domingo, dezembro 24, 2006

Papai noel, velho batuta...

Estou aqui tentando escrever um post para o Natal ou sobre o Natal, mas confesso não estou conseguindo... Gostaria de falar da alegria de aqui-agora poder comemorar mais um Natal com saúde e muitos projetos para o ano que vem...
Sem inspiração ou cético em relação ao Natal?!
Talvez influência do papo com o Locobueres na semana que passou. O velho e bom Locobueres, que de médico e poeta tem um pouco, numa conversa animada, começou a lembrar da cena musical do início dos anos oitenta, anos estranhos, eu um jovem mancebo imberbe, repare o quanto ainda estava no albor de minha juventude, e o Locobueres já com uma filha no mundo, o blusão de couro e a sua Harley-Davidson tupiniquim, segundo relato do loco, o mesmo havia montado uma motocicleta com peças de ferro-velho, tudo legal, "sem sujeira"...
Começamos constatando que a MPB recuara e as bandas de rock e punk começavam a ocupar a cena musical daqueles anos estranhos, falamos de tantas bandas, mas não sei o que levou a centrarmos a atenção na Banda de punk-rock - "Os Garotos Podres", aí o Duda disse: - Te lembras que esses caras bateram forte no papai noel, olha a letra:"Papai Noel, velho batuta, rejeita os miseráveis / Eu quero matá-lo, aquele porco capitalista / Presenteia os ricos, cospe nos pobres". O loco com um sorriso nos lábios, soltando uma baforada do seu charuto "puro" cubano, gargalhava ao dizer: - Mermão, nos shows, o "velho batuta" era trocado pelo "filho da puta".
"Os Garotos Podres" formado hoje pelo Mao(vocais), Mauro(guitarra) e Sukata(baixo) - a trinca mais antiga do quarteto, e Nunes (baterista) - viveram tempos de ditadura militar e censura prévia. O vocalista Mao, foi militante sindicalista, com raízes fincadas no Partido dos Trabalhadores e no Trotskismo. A preocupação em mostrar as contradições de nossa sociedade capitalista, remetem ao velho papai noel, uma crítica ácida, ícone do comércio, papai noel representa para "Os garotos podres" o consumismo desenfreado, que tantos males acarretam às famílias desprovidas de qualquer perspectiva de superação da pobreza ou miséria...
Quantos pais estão jogados pelos cantos de nossas metrópolis, fragilizados e derrotados diante da impossibilidade de oferecer à família o conforto e os bens necessários para uma vida digna? A sociedade recebe um bombardeio diário da mídia de todos os matizes, que com uma propaganda massiva iguala a todos... "Como?! Não comprou o tênis da Nike, Adidas..." ou ainda, "Passe em nossa concessionária e faça um test drive no carro de seus sonhos..." Para quem a propaganda está falando?!
Frágeis e oprimidos por um sistema, que expurga e marginaliza quem não tem dinheiro, um preconceito vem à tona: os pobres!... mas, como são chatos! O que querem?!
Chico Science já dizia: "Se o país não for para todos, ele não será de ninguém..."

Peço nesta noite de Natal um minuto de reflexão, milhares, milhões em nossa aldeia estão abandonados, e o que é pior, no meio de outros milhares e milhões... Atenção, olhe ali na esquina da rua, bem pertinho de casa, olha aquele homem caído, talvez seja um pai caído e abandonado, por trás dele uma família caída e abandonada...








Mais ali adiante, olha lá a multidão querendo linchar, é um bandido ou mais um homem abandonado às vicissitudes da vida? Abandono de uma infância, regada pela indiferença e violência cotidiana, e aí todos chamam a polícia para resolver!?










Por que aquele vizinho nosso se matou? Mais um que no redemoinho de uma vida louca e competitiva, não se permitiu constatar a sua simples dimensão humana, falível e não máquina, não agüentou a pressão de todos, sucesso, sucesso, sucesso... Foi demais, e temos mais um homem caído, e junto arrasta outros tantos...










Parabéns a todos que conseguiram várias conquistas neste ano, conquistas resultantes do trabalho de uma vida e a tranqüilidade de quem sabe os seus limites, conquistas às vezes pequenas, mas muito preciosas para quem sabe valorizar cada pingo de suor despendido na labuta diária.









