domingo, setembro 16, 2007

Lilian Haber, poetisa...

Apresento uma poetisa paraense, jurista de carreira e poetisa de coração...

Apologie à la sincerité!(Lilian Haber)
Vivre la différence sans la guerre!
Paix pour les coeurs de toutes les personnes!
Sincerité, Egualité, Fraternité et Liberté!
Un nouveau chemin pour les amoreux
qui peux dire la verité enfin?



Sem resistência(Lilian Haber)
Dedos ligeiros
Roupa despida
Beleza esculpida
Sedução pura
Quero morrer nos braços teus
Sorver do teu sorriso
Delirar sem aviso
Rosto sereno
Beijos trôpegos
Quem a ti pode resistir?
É impossível
Pedem-me o impossível

28 comentários:

Márcia(clarinha) disse...

Bela poesia,realmente impossível resistir...
Obrigada por nos apresentá-la.
lindos dias,
beijos

rєnαtinhα! disse...

Bom dia Pedro querido!

Em meu blog tem um presentinho p/ vc!

http://renataemy.blogspot.com/2007/09/prmio-o.html

Qdo puder passa lá, tá?

Beijos

Ótima semana!!!

Lila Magritte disse...

Bien por la poesía!!

Saludos.

Lorita disse...

eu tb faço poemas! lalalalala
esse tá lindo, ainda bem vc traduziu, n entendo lhufas de francês! rs

Anônimo disse...

Bela a POESIA bela a POETISA.

Nilza disse...

Delirar sem aviso deve ser algo muito bom. Amei menino, bela sua escolha.
Beijos

Princesa Dariak disse...

Gracias por presentarnos una poetisa, saber escuchar, leernos es parte del aprendizaje.
Saber que màs en esta Tierra queremos un mundo de Paz, de amor fraternal... sin fronteras.
Saber que el amor eros, identifica la piel de las letras y del alma, en un poema inquietante e incitador...
Saludos a tu amiga. Gracias por mostrarnos su trabajo! Por cierto, buena eleccion!

abrazos de luz.

as-nunes disse...

Caro Nelito
Vejo que estás na disposição de te manteres na blogosfera, duma forma eventual, mesmo assim espero que com a tua sabedoria e oortunidade do comentário, que sempre tens demonstrado.
Neste preciso momento, sinto-me a atravessar um terreno algo inconstante, indefinido, mas tenho fé que se consiga chegar a um ponto seguro.
Um grande abraço e muito te agradeço pelas palavras que me endereças-te, duma forma directa ou através daquilo que tens colocado no teu blogue.
Sempre ao dispor.
António Nunes

Kiara Guedes disse...

Pedro! Acho que chegou a hora... amanhã é dia do teatro! vamos lá!!

Patrícia Gabriela disse...

Ela está de parabéns, realmente escreve c o coração!!!

Beijos amigo Pedro!!!

=)

crisblog disse...

Muito legal, Pedro.

Gostei das poesias. Parabéns !

Beijos.

francisco rocha junior disse...

Lilian é minha colega de profissão, é uma pessoa dulcíssima, mas não sabia que era poetisa. Grande revelação!
Lorita, são dois poemas. O de baixo não é tradução do de cima.
Pedro, belo post. Espero que a Lilian revele mais de suas criações.

citadinokane disse...

Márcia,
Irei com mais calma ao teu blog para adquirir o teu livro, mais uma poetisa que soma no teu mundo de prosa e versos...
Beijos,
Pedro

citadinokane disse...

Renatinha,
já passei lá e muito obrigado pela consideração, ok?
Beijos do fundo do coração,
Pedro

citadinokane disse...

Lila,
És a grande poetisa na verdade, Lilian se junta a ti...
Beijos,
Pedro

citadinokane disse...

Lorita,
Manda pra gente a tua poesia, eu publico, tá?
Beijos,
Pedro

citadinokane disse...

Anônimo,
Eu te conheço e nada de avançar o sinal, ok?
Abraços

citadinokane disse...

Nilza,
Quem ainda não delirou?
As febres loucas e breves, hein?
Beijos,
Pedro

citadinokane disse...

Princesa,
Como bem dizes, "poema inquietante e incitador..." Assim são os poetas, traduzem o que vão em nossas almas...
Besos,
Pedro

citadinokane disse...

