quarta-feira, janeiro 10, 2007

Sem grito...

Ontem o Cabeção me convidou para bater um papinho na boca-da-noite, juntamente com a amiga Mari, o Professor Alberto e Adriana. A Mari é cheia de preocupações higiênicas, principalmente quando está em barzinho ou coisa parecida, ela insiste em perguntar, quando algum amigo vai ao banheiro: - Lavaste as mãos?! É coisa de doido, mas o que fazer? É a mania da Mari. Falei de minha amiga, como um intróito para a historinha que se segue, as mulheres sabem usar de sutilezas, quando querem conseguem tudo... Leia e pense no que acabei de falar.
________

Uma mulher muito charmosa e atraente está num bar.
Gesticula graciosamente para o barman, que imediatamente chega mais perto.
Quando ele chega, ela, muito sedutora, faz sinal para que ele se aproxime.
Ela começa a acariciar-lhe o cabelo e a barba.
Passando e repassando os dedos carinhosamente, pergunta-lhe:
Você é o proprietário?
E passa vagarosamente a mão pelo rosto dele.
Não! Responde ele.
Você podia chamá-lo? Diz a mulher afagando o cabelo do barman.
Acho que não poderei ajudá-la, pois ele não está aqui hoje, diz o barman, já profundamente excitado com a situação.
Mas, posso fazer algo por você? completa ele.
Claro que pode!
Preciso que lhe dê um recado. (Massageando a barba e enfiando dois dedos na boca do barman, deixando que ele os lamba e depois os chupe levemente, ela continua):
- Diga a ele que não tem papel higiênico e nem sabonete para lavar as mãos, no banheiro das mulheres!
(augh!)

Viu como se resolve um problema sem gritar?...

8 comentários:

Luciane Fiuza de Mello disse...

Não me convidaram p/ essa festa pobre! Registro meu protesto. Lu.

citadinokane disse...

Fale Lu!
O Cabeção pega a gente de supetão, é ex-aluno do NPI... É um cara imprevisível, ele liga e diz tô te esperando aqui e coisa e tal, mas é um bom cristão.
Não faltará oportunidade para transbordarmos as taças com o néctar dos deuses... ehehehe...

Abraços bailarina,
Pedro

Navi Leinad disse...

Ui! "Formosa" mesmo essa mulher do bar.

Carlos Ponte disse...

Pois é Pedro, o barman com certeza herdou da alma lusitana aquela peculiaridade de nunca virar a cara à luta. Depois, por vezes, sai-se mal.
Mas a luta continua, e esta foi apenas uma batalha.
Um abraço,
Carlos Ponte

marisanblog disse...

Pedro,

"Água mole e pedra dura, tanto bate até que fura". Rsrsrsrs

Beijos pra você

Mari

citadinokane disse...

Ivan,
Será?!

citadinokane disse...

Carlos,
Paga-se um preço, né?! Lamber os dedos... huumm...

citadinokane disse...

Mari,
Ela foi ao banheiro... e aí?!