domingo, novembro 25, 2007

Mário Quintana e Martha Medeiros

Mário Quintana nasceu no Rio Grande do Sul - Alegrete em 30 de julho de 1906, e desencantou no Rio de Janeiro em 5 de maio de 1994. Foi um poeta brasileiro, autor de "Rua dos Cataventos", "O Espelho Mágico" e "O Aprendiz de Feiticeiro", entre tantos outros. Sua poesia como ele se caracterizava pela simplicidade, pela linguagem simples sem pompas... Expressava as emoções e o cotidiano com muita sutileza.
"E agora pedem-me que fale sobre mim mesmo. Bem! eu sempre achei que toda confissão não transfigurada pela arte é indecente. Minha vida está nos meus poemas, meus poemas são eu mesmo, nunca escrevi uma vírgula que não fosse uma confissão." (In: Revista Isto É, 14 de novembro de 1984)
Corre pela internet um texto como se fosse de autoria do grande poeta gaúcho - Mário Quintana, como muitos outros textos apócrifos que vão recebendo a autoria de Veríssimo, Quintana, Miguel Falabela e outros. O texto abaixo corre a internet como se fosse de autoria de Mário Quintana, não é! Inclusive, até o meu amigo blogueiro Oscar cometeu esse equívoco em seu blog, o texto recebeu o título de "O sermão do padre durante o casamento".
Achei o texto muito bonito, o título correto é "Promessas de Casamento" e quero compartilhar com todos, a autoria é de uma gaúcha que também é poetisa e escritora: Martha Medeiros.
"Promessas de Casamento
Em maio de 98, escrevi um texto em que afirmava que achava bonito o ritual do casamento a igreja, com seus vestidos brancos e tapetes vermelhos, mas que a única coisa que me desagradava era o sermão do padre.
"Promete ser fiel na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, amando-lhe e respeitando-lhe até que a morte os separe?"
Acho simplista e um pouco fora da realidade.
Dou aqui novas sugestões de sermões:
- Promete não deixar a paixão fazer de você uma pessoa controladora, e sim respeitar a individualidade do seu amado, lembrando sempre que ele não pertence a você e que está ao seu lado por livre e espontânea vontade?
- Promete saber ser amiga(o) e ser amante, sabendo exatamente quando devem entrar em cena uma e outra, sem que isso lhe transforme numa pessoa de dupla identidade ou numa pessoa menos romântica?
- Promete fazer da passagem dos anos uma via de amadurecimento e não uma via de cobranças por sonhos idealizados que não chegaram a se concretizar?
- Promete sentir prazer de estar com a pessoa que você escolheu e ser feliz ao lado dela pelo simples fato de ela ser a pessoa que melhor conhece você e portanto a mais bem preparada para lhe ajudar, assim como você a ela?
- Promete se deixar conhecer?
- Promete que seguirá sendo uma pessoa gentil, carinhosa e educada, que não usará a rotina como desculpa para sua falta de humor?
- Promete que fará sexo sem pudores, que fará filhos por amor e por vontade, e não porque é o que esperam de você, e que os educará para serem independentes e bem informados sobre a realidade que os aguarda?
- Promete que não falará mal da pessoa com quem casou só para arrancar risadas dos outros?
- Promete que a palavra liberdade seguirá tendo a mesma importância que sempre teve na sua vida, que você saberá responsabilizar-se por si mesmo sem ficar escravizado pelo outro e que saberá lidar com sua própria solidão, que casamento algum elimina?
- Promete que será tão você mesmo quanto era minutos antes de entrar na igreja?
Sendo assim, declaro-os muito mais que marido e mulher: declaro-os maduros".
Quintana escreveu também sobre sermão, de maneira simples e suave... belíssima! Leia abaixo:
“Se eu fosse um padre, eu, nos meus sermões,
não falaria em Deus nem no Pecado
— muito menos no Anjo Rebelado
e os encantos das suas seduções,
não citaria santos e profetas:
nada das suas celestiais promessas
ou das suas terríveis maldições...
Se eu fosse um padre eu citaria os poetas,
Rezaria seus versos, os mais belos,
desses que desde a infância me embalaram
e quem me dera que alguns fossem meus!
Porque a poesia purifica a alma
...e um belo poema — ainda que de Deus se aparte —
um belo poema sempre leva a Deus!”

10 comentários:

Cris Moreno disse...

- Promete me falar das flores que brotam, do por-do-sol, da lua cheia, do amor amado, do carinho que transborda, da exatidão do "bem querer", dos livros que vamos ler, do poema que iremos escrever, da explosão verdadeira do prazer, das loucuras que vamos cometer nas madrugadas únicas...

Beijos.

Eu prometo! E você?

citadinokane disse...

A autoria - Cris Moreno?!
Muito bom!
Também prometo!!!
Beijos,
Pedro

Lilian Haber disse...

Promete me fazer sentir especial quando sou o mais comum dos mortais e protegido como se teu abraço fosse o lugar mais seguro do mundo? Promete me fazer sorrir até mesmo quando tenho lágrimas e me dar aquela agradável sensação de que tudo vai ficar bem? Que não vou mais ter dias cinzas ou que se ainda assim os tiver poderei me encostar em você, ler um bom livro ou simplesmente dormir bem aconchegado? Promete não implicar com meus amigos? Promete tantas coisas, tantas promessas, mas sem precisar realmente prometer nada, tudo dito com um olhar, o encaixe perfeito, os beijos quentes, a cama desarrumada, êxtase de ter encontrado simplesmente a pessoa certa para fazer da rotina um porto seguro e do inesperado uma agradável surpresa.... Prometa-me! Beije-me logo! Porque o tempo passa e contra ele os amantes somente podem parar o relógio por breves, mas importantes momentos....
Ai, ai.....

Cris Moreno disse...

Ai de você se não prometesse, seu Pedro Nelito.... rsrs

Beijos.

Coloque mais coisas assim, pra gente brincar com vc! rsrs

Boa semana.

Mari disse...

Maravilhoso Quintana, Pedro.

Bjs

citadinokane disse...

Lilian poetinha,
Sempre aproveitando a oportunidade para brincar com as palavras, né?!
Beijos,
Pedro

citadinokane disse...

Cris,
Tudo bem... postarei mais.
Beijos,
Pedro

citadinokane disse...

Mari,
Esse Quintana é teu.

Anônimo disse...

Lilina e Cris ,
Vcs arrebentaram.
Beijos pra duas Dom Pedrito vc está muito bem acompanhado
Abs
Tadeu

citadinokane disse...

Tadeu,
Elas são, de acordo com Vinicius de Moraes, "o amor em paz".
Abraços,
Pedro