António,
Fico sempre muito feliz em ver-te ativo e constante em nossa blogosfera, infelizmente todos nós estamos a enfrentar aqui e acolá alguns probleminhas dos mais diversos viés, e tenho certeza que tu irás superar tudo aquilo que te incomoda...
Muita paz, amor e bastante saúde querido irmão de além-mar.
Abraços,
Pedro

citadinokane disse...

Kiara,
Qual a peça?
Beijos,
Pedro

citadinokane disse...

Gabi,
As letras seriam vermelhas, visto que saem do coração, né?
Beijos,
Pedro

citadinokane disse...

Cris,
Parabéns para Lilian, o coração dela pulsa poesia...
Beijos,
Pedro

citadinokane disse...

Francisco,
Tens ao teu lado uma grande poetisa, muito bom viver compartilhando o ambiente profissional com pessoas tão doce.
Pedirei mais poesias para ela.
Abraços,
Pedro

Anônimo disse...

Ei! Que coisa boa!!!!! Tanta acolhida, amizade, gentileza.... Saibam todos vocês que me alegraram muito com tanto carinho. Obrigada!!!
Pedro és um privilegiado!!! Teus amigos que comentam teus posts têm todo um carinho especial por ti e isso é bom e raro. Parabéns! Beijos. Lilian.

citadinokane disse...

Querida Poetisa,
Resolvi dedicar mais linhas para te acolher com tudo o que os poetas merecem.
Não sou poeta, sou apenas uma pessoa simples, como diria a voz em off: - um simples mortal!
Por não ser poeta, trago todos os poetas comigo, são todos meus!
Guardo em mim uma frase, um pedaço de um poema, trago sempre comigo e quero partilhar contigo... poetisa amiga:
"Quem vai pagar o enterro e as flores
Se eu me morrer de amores?"

Implorei e ele concordou, Vinicius de Moraes irá fazer a saudação merecida:
"A hora íntima

Quem pagará o enterro e as flores
Se eu me morrer de amores?
Quem, dentre amigos, tão amigo
Para estar no caixão comigo?
Quem, em meio ao funeral
Dirá de mim: – Nunca fez mal...
Quem, bêbedo, chorará em voz alta
De não me ter trazido nada?
Quem virá despetalar pétalas
No meu túmulo de poeta?
Quem jogará timidamente
Na terra um grão de semente?
Quem elevará o olhar covarde
Até a estrela da tarde?
Quem me dirá palavras mágicas
Capazes de empalidecer o mármore?
Quem, oculta em véus escuros
Se crucificará nos muros?
Quem, macerada de desgosto
Sorrirá: – Rei morto, rei posto...
Quantas, debruçadas sobre o báratro
Sentirão as dores do parto?
Qual a que, branca de receio
Tocará o botão do seio?
Quem, louca, se jogará de bruços
A soluçar tantos soluços
Que há de despertar receios?
Quantos, os maxilares contraídos
O sangue a pulsar nas cicatrizes
Dirão: – Foi um doido amigo...
Quem, criança, olhando a terra
Ao ver movimentar-se um verme
Observará um ar de critério?
Quem, em circunstância oficial
Há de propor meu pedestal?
Quais os que, vindos da montanha
Terão circunspecção tamanha
Que eu hei de rir branco de cal?
Qual a que, o rosto sulcado de vento
Lançará um punhado de sal
Na minha cova de cimento?
Quem cantará canções de amigo
No dia do meu funeral?
Qual a que não estará presente
Por motivo circunstancial?
Quem cravará no seio duro
Uma lâmina enferrujada?
Quem, em seu verbo inconsútil
Há de orar: – Deus o tenha em sua guarda.
Qual o amigo que a sós consigo
Pensará: – Não há de ser nada...
Quem será a estranha figura
A um tronco de árvore encostada
Com um olhar frio e um ar de dúvida?
Quem se abraçará comigo
Que terá de ser arrancada?

Quem vai pagar o enterro e as flores
Se eu me morrer de amores?"

Rio de Janeiro, 1950

Mari disse...

A poesia é a tradução da mente, corpo e especialmente da alma. Parabéns Lilian.

Bjs

citadinokane disse...

Mari,
Estavas bem sóbria, sem "periquita" na cabeça, né?