quinta-feira, novembro 29, 2007

Nosso cárcere...

"A sociedade não só controla nossos movimentos, como ainda dá forma à nossa identidade, nosso pensamento e nossas emoções. As estruturas da sociedade tornam-se as estruturas da nossa própria consciência. A sociedade não se detém à superfície de nossa pele. Ela nos penetra, tanto quanto nos envolve. Nossa servidão para com a sociedade é estabelecida menos por conquista que por conluio. Às vezes, realmente, somos esmagados e subjugados. Com freqüência muito maior caímos na armadilha engendrada por nossa própria natureza social. As paredes de nosso cárcere já existiam antes de entrarmos em cena, mas nós a reconstruímos eternamente. Somos aprisionados com nossa própria cooperação."(Peter Berger in Perspectivas Sociológicas, Editora Vozes, p.136, 1978)

quarta-feira, novembro 28, 2007

Post 1.000

Os chineses lêem o que não lemos.
Eis a razão pela qual os chineses têm olhos diferentes.
Tente ler o texto da imagem abaixo. Caso não consiga perceber nada, tente lê-lo enquanto puxa a pele do lado exterior dos olhos de maneira a ficar com os olhos próximos da forma dos olhos dos chineses.
Agora já podemos compreender porque os chineses têm os olhos dessa forma.

Para não esquecer: post 1.000!!! Miléssimo!!! Ufa! Nem acredito que postei tanto assim... Muito obrigado aos amigos da blogosfera que prestigiam o nosso barraco virtual.

terça-feira, novembro 27, 2007

Calcinhas!!!





Achei cada calcinha lindérrima!!!
Pô vou homenagear o velho e bom Bueres, comandante a música abaixo é de outro louco, o Fausto Fawcett e com certeza lá no Rio de Janeiro curtiste muito essa música, né?! Calcinha!
Kátia Flávia (Fausto Fawcett)
Kátia Flávia
É uma louraça belzebu, provocante
Uma louraça Lúcifer, gostosona
Uma louraça Satanás, gostosona e provocante
Que só usa calcinhas comestíveis e calcinhas bélicas
Dessas com armamentos bordados
calcinha framboesa, calcinha antiaérea, calcinha de morango,
calcinha Exocet
calcinha framboesa, calcinha antiaérea, calcinha de morango,
calcinha Exocet
Ex-miss Febem, encarnação do mundo cão, casada com um figurão
contravenção
Ficou famosa por andar num cavalo branco, pelas noites
suburbanas
Ficou famosa por andar num cavalo branco, pelas noites
suburbanas
Toda nua, toda nua
Toda nua, toda nua
louraça belzebu
louraça Lúcifer
louraça Satanás
Matou o figurão, foi pra Copacabana, roubou uma joaninha
E pelo rádio da polícia, ela manda o seu recado
Pelo rádio da polícia, ela manda o seu recado
Get out, get out!
Pelo rádio, pelo rádio, pelo rádio, pelo rádio
rádio da polícia ela manda o seu recado
Alô, polícia!
Eu tô usando
Um Exocet - Calcinha!
Um Exocet - Calcinha!
Alô, polícia!
Eu tô usando
Um Exocet - Calcinha!
Um Exocet - Calcinha!
Meu nome é Kátia Flávia, Godiva do Irajá, me escondi aqui em
Copa
polícia!
Meu nome é Kátia Flávia, Godiva do Irajá, me escondi aqui em
Copa
polícia!
Polícia Belford Roxo, de Duque de Caxias
Polícia Madureira, polícia Deodoro, São Cristóvão, Bonsucesso,
da Benfica, da Pavuna, da Tijuca, de Quintino, do Catete,
Grajaú,
Polícia pode vir! porque
Meu nome é Kátia Flávia, Godiva do Irajá, me escondi aqui em
Copa
Meu nome é Kátia Flávia, Godiva do Irajá, me escondi aqui em
Copa
polícia do Flamengo, polícia Botafogo, da Barra da Tijuca
do centro da cidade
Polícia, polícia, polícia, polícia pode vir
Alô, polícia!
Eu tô usando
Um Exocet
Um Exocet
Alô, polícia!
Eu tô usando
Um Exocet
Um Exocet
É uma louraça belzebu,
Uma louraça Lúcifer,
Uma louraça Satanás,
É uma louraça belzebu,
Uma louraça Lúcifer,
Uma louraça Satanás,
Louraça belzebu, calcinha framboesa
Louraça Lúcifer, calcinha antiaérea
Louraça Satanás, calcinha de morango
Louraça belzebu, calcinha Exocet
Louraça belzebu, calcinha framboesa
Louraça Lúcifer, calcinha antiaérea
Louraça Satanás, calcinha de morango
Louraça belzebu, calcinha Exocet
Alô, polícia!
Eu tô usando
Um Exocet - Calcinha!
Um Exocet - Calcinha!...
calsinha bordadinha
calsinha de redinha
calsinha geladinha
Alô, polícia!
Eu tô usando
Um Exocet - Calcinha!
Um Exocet - Calcinha!
Meu nome é Kátia Flávia, Godiva do Irajá, me escondi aqui em
Copa
Alô, polícia!
Eu tô usando
Um Exocet - Calcinha!
Um Exocet - Calcinha!
Alô, polícia!

