segunda-feira, janeiro 21, 2008

E então, que quereis?...

Cabe a pergunta... algumas vezes é preciso perguntar aos incautos: o que quereis?!
Deixo Maiakóvski perguntar, ok?
Beijos no coração! Rsrsrsrs...

E então, que quereis?...
(Maiakóvski)
Fiz ranger as folhas de jornal
abrindo-lhes as pálpebras piscantes.
E logo
de cada fronteira distante
subiu um cheiro de pólvora
perseguindo-me até em casa.

Nestes últimos vinte anos
nada de novo há
no rugir das tempestades.

Não estamos alegres,
é certo,
mas também por que razão
haveríamos de ficar tristes?

O mar da história
é agitado.

As ameaças
e as guerras
havemos de atravessá-las,
rompê-las ao meio,
cortando-as
como uma quilha corta
as ondas.
(1927)

7 comentários:

Ivan Daniel disse...

Tô na área, mermão!
E tu, estás onde?
Abraço!

citadinokane disse...

Ivan,
Incrível! Hoje de manhã estava pensando em ti, sumiste mermão!
Estou aqui, na tua espera...
Abraços,
Pedro

Lia Noronha & Silvio Spersivo disse...

Pedro: adorei...o mar da vida anda agitado demais...e na poesia...encontro o descanso!
Abraços carinhosos.
Te adicionei no msn,ok?

Lia Noronha & Silvio Spersivo disse...

Pedro: adorei...o mar da vida anda agitado demais...e na poesia...encontro o descanso!
Abraços carinhosos.
Te adicionei no msn,ok?

citadinokane disse...

Abraços fraternos Lia.
Pode me adicionar que será um prazer trocar idéias contigo.
Bjs,
Pedro

Paloma disse...

ontem mesmo estive lendo sobre a morte do maiakoviski, o poema veio bem a calhar - morte e vida, desejos...pouco há de novo nas nossas tempestades. Beijos!

citadinokane disse...

Paloma,
Bom ler Maiakóvski, apreender a realidade através da poesia... legal Paloma! Boa leitura.
Beijos,
Pedro