sábado, janeiro 26, 2008

A Lei Maria da Penha e o juiz de Sete Lagoas

Volto a tratar de um tema delicado, a violência contra as mulheres...
Em agosto de 2006 foi sancionada a Lei Maria da Penha (nº 11.340), o legislador buscou aumentar o rigor nas penas para agressões contra a mulher no lar, sem dúvida alguma um instrumento para atenuar esse tipo de violência.

No ano passado saiu uma reportagem na "A Folha de S.Paulo", a mesma tratava das sentenças e o pensamento de um juiz de Sete Lagoas (MG), este considerava inconstitucional a Lei Maria da Penha.
O nome do meretíssimo? - Edilson Rumbelsperger Rodrigues. Tinha que ser Edilson meudeus!? Pois bem, este juiz rejeitava os pedidos de medidas contra homens que agrediam e ameaçavam suas companheiras.

A lei em 2006 quando entrou em vigor fez muitos valentões cearenses serem recolhidos nas celas das delegacias de polícia, um verdadeiro marco na defesa da mulher e contra a violência doméstica.
Mas... aí apareceu o juiz Edilson Rodrigues e resolveu agir, contra a Lei Maria da Penha, e ainda soltou a seguinte pérola: "Ora, a desgraça humana começou no Éden: por causa da mulher, todos nós sabemos, mas também em virtude da ingenuidade, da tolice e da fragilidade emocional do homem (...) O mundo é masculino! A idéia que temos de Deus é masculina! Jesus foi homem!".

Ah, Edilson! Tomara que "Deus masculino" tenha pena de ti, provavelmente, o "Deus feminino" ainda será capaz de te acolher no colo... apesar desse tipo de pensamento.
Na época "A Folha de São Paulo" mencionou que uma das sentenças do juiz havia chegado ao Conselho Nacional de Justiça. Em 12 de fevereiro do ano passado, o juiz Edilson Rodrigues sugeriu que o controle sobre a violência contra a mulher "tornará o homem um tolo".
O juiz Edilson Rodrigues usava uma sentença-padrão, repetindo os mesmos argumentos nos pedidos de autorização para adoção de medidas de proteção contra mulheres sob risco de violência por parte do marido.
O que eu mais repito aos meus alunos, leiam o livro da vida, leiam livros que possibilitem a humanização da atuação profissional, antes de ser um profissional tecnicamente competente, há de preponderar o cidadão ativo...

Se seguirem esses conselhos, teremos menos juízes para apoquentar a vida dessas mulheres maravilhosas, né?!
Eu nem precisava escrever uma linha sequer sobre o tema, bastava olhar as imagens acima para ver que o juiz de Sete Lagoas ficou devendo para a sociedade...

10 comentários:

Codinome Beija-Flor disse...

Meu Amigo,
Só respondendo mesmo com samba.

Maria da Penha
Alcione
Composição: Paulinho Resende e Evandro Lima

Comigo não, violão
Na cara que mamãe beijou
Zé Ruela nenhum bota a mão
Se tentar me bater
Vai se arrepender
Eu tenho cabelo na venta
E o que venta lá, venta cá
Sou brasileira, guerreira
Não tô de bobeira
Não pague pra ver
Porque vai ficar quente a chapa
Você não vai ter sossego na vida, seu moço
Se me der um tapa
Da dona "Maria da Penha"
Você não escapa
O bicho pegou, não tem mais a banca
De dar cesta básica, amor
Vacilou, tá na tranca
Respeito, afinal,é bom e eu gosto
Saia do meu pé
Ou eu te mando a lei na lata, seu mané
Bater em mulher é onda de otário
Não gosta do artigo, meu bem
Sai logo do armário
Não vem que eu não sou
Mulher de ficar escutando esculacho
Aqui o buraco é mais embaixo
A nossa paixão já foi tarde
Cantou pra subir, Deus a tenha
Se der mais um passo
Eu te passo a "Maria da Penha"
Você quer voltar pro meu mundo
Mas eu já troquei minha senha
Dá linha, malandro
Que eu te mando a "Maria da Penha"
Não quer se dar mal, se contenha
Sou fogo onde você é lenha
Não manda o seu casco
Que eu te tasco a "Maria da Penha"
Se quer um conselho, não venha
Com essa arrogância ferrenha
Vai dar com a cara
Bem na mão da "Maria da Penha"

citadinokane disse...