Andar sobre as águas...

O Rogério manda dizer que somente três homens andaram por sobre as águas, o primeiro foi Jesus que numa passagem bíblica chama Pedro para ir ao encontro dele por sobre as águas, Pedro caminha alguns metros, mas como vacilou na fé acabou afundando...
O terceiro homem a andar por sobre as águas se chama Jailton, olha a fotografia dele aí embaixo... ele não anda, corre por sobre as águas...
Segura peão!!!

domingo, novembro 25, 2007

Aniversário do Rogério

O amigo Rogério faz aniversário amanhã 26/11... passo a digressão para um rápido balanço de uma amizade... nos últimos anos nos aproximamos tanto que criamos uma confiança mútua e nos alegramos de estarmos juntos compartilhando experiências, alegrias, tristezas, apreensões e sonhos... muitos sonhos! Os maledicentes vão pensar que é boiolice, né?! ahahaha... A amizade é um lenitivo para a alma. E deixa os cães pra lá!
Num dos momentos em que conversávamos sobre religião, descobri o quanto o meu amigo gostava de ler o livro sagrado e nesse dia deixou-me uma lição, lembro o caso de Lázaro... Eu não esqueço, e ficou a lição de verdade. E sei que o Rabi de Nazaré exerce sobre o Rogério uma influência constante em sua vida, a conduta solidária com os amigos é a expressão dessa influência...
Voltando ao início do post, Rogério faz aniversário e quero desejar que a alegria e bondade se renove eternamente nessa data.
Feliz aniversário meu amigo.

Apaga, por favor!

Já postei essas imagens ano passado, e continua sendo urgente largar o branquinho fumacento... O post é dedicado aos amigos: Rogério Friza, Eduardo Bueres, Oscar Luiz e muitos outros que continuam acendendo...



Mário Quintana e Martha Medeiros

Mário Quintana nasceu no Rio Grande do Sul - Alegrete em 30 de julho de 1906, e desencantou no Rio de Janeiro em 5 de maio de 1994. Foi um poeta brasileiro, autor de "Rua dos Cataventos", "O Espelho Mágico" e "O Aprendiz de Feiticeiro", entre tantos outros. Sua poesia como ele se caracterizava pela simplicidade, pela linguagem simples sem pompas... Expressava as emoções e o cotidiano com muita sutileza.
"E agora pedem-me que fale sobre mim mesmo. Bem! eu sempre achei que toda confissão não transfigurada pela arte é indecente. Minha vida está nos meus poemas, meus poemas são eu mesmo, nunca escrevi uma vírgula que não fosse uma confissão." (In: Revista Isto É, 14 de novembro de 1984)
Corre pela internet um texto como se fosse de autoria do grande poeta gaúcho - Mário Quintana, como muitos outros textos apócrifos que vão recebendo a autoria de Veríssimo, Quintana, Miguel Falabela e outros. O texto abaixo corre a internet como se fosse de autoria de Mário Quintana, não é! Inclusive, até o meu amigo blogueiro Oscar cometeu esse equívoco em seu blog, o texto recebeu o título de "O sermão do padre durante o casamento".
Achei o texto muito bonito, o título correto é "Promessas de Casamento" e quero compartilhar com todos, a autoria é de uma gaúcha que também é poetisa e escritora: Martha Medeiros.
"Promessas de Casamento
Em maio de 98, escrevi um texto em que afirmava que achava bonito o ritual do casamento a igreja, com seus vestidos brancos e tapetes vermelhos, mas que a única coisa que me desagradava era o sermão do padre.
"Promete ser fiel na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, amando-lhe e respeitando-lhe até que a morte os separe?"
Acho simplista e um pouco fora da realidade.
Dou aqui novas sugestões de sermões:
- Promete não deixar a paixão fazer de você uma pessoa controladora, e sim respeitar a individualidade do seu amado, lembrando sempre que ele não pertence a você e que está ao seu lado por livre e espontânea vontade?
- Promete saber ser amiga(o) e ser amante, sabendo exatamente quando devem entrar em cena uma e outra, sem que isso lhe transforme numa pessoa de dupla identidade ou numa pessoa menos romântica?
- Promete fazer da passagem dos anos uma via de amadurecimento e não uma via de cobranças por sonhos idealizados que não chegaram a se concretizar?
- Promete sentir prazer de estar com a pessoa que você escolheu e ser feliz ao lado dela pelo simples fato de ela ser a pessoa que melhor conhece você e portanto a mais bem preparada para lhe ajudar, assim como você a ela?
- Promete se deixar conhecer?
- Promete que seguirá sendo uma pessoa gentil, carinhosa e educada, que não usará a rotina como desculpa para sua falta de humor?
- Promete que fará sexo sem pudores, que fará filhos por amor e por vontade, e não porque é o que esperam de você, e que os educará para serem independentes e bem informados sobre a realidade que os aguarda?
- Promete que não falará mal da pessoa com quem casou só para arrancar risadas dos outros?
- Promete que a palavra liberdade seguirá tendo a mesma importância que sempre teve na sua vida, que você saberá responsabilizar-se por si mesmo sem ficar escravizado pelo outro e que saberá lidar com sua própria solidão, que casamento algum elimina?
- Promete que será tão você mesmo quanto era minutos antes de entrar na igreja?
Sendo assim, declaro-os muito mais que marido e mulher: declaro-os maduros".
Quintana escreveu também sobre sermão, de maneira simples e suave... belíssima! Leia abaixo:
“Se eu fosse um padre, eu, nos meus sermões,
não falaria em Deus nem no Pecado
— muito menos no Anjo Rebelado
e os encantos das suas seduções,
não citaria santos e profetas:
nada das suas celestiais promessas
ou das suas terríveis maldições...
Se eu fosse um padre eu citaria os poetas,
Rezaria seus versos, os mais belos,
desses que desde a infância me embalaram
e quem me dera que alguns fossem meus!
Porque a poesia purifica a alma
...e um belo poema — ainda que de Deus se aparte —
um belo poema sempre leva a Deus!”

