quarta-feira, novembro 21, 2007

Que o pensamento seja livre - 1984.




As três primeiras imagens acima são do filme 1984, e a última do livro do mesmo nome. O filme tem no elenco: John Hurt, Richard Burton e Suzanna Hamilton. O diretor do filme foi Michael Radford.
O filme é uma adaptação do livro "1984" do escritor George Orwell (pseudônimo de Eric Arthur Blair), a obra foi publicada em 1949, Orwell é autor também do livro "Revolução dos bichos". Talvez "1984" e a "Revolução dos bichos" sejam os mais famosos romances de George Orwell, mas "1984" se destaca por aprofundar a reflexão sobre o totalitarismo, a partir do controle implacável dos segmentos intelectualizado da sociedade por burocratas, uma metáfora pessimista sobre o futuro da humanidade. A manutenção do poder se processa pelo uso massivo dos meios de comunicação, e o controle dos setores mais importantes da sociedade por Teletelas(ao mesmo tempo câmera e monitor), sempre sob a onipresença do Grande Irmão(Big Brother), personagem utilizado para garantir a obediência.
Com relação ao filme, uma parte que guardei e reproduzo como se fosse uma esperança perene... para toda a humanidade, e que o mal não frutifique mais em nosso solo.
Um monólogo do personagem interpretado por John Hurt:
"Ao futuro ou ao passado, a uma época em que o pensamento seja livre, em que os homens sejam diferentes uns dos outros e que não vivam sós - a uma época em que a verdade existir e o que foi feito não puder ser desfeito." Winston Smith

14 comentários:

Patrícia Gabriela disse...

Não li nem assisti, mas me prontifico a fazê-los!

A fala do personagem realmente é supreendente, eu espero que um dia exista essa liberdade de expressão e de vida nesse planeta.

Beijos amigo Pedro!

=***

Kiara Guedes disse...

Essa é realmente uma das frases mais bonitas, mas não só esteticamente, ela vem como uma espécie de "pesadelo" se pensarmos em liberdade, diferenças e verdade...
Bem, pelo menos eu afirmo que o pensamento não tem cerca, então... "Ao passaso ou ao futuro" sem cerca ele continuará.
Bjs

citadinokane disse...

Gabi,
Liberdade pra dentro da cabeça e pro corpo, né?!
Beijão,
Pedro

citadinokane disse...

Kiara,
E que esse "pesadelo" não se repita nunca mais em nosso país...
Beijos,
Pedro

Anônimo disse...

Dando a minha contribuição intelectual ao debate reproduzo aqui a afirmação de George Wolinsnski , cartunista Francês :
"A liberdade é tudo que podemos ter , mesmo porque a justiça não existe , se a justiça existisse , todos os homens teriam o pau do mesmo tamanho".
Definitivo
Tadeu tb é cultura.

eduardo bueres disse...

Logico amigo,ninquem e de ferro... Ouve uma inversão quanto ao psedonimo; o nome real do escritor não é George Orwel; trata-se do pseudonimo. Porem la noche esta mui fria, e o Santa Helena...
Pois para alem do personagem, eu queria era te interpretar mestre, com seu peito aberto a quem chegar; uma paisagem de certeza inteligencia e lealdade que todos sabem a que conduz... Te Amo Amigo, mande notícias,estamos sentindo vossa falta, voce é muito importante para nossas vidas; não se ausente com suas letras por de traz do apíto da sirene do "O liberal", com seu invisivel chapeu côco de Fernando Pessoa do Guajará das Docas e das Onças. ( E.B.)

citadinokane disse...

Tadeu,
Ahahaha...
Meu ministro da cultura, realmente definitivo!
Cada um tem o seu e pronto.
Abraços,
Pedro

citadinokane disse...

Duda,
Sempre inventivo, és um genuíno cabano transportado das terras do Oriente Médio, com toda a rebeldia que essas terras impregnam nos seus nativos... Devidamente acomodado em tua trincheira virtual, eis que envias os teus torpedos com endereço certo, "Quando me encontro no calor da luta/Ostento a aguda empunhadura à proa/Mas o meu peito se desabotoa", tive que utilizar o velho e bom Ruy Guerra, para dizer que a luta continua companheiro e trago todos os amigos no peito...
Abraços,
Pedro

Osc@r Luiz disse...

Vou providenciar para assistir.
Bela dica!
Grande abraço!

Anônimo disse...

Pedro,e importante salientar que George Orwel era um intransigente anti-comunista. Suas obras, no geral, sao metaforas a opressao do Estado no sistema comunista. A mais expressiva e a Revolucao dos Bichos. Sob esse prisma, portanto, a concepcao de liberdade em Orwel esta no nao-comunismo.
Por fim, reiterando os apelos do Bueres, da as caras, ainda que sem o nectar !
Nilton Atayde

Renata Emy disse...

Olha, virou filme, não sabia...

Ouvi dizer q o livro eh bom...

Mas prefiro assistir o filme!hehe...

Beijo Pedro querido!

Boa semana! =D

citadinokane disse...

Oscar,
Providencie também a pipoca... ahahaha...
Abraços,
Pedro

citadinokane disse...

Nilton,
George Orwel foi crítico da sociedade inglesa vitoriana e participou da guerra civil espanhola, se juntou aos republicanos para combater os "franquistas" e escreveu um livro sobre a guerra... Ele era a favor da liberdade.
Vou meter a cara na água mineral e todos estaremos solidários...
Abraços,
Pedro

citadinokane disse...

Renatinha,
Aproveita que o "cabeça de cotonete" vai assistir e pede uma vaga pra ele... ehehehe...