KKKKKKKKKK...
Beija-flor acertaste na quina!
É isso aí, não tem mais valentão.
"Maria da Penha" neles!
Beijos,
Pedro

Xico Rocha disse...

Pô mermão, tô com o meretíssimo, que porra é essa de ter que privilegiar setores, segmentos ou mesmo classes sociais.
Pô isso é dar força ao corporativismo, temos sim que ter Leis capazes de atingir a todos, este mundo já está muito dividido.
A Lei tem e deve ser para todos, se o cara bate na mulher, não existe nenhuma diferença se o cara apanha, é violencia pura, e aí é que o Estado como instrumento detentor dos controles e das garantias do cidadão tem de se pronunciar independentemente de cor, sexo, raça etc etc etc...
Vamos por ordem neste bordel.
Xico Rocha

citadinokane disse...

Dom Xico,
O Estado se manifestava, mandava os valentões distribuirem cestas básicas e depois eles voltavam e enchiam, entupiam mesmo de "porrada" as companheiras... Desespero total!!! A história da mulher que deu o nome à lei é sintomática do machismo que impera em terras tupiniquim, Maria da Penha foi vítima do ciúme do marido professor universitário, primeiramente ele tentou matá-la à bala, a deixou paraplégica, não se contentando, quase mata a mulher eletrocutada... Não havia sido preso, a denúncia do Ministério Público ia na carapaça de um cágado e etc.
Infelizmente meu amigo esse é o nosso Brasil varonil, os homens dão as cartas... daí a lei ter representado uma forma de dar um freio nesses caras, não tem mais cestas básicas, tem xaxado, xirindró, sol nascendo quadrado, a pérpetua, o veneno, o tucupi para os marmanjos que só sabem bater em mulher.
E sabe de uma coisa Xico? Se os valentões vão preso, eu choooro! ehehehe... Fica a lição para as futuras gerações, né? Mais respeito com as mulheres, as mães de nossos filhos...
Abraços,
Pedro

Tânia Defensora disse...

Oi Citadinokane!
Esse Juiz é RÍ-DI-CU-LO!
Aliás, já tem uma Juíza aqui de Mato Grosso preparando mais uma representação contra ele.
Gostei do seu post. De quebra copiei a letra da música que o Codinome Beija Flor deixou.
Abs

citadinokane disse...

Oi Tânia!
Ele tinha que ter o nome "Edilson", né?!
O importante é afastar a violência dos lares...
abs,
Pedro

Edilson disse...

Qual o problema com o nome "Edilson", Sr. Citadinokane?
Edilson

Rivelino Zarpellon disse...

Dr. Pedro,
Parabéns pelo folhetin virtual!!!
Por onde andas Vossa Excelênciia???
Abraço!!!
Seu aluno de Marabá
Rivelino Zarpellon

citadinokane disse...

Edilson,
Lido fora do contexto, fica estranho, mesmo!
Na época tinha acabado de ocorrer o escândalo com o "juiz"(árbitro) de futebol - Edilson não-sei-das-quantas, que na época assumiu publicamente que havia favorecido em alguns jogos, clubes que pagavam uma "caixinha" pra ele.
Nada contra o nome EDILSON, ok?! Fiz referência, apenas pela coincidência da polêmica e só, nada mais.

citadinokane disse...

Fale Rivelino!
Estou aqui em Belém.
Faça contato comigo pelo e-mail do blog, ok?!
Precisamos conversar, manda um e-mail pra mim.
Abraços,
Pedro