quinta-feira, novembro 22, 2007

Violeta Parra - El amor es torbellino...

Meus amigos, no mês passado foi comemorado os 90 anos do nascimento de uma das maiores artistas da América Latina, estou falando de Violeta Parra, nasceu em San Carlos 14/10/1917 e faleceu em Santiago do Chile 5/02/1967.
Cantou a vida e a morte.
É considerada a mãe da canção engajada com as lutas dos oprimidos e explorados do Chile e toda América Latina. Sua obra é vasta, além de compositora e cantora, era artista plástica... Violeta Parra sensibilidade profunda, não há como ficar indiferente ao escutar a canção "Volver a los 17", ganhei o LP com a inapagável gravação de "Volver a los 17" com Milton Nascimento e Mercedes Sosa. Inesquecível!
Violeta Parra cantou a vida e a morte.
O paradoxo, Violeta encantou a tantas pessoas com a música "Gracias a la Vida", belíssima canção, e em 5 de fevereiro de 1967 não conseguiu conservar a sua própria vida, deprimida... suicidou-se... estava com 49 anos.
Trágico final, mas a sua obra pulsa... plenamente vívida! Luminosa.
Ai que saudades dos meus 17 anos! Afinal de contas, "El amor es torbellino de pureza original".
Volver a Los 17 (Violeta Parra)

Volver a los diecisiete después de vivir un siglo
Es como descifrar signos sin ser sabio competente,
Volver a ser de repente tan frágil como un segundo
Volver a sentir profundo como un niño frente a dios
Eso es lo que siento yo en este instante fecundo.
Se va enredando, enredando
Como en el muro la hiedra
Y va brotando, brotando
Como el musguito en la piedra
Como el musguito en la piedra, ay si, si, si.
Mi paso retrocedido cuando el de usted es avance
El arca de las alianzas ha penetrado en mi nido
Con todo su colorido se ha paseado por mis venas
Y hasta la dura cadena con que nos ata el destino
Es como un diamante fino que alumbra mi alma serena.
Se va enredando, enredando
Como en el muro la hiedra
Y va brotando, brotando
Como el musguito en la piedra
Como el musguito en la piedra, ay si, si, si.
Lo que puede el sentimiento no lo ha podido el saber
Ni el más claro proceder, ni el más ancho pensamiento
Todo lo cambia al momento cual mago condescendiente
Nos aleja dulcemente de rencores y violencias
Solo el amor con su ciencia nos vuelve tan inocentes.
Se va enredando, enredando
Como en el muro la hiedra
Y va brotando, brotando
Como el musguito en la piedra
Como el musguito en la piedra, ay si, si, si.
El amor es torbellino de pureza original
Hasta el feroz animal susurra su dulce trino
Detiene a los peregrinos, libera a los prisioneros,
El amor con sus esmeros al viejo lo vuelve niño
Y al malo sólo el cariño lo vuelve puro y sincero.
Se va enredando, enredando
Como en el muro la hiedra
Y va brotando, brotando
Como el musguito en la piedra
Como el musguito en la piedra, ay si, si, si.
De par en par la ventana se abrió como por encanto
Entró el amor con su manto como una tibia mañana
Al son de su bella diana hizo brotar el jazmín
Colando cual serafín al cielo le puso aretes
Mis años en diecisiete los convirtió el querubín.


quarta-feira, novembro 21, 2007

Que o pensamento seja livre - 1984.




