sexta-feira, maio 11, 2007

Mulher e Marina Colasanti


Conversando com a Esfinge que trazemos n'alma, acabei destampando um barril de recordações, os anos 80 chegando ao final, a redemocratização se completando, Sarney e o FMI nossos inimigos, naqueles anos amávamos tanto a “revolução”... Os debates se levantavam em torno da condição das mulheres, discussão sobre gênero... Pôxa! Os cabelos grisando aos poucos, mas que recordações gostosas, vou deixar um pequeno texto, extraí de um livro, cabe esclarecer, conhecer o ser feminino não é fácil, para decifrá-las (mulheres) comecei a ler naquela época Marina Colasanti, dois livros ficaram e tenho muito carinho por eles, são muito interessantes: “Contos de Amor Rasgados” e “Mulher daqui pra frente”, Marina vai desnudando o “ser-mulher” e cutuca o machismo que impregna a alma feminina, vai dizendo e com isso dando voz pra quem emudece diante da imposição de subalternização das mulheres, e o mundo fragmentado-se... As notícias chegando de lugar nenhum... Sociedade massificada e tome coca-cola... E nós? Todos impetuosos e cheios de utopias... Atento aos acontecimentos, seguia com Marina Colasanti nas mãos e Supertramp na vitrola... ehehehe... Como era “bão” meu Deus!

“Amor de uma noite só

Um homem que a gente mal conhece e subitamente deseja. Olhares, primeiras aproximações, e logo os corpos, o quarto de hotel, o prazer. Depois cada um para o seu lado, sem precisar dar adeus. Sorriso na pele. Mais um homem passou, e a vida segue.
Qual a mulher que ainda não criou esta fantasia?
Poder dormir com um homem sem compromisso de amor, sem compromisso social, sem envolvimento de espécie alguma. Quem não quer? Quem não gostaria de amar fisicamente apenas, solta e natural, como fisicamente se nada e se mergulha?
Entretanto, se a fantasia é comum a todas, a realidade é vivência de poucas. E mesmo no nosso mundo que se quer tão liberado, o amor de uma noite só continua sendo bem mais problemático do que seria desejável.” (extraído do livro: Mulher daqui pra frente. São Paulo: Círculo do Livro, 1981. p.89.)

Goodbye Stranger (Supertramp)
It was an early morning yesterday

I was up before the dawn
And i really have enjoyed my stay
But i must be moving on
Adeus Estranho
Era cedo ontem de manhã
Eu estava de pé antes do amanhecer
E eu realmente curti minha estadia
Mas preciso ir

7 comentários:

Anônimo disse...

Pedro,
Não é mesmo encantador o poder de viajar no passado?
E sentir o que há de lindo nele.
Beijos
ESfinge

citadinokane disse...

Esfinge,
Carregamos tesouros...
Goodbye friend

Cris disse...

Ei Pedro...a segredos está em férias!!! pode?...saiu sem mais nem menos...deixei os lamentos lá...
Bjs.

citadinokane disse...

Cris,
Fui lá... Os equipamentos aqui de Plutão não são dos melhores, mas captei a mensagem.
Tentarei contato.
Bjs,
Pedro

Segredos da Esfinge disse...

Pedro,
Acho que sou mesmo "démodé", porque não quero nunca amor "Só" fisicamente. Há de existir algo mais, que envolva a alma que encante o coração, mesmo que sejam emoções de uma noite só, mas com amor.
Bjos

citadinokane disse...

Esfinge,
O segredo é ser feliz... e pronto.

Maria Regina disse...

"No ontem, encontramos os segredos de um amanhã"
Parabéns pelo espaço
Um abraço