terça-feira, janeiro 15, 2008

Os silêncios...

Rachel enviou-me uma poesia cheia de silêncios, não esqueçam blogueiros de todo o mundo, os silêncios dizem muito... e às vezes atormentam a alma de quem ama e de quem não ama. Sem silêncio e bem barulhento: Obrigado Rachel! A poesia de Maria Teresa Horta é bão demais.

Os silêncios (Maria Teresa Horta)
"Não entendo os silêncios
que tu fazes
nem aquilo que espreitas
só comigo

Se escondes a imagem
e a palavra
e adivinhas aquilo
que não digo

Se te calas
eu oiço e eu invento
Se tu foges
eu sei não te persigo

Estendo-te as mãos
dou-te a minha alma
e continuo a querer
ficar contigo"
___________________
Maria Teresa Horta nasceu em Lisboa e fez a sua estréia na poe­sia em 1960, com o livro: Espelho Inicial. Jornalista, se associou na época ao grupo de "Poesia 61".
__________________
Para encerrar, mais uma poesia de Maria Teresa Horta, bem apaixonante, hein?!

Morrer de amor (Maria Teresa Horta)
Morrer de amor
ao pé da tua boca

Desfalecer
à pele
do sorriso

Sufocar
de prazer
com o teu corpo

Trocar tudo por ti
se for preciso

12 comentários:

fgiucich disse...

Dos bellos poemas. Abrazos.

Mila disse...

Oie!!!!!
Vim conhecer teu espaço, pois te vi la no Espasmos. Te convido a conhecer o meu Mundo Estranho. Estou te adicionando lá pra poder voltar mais vezes.
Beijos Mila

Paloma disse...

Vou procurar mais sobre a poetisa...gostei muito de ler alguém falar sobr eo silêncio, um tema que me toca tanto! Beijos!

citadinokane disse...

Fernando,
A poetisa é tua vizinha, é portuguesa.
Abrazos

citadinokane disse...

Oi Mila!
Já fui lá no teu blog e até comi bolo, aniversário da tua mama...
Também vou te linkar por aqui, ok?
Beijos

citadinokane disse...

Olá Paloma!
E como ela falou bem do silêncio, né?
Beijos

elvira carvalho disse...

Muito bom. E como eu também gosto muito de Maria Teresa Horta aqui lhe deixo

Segredo


Não contes do meu
vestido
que tiro pela cabeça

nem que corro os
cortinados
para uma sombra mais espessa

Deixa que feche o
anel
em redor do teu pescoço
com as minhas longas
pernas
e a sombra do meu poço

Não contes do meu
novelo
nem da roca de fiar.

nem o que faço
com eles
a fim de te ouvir gritar

Maria Teresa Horta

Um abraço

citadinokane disse...

Elvira,
A poesia de Teresa mergulha no mundo dos apaixonados, né?
Beijos,
Pedro

Lia Noronha disse...

Pedro: estou fazendo um verdadeiro tour por aqui...ok?
Estou adorando td!
vc conheceu o meu outr blog?
www.encontroquaseperfeit.blogspot.com
Apareça,qdo quiser.
Abraços mil!!!

Patrícia Gabriela disse...

Lindas poesias... Com certeza é um silêncio ensurdecedor!

Beijos amigo Pedro!

=)

citadinokane disse...

Lia,
Conheci o teu "encontroquaseperfeito". E vou continuar aparecendo por lá, e volte sempre, irei te linkar aqui também, ok?!
Beijos,
Pedro

citadinokane disse...

Gabi,
Poesias belas e ensurdecedoras, acertaste!
Beijos,
Pedro