As três primeiras imagens acima são do filme 1984, e a última do livro do mesmo nome. O filme tem no elenco: John Hurt, Richard Burton e Suzanna Hamilton. O diretor do filme foi Michael Radford.
O filme é uma adaptação do livro "1984" do escritor George Orwell (pseudônimo de Eric Arthur Blair), a obra foi publicada em 1949, Orwell é autor também do livro "Revolução dos bichos". Talvez "1984" e a "Revolução dos bichos" sejam os mais famosos romances de George Orwell, mas "1984" se destaca por aprofundar a reflexão sobre o totalitarismo, a partir do controle implacável dos segmentos intelectualizado da sociedade por burocratas, uma metáfora pessimista sobre o futuro da humanidade. A manutenção do poder se processa pelo uso massivo dos meios de comunicação, e o controle dos setores mais importantes da sociedade por Teletelas(ao mesmo tempo câmera e monitor), sempre sob a onipresença do Grande Irmão(Big Brother), personagem utilizado para garantir a obediência.
Com relação ao filme, uma parte que guardei e reproduzo como se fosse uma esperança perene... para toda a humanidade, e que o mal não frutifique mais em nosso solo.
Um monólogo do personagem interpretado por John Hurt:
"Ao futuro ou ao passado, a uma época em que o pensamento seja livre, em que os homens sejam diferentes uns dos outros e que não vivam sós - a uma época em que a verdade existir e o que foi feito não puder ser desfeito." Winston Smith

Quando falamos...

"A boca fala do que está cheio o coração"(Mateus 12:34)



.

segunda-feira, novembro 19, 2007

Uma Carta para Maria

Dos três irmãos conheci primeiramente o Henfil (Henrique de Sousa Filho), cartunista que teve grande destaque no processo de redemocratização do Brasil, através de seus personagens Pó de Arroz, Zeferino, Orelhão, Bode Orelana, Graúna, Cabôco Mamadô, Urubu, Bacalhau e Ubaldo, o paranóico. Com muita inteligência Henfil ia ridicularizando o autoritarismo militar... trabalhou na Rede Globo, como redator do extinto TV Mulher.
O Chico Mário conheci através de um CD "Retratos", era compositor e violonista, cursou economia, com pós-graduação em engenharia de sistemas na COPPE. Participou do movimento estudantil em plena ditadura militar, foi também jornalista no Estado de São Paulo e crítico musical na revista “Realidade”.
Como seus irmãos Chico Mário e Henfil, Betinho(Herbert José de Souza) era hemofílico, e após uma transfusão de sangue acabou contraindo o vírus da AIDS (ou SIDA). Faleceu vítima de insuficiência hepática, decorrente de hepatite C, faleceu no auge de sua carreira, com seu trabalho sendo reconhecido por toda imprensa brasileira, sociólogo com atuação no Ibase, liderou uma campanha nacional contra a fome, reunindo várias entidades independentemente do viés ideológico - "a fome não espera", dizia o grande Betinho.
Betinho nasceu em 03/11/1935, Minas Gerais e faleceu em 09/08/1997, em sua casa, Botafogo, no Rio de Janeiro. Participou da resistência ao Regime militar e exilou-se no Chile, no início dos anos 70.
Em vida Betinho impressionou-me bastante, sua militância sensata nos movimentos sociais e a clareza de suas proposições, descortinava para todos nós, novas possibilidades de lutas, algo gramsciano, construir uma hegemonia na sociedade civil...
Fiz questão de escrever sobre Betinho pela sensibilidade do homem "Herbert José de Souza". Mas sobretudo por uma carta... Uma amiga de trabalho mostrou-me uma carta escrita por ele para a esposa, um texto carregado de emoção sem pieguice... A Carta escrita pelo Betinho, foi lida um ano após sua morte, pelo ator Jonas Bloch, durante uma cerimônia no CCBB. Ah, ia esquecendo! Qual o nome da esposa dele? Maria.