Coloca-se à cada homem bem sucedido, a tarefa de soerguer seu irmão decaído, assim poderemos transitar pelas ruas de nossa aldeia, sem o medo de encontrarmos mãos armadas a retribuir a indiferença com mais violência... Sem o medo de que no lugar do homem decaído se levante uma besta, criada pela violência que endurece corações e desumaniza pessoas...

Pois está escrito no Capítulo 17 do Evangelho de Lucas, que o reino de Deus está dentro de cada homem, não em um homem, não em um grupo de homens, mas em todos os homens, está em nós...
"Os Fariseus perguntaram um dia a Jesus quando viria o Reino de Deus. Respondeu-lhes: 'O Reino de Deus não virá de um modo ostensivo. Nem se dirá: Ei-lo aqui; ou: Ei-lo ali. Pois o reino de Deus já está no meio de vós.' "







Mantenho abaixo a letra um tanto ofensiva da Banda de rock-punk, aqui no meu país apesar de todos os esforços do governo Lula, muitos nesta noite de Natal não terão nada, comida, presentes e nem solidariedade...
A partir da nossa ação transformadora, mudamos nós e mudamos o mundo...
Um outro mundo é possível!

Papai Noel Velho Batuta
Garotos Podres
Composição: Mao

PAPAI NOEL velho batuta
Rejeita os miseráveis
Eu quero matá-lo
Aquele porco capitalista

Presenteia os ricos
E cospe nos pobres
Presenteia os ricos
E cospe nos pobres

PAPAI NOEL velho batuta
Rejeita os miseráveis
Eu quero matá-lo
Aquele porco capitalista

Presenteia os ricos
E cospe nos pobres
Presenteia os ricos
E cospe nos pobres
pobres
pobres

Mas nós vamos sequestrá – lo
E vamos matá-lo
Por que?

Aqui não existe natal
Aqui não existe natal
Aqui não existe natal
Aqui não existe natal

Por que?

PAPAI NOEL velho batuta
Rejeita os miseráveis
Eu quero matá-lo
Aquele porco capitalista

Presenteia os ricos
E cospe nos pobres
Presenteia os ricos

4 comentários:

Luciane Fiuza de Mello disse...

Muito boa reflexão sobre o Natal. O capitalismo que cerca a data é crual. Hoje mesmo, véspera de Natal, vi homens, mulheres e crianças numa esquina da Generalíssimo Deodoro. Quando os carros paravam no sinal os pequenos iam pedir moedas, "migalhas e restos" de um Natal que não tem sentido para muitos.
Gosto do espírito natalino de solidariedade, mas quando leio que os Correios recebem montes de cartas de crianças pedindo "sonhos" para o papai noel penso no quanto a propaganda contribui para acabar com muitos sonhos que ainda nem amadureceram.
O que fazer diante deste quadro? Ter esperança que pode mudar. Tentar ajudar a nmudá-lo. Por menor que seja nossa colaboração - um gesto, uma idéia, uma atitude... - é importante não nos acomodarmos.
Grande abraço e parabéns pelos texto. Os "Garotos Podres" ~estão mais atuais do que nunca com o Papai Noel deles.
Lu.

citadinokane disse...

Lu,
Ao mesmo tempo que somos envolvidos no clima natalino, não podemos deixar de considerar as contradições assustadoras, não é possível escondê-las...

Abraços,
Pedro

Anônimo disse...

Muito bem!!! Gostei da manifestação. Acredito que o Natal ñ é e nem pode se tornar um fluxo "miserável" de lucro (o que já se tornou a muito tempo). Entretanto, acho que o significado do Natal pode ser resgatado a partir do momento em que for resgatado o amor dentro dos lares, o amor entre os seus...Aí vão entender que o Natal não é esse VELHO MALDITO COM PRESENTES e sim, a união entre os seres humanos.

citadinokane disse...

Anônimo,
Às vezes fico pensando que a idéia do velhinho que distribuía presentes para as crianças, é um esforço de alguém que buscava de verdade fazer sorrir uma criança, mas... aí veio a cultura de massa, e a busca desenfreada pelo lucro de qualquer jeito, perdemos o sentido do Natal, e o papai noel foi apropriado pelos capitalistas "gananciosos"... e o resto é tudo que foi exposto no teu comentário.
Um abraço irmão,
Pedro