Pedro

citadinokane disse...

Paola,
Estou encontrando problemas para visitar o teu blog.
Consigo o acesso e depois que a tela arma, simplesmente congela para em seguida ser fechada... Aí eu me mordo de raiva...
Continuo tentando verfique o que está acontecendo, ok?!
Abraços,
Pedro
P.s: Será o diabo que o Baleiro se refere?! Sei não...

citadinokane disse...

Mari,
Onde eu estou?! Ora ora, na Sol é claro.
Todos ficamos esperando...
Esperando Godot, lembra?!
Pois é, a tua máscara está enorme.
Abraços,
Pedro

marisanblog disse...

Pedro,

Se consultares o teu e-mail, verás que a minha máscara não está tão grande assim, mas, com certeza no sábado vindouro estaremos na Sol ou Computer, brindando a felicidade do viver, e espero que leves este tal de Periquita viu!!??Rsrsrs

Bjs

Mari

marisanblog disse...

É verdade. Às vezes me acho meio "mão fechada", para algumas coisas claro. Tá bom, vou avaliar o CD e tentar abrir a mão, rsrsrs

Abraços abertos.

Mari

citadinokane disse...

Mari,
Trata de abrir a mão, né?!