Uma Carta Para Maria
"Este texto é para Maria ler depois da minha morte que, segundo meus cálculos, não deve demorar muito. É uma declaração de amor.
Não tenho pressa em morrer, assim como não tenho pressa em terminar esta carta. Vou voltar a ela quantas vezes puder e trabalhar com carinho e cuidado cada palavra. Uma carta para Maria tem que ter todos os cuidados. Não quero triste, quero fazer dela também um pedaço de vida pela via de lembrança que é a nossa eternidade. Nos conhecemos nas reuniões de AP (Ação Popular), em 1970, em pleno Maoísmo. Havia uma clima de sectarismo e medo nada propício para o amor.
Antes de me aventurar andei fazendo umas sondagens e os sinais eram animadores, apesar de misteriosos. Mas tínhamos que começar o namoro de alguma forma. Foi no ônibus da Vila das Belezas, em São Paulo. Saímos em direção ao fim da linha como quem busca um começo. E aí veio o primeiro beijo, sem jeito, espremido, mas gostoso, um beijo público. A barreira da distância estava rompida para dar começo a uma relação que já completou 26 anos!
O Maoísmo estava na China, nosso amor na São João. Era muito mais forte que qualquer ideologia. Era a vida em nós, tão sacrificada na clandestinidade sem sentido e sem futuro. Fomos viver em um quarto e cozinha, minúsculos, nos fundos de uma casa pobre, perto da Igreja da Penha. No lugar cabia nossa cama, uma mesinha, coisas de cozinha e nada mais. Mas como fizemos amor naquele tempo! Foi incrível e seguramente nunca tivemos tanto prazer.
Tempos de chumbo, de medo, de susto e insegurança. Medo de dia, amor de noite. Assim vivemos por quase um ano. Até que tudo começou a "cair". Prisões, torturas, polícia por toda a parte, o inferno na nossa frente. Fomos para o Chile. E ali, chamado por Garcez para elaborar textos, acabei no agrado de Allende, que os usou em seus discursos oficiais. Foi a primeira vez que eu vi amor virar discurso politico... Depois passamos por muita coisa até voltar. Até que a anistia chegou e nos surpreendeu. E agora, o que fazer com o Brasil?
Foi um turbilhão de emoções: o sonho virou realidade! Era verdade, o Brasil era nosso de novo. A primeira coisa foi comer tudo que não havíamos comido no exílio: angu! com galinha ao molho pardo, quiabo com carne moída, chuchu com maxixe, abóbora, cozido, feijoada. Um festival de saudades culinárias, um reencontro com o Brasil pela boca.
Uma das maiores emoções da minha vida foi ver o Henrique surgindo de dentro de você. Emoção sem fim e sem limite que me fez reencontrar a infância.
Depois do exílio, nossas vidas pareciam bem normais. Trabalhávamos, viajávamos nas férias, visitávamos os amigos, o Ibase funcionava, até a hemofilia parecia que havia dado uma trégua. Henrique crescia, Daniel aos poucos se reaproximava de mim, já como filho e amigo.
Mas como uma tragédia que vem às cegas e entra pelas nossas vidas, estávamos diante do que nunca esperei. A Aids. Em 1985, surge a notícia da epidemia que atingia homossexuais, drogados e hemofílicos. O pânico foi geral. Eu, é claro, havia entrado nessa. Não bastava ter nascido mineiro, católico, hemofílico, maoísta e meio deficiente físico.
Era necessário entrar na onda mundial, na praga do século, mortal, definitiva, sem cura, sem futuro e fatal. E foi aí que você, mais do que nunca, revelou que é capaz de superar a tragédia, sofrendo, mas enfrentando tudo e com um grande carinho e cuidado. A Aids selou um amor mais forte e mais definitivo porque desafia tudo, o medo, a tentação do desespero, o desânimo diante do futuro. Continuar tudo apesar de tudo, o beijo, o carinho e a sensualidade.
Assumi publicamente minha condição de soropositivo e você me acompanhou. Nunca pôs um "senão" ou um comentário sobre cuidados necessários. Deu a mão e seguiu junto como se fosse metade de mim, inseparável. E foi. Desde os tempos do cólera, da não esperança, da morte do Henfil e Chico, passando pelas crises que beiravam a morte até o coquetel que reabria as esperanças. Tempo curto para descrever, mas uma eternidade para se viver.
Um dos maiores problemas da Aids é o sexo. Ter relações com todos os cuidados ou não ter? Todos os cuidados são suficientes ou não se deve correr riscos com a pessoa amada? Passamos por todas as fases, desde o sexo com uma ou duas camisinhas até sexo nenhum, só carinho. Preferi a segurança total ao mínimo risco.
Parei, paramos e sem dramas, com carências, mas sem dramas, como se fosse normal viver contrariando tudo que aprendemos como homem e mulher, vivendo a sensualidade da música, da boa comida, da literatura, da invenção, dos pequenos prazeres e da paz. Viver é muito mais que fazer sexo. Mas para se viver isso, é necessário que Maria também sinta assim e seja capaz dessa metamorfose como foi.
Para se falar de uma pessoa com total liberdade é necessário que uma esteja morta e eu sei que este será o meu caso. Irei ao meu enterro sem grandes penas e principalmente sem trabalho, carregado. Não tenho curiosidade para saber quando, mas sei que não demora muito.
Quero morrer em paz, na cama, sem dor, com Maria do meu lado e sem muitos amigos, porque a morte não é ocasião para se chorar, mas para celebrar um fim, uma história. Tenho muita pena das pessoas que morrem sozinhas ou mal acompanhadas, é morrer muitas vezes em uma só. Morrer sem o outro é partir sozinho. O olhar do outro é que te faz viver e descansar em paz. O ideal é que pudesse morrer na minha cama e sem dor, tomando um saquê gelado, um bom vinho português ou uma cerveja gelada.
Te amo para sempre,
Betinho,
Itatiaia, janeiro de 1997"

