sábado, março 31, 2007

PÉROLAS DO TRIBUNAL

O amigo Nilton Atayde enviou-me o texto abaixo, segundo o mesmo não se trata de ficção, é a pura e hilária realidade de alguns tribunais, as conversas abaixo foram retiradas do livro "Desordem no Tribunal". São frases que as pessoas realmente disseram, e que foram transcritas textualmente pelos taquígrafos, que tiveram que permanecer calmos e respirando fundo enquanto estes diálogos realmente aconteciam à sua frente. Nilton ficou de checar o autor do livro e depois passar a informação.
Antes de passarmos ao texto, esta semana que passou, eu e uns amigos estávamos no boteco do Ranulfo, quando chegou o nosso querido médico Dr. Almada, espirituoso e muito incisivo, como se estivesse com o bisturi na mão, é verdade, ele não gosta de advogados, frisa de antemão, que somos os únicos perdoáveis, e prosseguiu contando várias historinhas de advogados e juízes e juízas... O "cara" é neurocirurgião e com várias especialidades, sempre é requisitado pela Justiça como perito, e aí começa a guerra dele com o judiciário, acusando alguns magistrados de não serem tão inteligentes como eles pensam que são... Quando li o texto abaixo, ri muito lembrando do nosso amigo médico, realmente o Dr. Almada é impagável, principalmente quando começa a bisturizar a alma dos advogados e juízes... ehehehe...


Pergunta: Qual é a data do seu aniversário?
Resposta: 15 de julho.
Pergunta: Que ano?
Resposta: Todo ano.
-----
Pergunta: Essa doença, a miastenia gravis , afeta sua memória?
Resposta: Sim.
Pergunta: E de que forma ela afeta sua memória?
Resposta: Eu esqueço das coisas.
Pergunta: Você esquece...Pode nos dar um exemplo de algo que você tenha esquecido?
Pergunta: Que idade tem seu filho?
Resposta: 38 ou 35, não me lembro.
Pergunta: Há quanto tempo ele mora com você?
Resposta: Há 45 anos...
-----
Pergunta: Qual foi a primeira coisa que seu marido disse quando acordou naquela manhã?
Resposta: Ele disse: "Onde estou Bete?"
Pergunta: E porque você o agrediu?
Resposta: Meu nome é Célia.
-----
Pergunta: Me diga, doutor...não é verdade que, ao morrer no sono, a pessoa só saberá que morreu na manhã seguinte?
-----
Pergunta: Seu filho mais novo, o de 20 anos...
Resposta: Sim...
Pergunta: Que idade ele tem?
-----
Pergunta: Sobre esta foto sua...o senhor estava presente quando ela foi tirada?
-----
Pergunta: Então, a data de concepção do seu bebê foi 08 de agosto?
Resposta: Sim, foi.
Pergunta: E o que você estava fazendo nesse dia?
-----
Pergunta: Ela tinha 3 filhos certo?
Resposta: Certo?
Pergunta: Quantos eram meninos?
Resposta: Nenhum.
Pergunta: E quantas eram meninas?
-----
Pergunta: Sr. Marcos, por que acabou seu primeiro casamento?
Resposta: Por morte do cônjuge.
Pergunta: E por morte de que cônjuge ele acabou?
-----
Pergunta: Poderia descrever o suspeito?
Resposta: Ele tinha estatura mediana e usava barba.
Pergunta: E era um homem ou uma mulher?
-----
Pergunta: Doutor, quantas autópsias o senhor já realizou em pessoas mortas?
Resposta: Todas as autópsias que fiz foram em pessoas mortas...
-----
Pergunta: Aqui na corte, para cada pergunta que eu lhe fizer, sua resposta deve ser oral, ok?
Pergunta: Que escola você freqüenta?
Resposta: Oral.
-----
Pergunta: Doutor, o senhor se lembra a hora em que começou a examinar o corpo da vítima?
Resposta: Sim, a autópsia começou às 20:30h.
Pergunta: E o Sr. Décio já estava morto a essa hora?
Resposta: Não...ele estava sentado na maca, se perguntando porque eu estava fazendo aquela autópsia nele.
-----
Pergunta: O senhor está qualificado para nos fornecer uma amostra de urina?
-----
Pergunta: Doutor, antes de fazer a autópsia, o senhor checou o pulso da vítima?
Resposta: Não.
Pergunta: O senhor checou a pressão arterial?
Resposta: Não.
Pergunta: O senhor checou a respiração?
Resposta: Não.
Pergunta: Então é possível que a vítima estivesse viva quando a autópsia começou?
Resposta: Não.
Pergunta: Como o senhor pode ter essa certeza?
Resposta: Porque o cérebro do paciente estava num jarro sobre a mesa.
Pergunta: Mas ele poderia estar vivo mesmo assim?
Resposta: Sim, é possível que ele estivesse vivo e cursando Direito em algum lugar!

6 comentários:

Cris Moreno disse...

Pedro, ri muito e alto. Mas, confesso que não fiquei surpresa, pois os comentários do Yúdice têm demonstrado essa falta de "clareza" profissional.
Bjs,
Cris Moreno

citadinokane disse...

Cris,
Tem cada uma, lá pelo Forum... Deixa pra lá!
Besos,
Pedro

Carlos Ponte disse...

Pedro, então aquela última... Elogio-lhe a coragem. Hilariante, sem dúvida.
Um abraço

Marcelo Caldas disse...

É Professor... eu que trabalho no Fórum, e aqui no interior (Soure), sei muito bem o que é isso. Um grande abraço.
Marcelo
Direito-FAP

citadinokane disse...

Carlos,
A última é uma pérola de verdade.
abs,
Pedro

citadinokane disse...

Oi Marcelo!
Estás aí na Ilha do Marajó, a maior tranqüilidade do mundo, né?
Vê se aparece em sala de aula, ok?
Abraços,
pedro