Extraída do "Jornal da Orla" de Santos, SP, ao dia 24 janeiro 1999.

A frase abaixo é um torpedo contra o velho tucano FHC:
"Temos sociólogos bons e medíocres. Uns acabam professores, outros presidentes da República" (Herbert de Souza, sociólogo)

sábado, novembro 17, 2007

Homer Simpson...

Frases de Homer Simpson, profunda reflexão... ahahaha...
“Viver cada dia como se fosse o último… Buaaá, vou morrer!”
“Terás todo o dinheiro do mundo… mas há algo que jamais poderás comprar…. um dinossauro”.
“Na vida existem 3 tipos de homens, os que sabem contar e os que não sabem”.
E...
-Bart: Estamos organizando excursões para pais e filhos.
-Homer: Hehehe… tu não tens filhos!!!

Pedido de desculpas

O Tico enviou-me um pedido de desculpas, depois de reclamação feita por mim, o cara entupia o meu computador com e-mail de mulheres nuas de todos os tipos, vídeos sacanas e aquelas correntes(se não passar adiante a gente se torna infeliz pro resto da vida), devo esclarecer de antemão, adoro as imagens artísticas bem trabalhadas em que as curvas femininas são reveladas em toda a sua beleza, mas... o amigo exagerava, por isso aceito o pedido.
"Amigo Pedro, venho através deste e-mail pedir-lhe desculpas!
Confesso que de vez em quando envio (inadvertidamente) para ti e outros amigos, algumas fotos engraçadas, ou então de mulheres gostosas e nuas (fotos artísticas, hein!). Por outro lado, de vez em quando, também envio alguns pequenos vídeos e, às vezes (muito pouco), um bocadinho de sexo. Sempre filmes de cultura pura(juro!). Eu não sabia, é sério, que os meus atos incomodavam muita gente, inclusive, parece que algumas pessoas ficaram ofendidas com os meus e-mail e por essa razão fui recebendo críticas "construtivas". Em razão disso, de hoje em diante somente enviarei para os meus amigos fotos de paisagens, monumentos e locais históricos. Espero com isso poder apagar a má impressão que causei, ok?
Aproveito a oportunidade para demonstrar o quanto mudei. Abaixo, a foto de uma linda ponte da histórica cidade de Toulouse, na França. Linda, não?!
Um forte abraço,
Tico Futrika"

quarta-feira, novembro 14, 2007

BANZAIII!!!

Cheguei ao ateliê e quando abri a porta encontrei um papel todo amassado enfiado por debaixo da porta, li e me espoquei de rir... Como é difícil manter a saúde equilibrada, a pressão é grande... mas, vou resistir! Um bilhete do Locobueres... Bem que ele poderia enviar-me por e-mail, mas como vive no passado, não manda recado, enfia por debaixo da porta...
"Caro Afro-ariano:
Fiquei comovido com o teu quase pedido de desculpas, por medo, certamente, das conseqüências imprevisíveis e desconhecidas que vossa entidade estaria sujeita, caso bicasse alguns inocentes mililitros de álcool.
Claro que a nossa intolerância há de manifestar-se quanto ao medo de seres malvado feito nós... Mãos trêmulas, tementes do próprio fim e de Deus...
Benditos sejam os crédulos diante do indomável universo fatalista humano; e logo tu, Pedro que és Pedra, tão sabaticamente convicto, tão nosso Eminentíssimo Patriarca Regente?
Vossas palavras são punhais que se voltam contra vossa história e sabedoria, fato que abrange infinitas áreas da nossa capacidade de estabelecer um raciocínio satisfatório quanto a este – acredito - quase fato.
Seja impiedoso com o mal, mais ainda com os rumores, especialmente os laboratoriais; é o mínimo que esperamos de ti.
Transgrida, puxe bruscamente o guardanapo, amarele a tua mulher, derrube copos e pratos; amarre-o na fronte, solicite ao garçom um sakê e grite bem alto após dar uma boa golada:


- BANZAIII !!!

E lembre-se,

A cura do Samurai-curupira-de-gravata reside em sua coragem.

Com Muito Carinho e Amor desse teu Amigo e Cabra da Peste Coronel das Cabrochas,
Eduardo Bueres"

Frase perdida...


"As mulheres perdidas são as mais procuradas."

Imagens que falam...

Segura peão! ou melhor, corre peão!
Ô umbigo saliente...
Aí a porca torce o rabo, né?!
Pé sincronizado, nado sincronizado?! Oh, my god!!!

terça-feira, novembro 13, 2007

Era o leite?!


Bêbado justificando para outro amigo as dores no fígado:
“E eu que estava quase morrendo, pensando que era por causa da cachaça...
Era a pôrra do leite !!!”

segunda-feira, novembro 12, 2007

Verba indenizatória

Recebo um e-mail do meu eterno professor de Ciência Política na graduação - Prof. José Carneiro, agradeço a preocupação demonstrada com a minha saúde, só posso dizer: - o coração está em forma, só o fígado... argh! está com trairagem, mas está tudo dominado...
Compartilho artigo do Professor José Carneiro, cabe refletirmos sobre a atuação do nosso atual parlamento.

Verba indenizatória José Carneiro (12.11.2007)
Você sabe o que quer dizer isso, “verba indenizatória”? É uma “pequena” ajuda que os deputados federais e senadores do Brasil recebem do Congresso Nacional para custearem algumas despesas ditas de gabinete, como consumo de combustível, propaganda pessoal, deslocamento, pousada, etc, etc.
Em tese – veja bem, só em tese – essa verba indenizatória não faz parte do salário dos parlamentares brasileiros mas na prática é óbvio que acresce aos bons salários, uma vez que o deputado tem absoluta autonomia para gastar a verba e, mais do que isso, para apresentar os documentos que confirmem a despesa feita.
Você sabe o valor dessa “verba indenizatória”? Nada mais, nada menos – pasmem – que R$ 15.000,00 (isso mesmo, quinze mil reais), superior aos R$ 12.800,00 que cada congressista recebe por mês. Essa “verba indenizatória” é uma das excrescências que cercam a política brasileira, tão vilipendiada pelos próprios políticos, que até já estão falando em aumento de salários, para equiparação aos ministros do Supremo Tribunal Federal (que são apenas onze) os quais ganham por mês R$ 24.500,00.
No mês de outubro o senador Tião Viana, presidente interino do Senado, propôs aos seus colegas de diretoria que as prestações de conta dos senadores referentes às verbas indenizatórias fossem disponibilizadas no site do senado, para que todos ficassem sabendo como suas excelências gastam esse recurso. Mas a proposta foi rejeitada pela totalidade dos membros que dirigem o senado federal, sem argumentação plausível, mas que é fácil entender o porquê da rejeição.
A notícia que revelou a posição dos senadores informou ainda que no site da Câmara os deputados já faziam isso, ou seja, revelavam como gastavam a tal verba indenizatória.
Fui ao site da Câmara e num item chamado “transparência” de fato está disponível a prestação de contas de suas excelências, os deputados federais. Cliquei ao acaso o nome de um deputado paraense e aí veio a surpresa: a prestação de contas é pura ilusão, não detalha nada, apenas identifica, por exemplo, o que o deputado gastou em combustível, em comida, em hospedagem e em propaganda. O gasto pode ter sido feito em Paris ou em São Félix do Xingu, só o deputado sabe. Ou talvez a Câmara Federal, se é que há preocupação em analisar as notas (quentes ou frias?) apresentadas pelos deputados. E a última excrescência da “verba indenizatória”: se o dinheiro não for gasto no mês, acumula para o mês seguinte.
E assim se conta mais um capítulo da política parlamentar brasileira.

Segura a língua!!!


"Certa vez, um homem tanto falou que seu vizinho era ladrão, que o vizinho acabou sendo preso.
Algum tempo depois, descobriram que era inocente.
O rapaz foi solto, após muito sofrimento e humilhação, e processou o homem.
No tribunal, o homem disse ao juiz:
- Comentários não causam tanto mal...
E o juiz respondeu:
- Escreva os comentários que você fez sobre ele num papel.
Depois pique o papel e jogue os pedaços pelo caminho de casa.
Amanhã, volte para ouvir a sentença!
O homem obedeceu e voltou no dia seguinte, quando o juiz disse:
- Antes da sentença, terá que catar os pedaços de papel que espalhou ontem!
- Não posso fazer isso, meritíssimo! - respondeu o homem - O vento deve tê-los espalhado por tudo quanto é lugar e já não sei onde estão!
Ao que o juiz respondeu:
- Da mesma maneira, um simples comentário que pode destruir a honra de um homem, espalha-se a ponto de não podermos mais consertar o mal causado".

Moral da história:
"Se não se pode falar bem de uma pessoa, é melhor que não se diga nada!
Sejamos senhores de nossa língua, para não sermos escravos de nossas palavras!"

E...
Nunca se esqueça:
"Quem ama não vê defeitos...
Quem odeia não vê qualidades...
E quem é amigo vê as duas coisas."

"O que mais preocupa não é nem o grito dos violentos, dos corruptos, dos desonestos, dos sem-caráter, dos sem-ética. O que mais preocupa é o silêncio dos bons"(Martin Luther King)

sábado, novembro 10, 2007

Carlito em "Tempos Modernos"

Osvaldo Guimarães envia e-mail e pede que publique, encontrou as fotos do filme "Tempos Modernos" e quer compartilhar com todos...
Em minhas lembranças, um vagabundo mudo e de bigodinho caminha numa corda bamba de chapéu e bengala, me lembrou Carlito...
Limelight(Chaplin)
"Vidas que se acabam a sorrir
Luzes que se apagam, nada mais
É sonhar em vão tentar aos outros iludir
Se o que se foi pra nós
Não voltará jamais
Para que chorar o que passou
Lamentar perdidas ilusões
Se o ideal que sempre nos acalentou
Renascerá em outros corações"






Alexandre Papão

Alexandre botafoguense e apaixonado torcedor do Paysandú, a prova? A imagem abaixo diz tudo.

Meus copos e nada mais...

Copos vazios... Nada de leite, apenas água... somente água!

sexta-feira, novembro 09, 2007

Testosterona nossa de cada dia...

A testosterona - substância androgênica ativa(hormônio sexual masculino) em dosagens altas, corre todo o corpo do "macho" e às vezes ele pode fazer besteira, né?! Tem que segurar a onda mermão!
Testosterona, mulher bonita e celular na mão... Calma! É uma mulher de verdade... muita calma para não deixar o celular cair ou a foto sair tremida.
Mas assim?! Mesmo a criança é capaz de estourar de testosterona, não?!

É sexta-feira!!!


É sexta-feira!!!
Momento que os amigos podem falar mais tempo, trocar idéias e sonhos...
Aproveitem sem exageros o chopinho, a tequila, a caipiroska, a caipirinha... Tudo é permitido, desde que a responsabilidade acompanhe cada ato.
Peço a todos os amigos que se cuidem.
Por problemas de saúde eis que faço aqui a minha despedida dos Daiquiris, Mojitos, Margueritas... sempre que possível acompanharei os amigos aos botecos da vida, mas... sem poder acompanhá-los nas viagens etílicas. Não beberei leite porque colocaram soda cáustica e água oxigenada, serei o dublê do Ivan, beberei apenas sucos e em pouca quantidade, recomendação médica. Peço tolerância, com certeza serei mais chato.
Mas, hoje é sexta-feira...

quinta-feira, novembro 08, 2007

Leitíssimo...

Não iria publicar, mas a ganância capitalista me forçou a postar...
O químico da cooperativa que fazia a mistura, ainda disse que o leite que ele bebeu na cadeia não estava muito legal, depois deu um sorriso amarelo...

quarta-feira, novembro 07, 2007

Admito que perdi...


Curti muito essa música... e tome drinks e sonhos são como deuses... ufa! Venci.

Admito que perdi(Paulinho Moska)
Se você não suporta mais tanta realidade
Se tudo tanto faz, nada tem finalidade
Então pra que viver comigo?

Eu não vou ficar pra ver nossa ponte incendiada
Nossa igreja destruída, nossa estrada rachada
Pela grande explosão que pode acontecer
No nosso abrigo

Olhei pro amanhã e não gostei do que vi
Sonhos são como deuses:
Quando não se acredita neles, deixam de existir
Lutei por sua alma mas admito que perdi

E agora vou me perder nesse planeta conhecido
Intuir novos mistérios, descobrir outros sentidos
Naquelas palavras marcadas na carta de adeus

Meu corpo vai sobreviver mesmo estando ferido
E até na hora de morrer eu não vou me dar por vencido
Porque sei que meus perdões vão estar bem
Ao lado dos teus

Olhei pro amanhã e não gostei do que vi
Sonhos são como deuses:
Quando não se acredita neles, deixam de existir
Jurei por sua alma mas... perdi!

terça-feira, novembro 06, 2007

Lá no boteco...

Estive pensando nos amigos abaixo, e tenho um recado para todos: estou com muitas saudades das nossas tertúlias no sábado no Boteco da Computer Store...
Lá no boteco... Rogério e David...
Lá boteco... Mari e seu indefectível Chopp de vinho...
Lá no boteco... Alguém resistindo e sem abrir mão do seu Chopinho...
Lá no boteco... O molho de pimenta Tabasco invadindo o pastel de carne desejado... Ô desejo!!!