segunda-feira, fevereiro 04, 2008

Os verdadeiros heróis. "Big Brother Brasil" e o mais importante...

Não sou contra quem gosta do "Big Brother Brasil", um reality show tupiniquim que causa nosencefalia aguda, cuidado!!! Mas, não é privilégio brasileiro, existem outros programas pustulentos como o "BBB" espalhados por todo o mundo, a imbecilidade foi globalizada, ahahaha... Por isso é bom ficarmos atentos para não esquecermos o que é mais importante, né?!
Vai abaixo o e-mail que recebi, compartilho com todos, e peço que reflitam sobre cada linha rabiscada...
------------------------------
“E agora vamos falar com os nossos heróis...”
Saudação (infeliz) usada pelo jornalista Pedro Bial ao se dirigir aos participantes do programa Big Brother Brasil: Se alguém se encontrar com ele, pergunte-lhe, por favor, qual a definição de “herói” no dicionário dele...
No nosso, Herói é uma coisa muito diferente...
Herói é a Dra. Vanessa Remy-Piccolo, jovem pediatra francesa de 28 anos de idade. Ela que abriu mão do seu conforto para servir na África, como voluntária do programa Médicos sem Fronteiras.
Ela relata que cansou de atender crianças que com um ano de idade pesavam em torno de 3,6 kg, que corresponde ao peso de um recém-nascido.
Heroína que relata que muitas mães chegam até ela dizendo que levaram os alimentos doados para casa, mas que seus filhos parecem que desaprenderam a se alimentar e se recusam a abrir a boca.


Herói é Martial Ledecq, cirurgião voluntário do Médicos sem Fronteiras, que, arriscando a própria vida, atende, em meio a bombardeios, os civis feridos num Hospital de Tebnine, sul do Líbano, vítimas de uma recente guerra que de tão nefasta não poupou nem os observadores da ONU, e nem mesmo as equipes de ajuda humanitária internacional. Herói, caro Pedro Bial, é quem, nestes dias desleais em que vivemos, enxerga o sofrimento alheio, e se prontifica a amenizá-lo no que estiver ao seu alcance.
Herói são aqueles que abrem mão dos confortos pessoais em prol do coletivo, aqueles plenos de uma vida na qual a paixão sobrepuja a omissão...
Herói é aquele que é solidário, que partilha dons e bens...
Mas há também muitos heróis que falam a nossa língua... E não são as “celebridades” instantâneas
do BBB. Embora estejam pertinho da “casa mais vigiada do Brasil”. Heróis como Jacinta, enfermeira do projeto Meio-fio, promovido pelo Médicos sem Fronteiras no Rio de Janeiro, que examina mãe e filho, moradores de rua. Heróis como a médica Renata, que visita aqueles que nem aos precários serviços de saúde pública têm acesso, como este morador de rua, no Largo da Carioca, centro do Rio de Janeiro. Heróis como o educador Altayr, que partilha seus conhecimentos com uma moradora de rua no centro do Rio de Janeiro. Heróis como a psicóloga Andréa, que, a exemplo da pediatra francesa, semeia saúde e esperança, por onde passa.
Heróis como a enfermeira Eriedna, que aqui atende o Sr. Nilton no núcleo de atendimento do Médicos sem Fronteiras. Heróis como Sr. Nilton, que com o apoio recebido conseguiu encontrar um trabalho, e hoje não mais mora nas ruas.Heróis como Sr. João, um dos moradores de rua atendidos pelo projeto Meio-fio, que relata:
"De manhã eu começo a circular igual a um peru doido. Eu só paro na hora do almoço e depois, à noite, pra dormir. Mas catar latinha não é fácil não. Hoje em dia tem uma concorrência muito grande pelas ruas".
Será que o Sr. João resistiria à tentação de catar as latinhas e garrafas de bebida vazias, com as quais a produção do BBB tenta a todo custo embriagar os participantes do programa nas festas que promove?
Sr. João provavelmente juntaria as latas sim, escondidas num canto da casa, para quando a fama instantânea passar...
Quando o cara que já foi um dos mais brilhantes repórteres do país, vibra e discute os namoricos, as intrigas e as futilidades do programa BBB como se fossem o assunto mais importante da atualidade, é sinal de que algo está lamentavelmente errado... É preciso acreditar que um outro mundo é possível. E pequenos gestos poderão produzir mudanças significativas.
Um ato simples, que certamente poderá resultar em benefícios concretos, será o de iniciar uma campanha de conscientização para que ninguém mais atenda aos apelos melodramáticos de Pedro Bial, e que, ao invés de efetuar ligações para o programa Big Brother, contribua para entidades que atuam em prol de causas sociais.A cada paredão, com milhões de ligações para o programa, os centavos e centavos pagos formam rios de dinheiro, e engordam ainda mais as já milionárias fortunas dos donos, diretores e apresentadores televisivos...
Se você tem algum amigo, familiar ou conhecido que liga para o programa, aconselhe-o, ao invés, a doar a quantia para algum programa humanitário.
Ao invés de ligar para o Big Brother Brasil, contribua com alguma instituição que realmente precisa de ajuda.
E não faltam entidades sérias que contam com o nosso apoio para prosseguir com suas nobres atividades.
Listagem de algumas outras entidades e projetos:
www.unicef.org/brazil/lista_projetos06.htm
Certamente existe alguma instituição de amparo aos necessitados atuando na tua cidade.
Os recursos destas instituições provém, na sua maior parte, do apoio voluntário, - material e humano -, necessitando, portanto, de nosso auxílio e colaboração para que possam fazer diferença e recuperar o valor da vida dos tantos destituídos, excluídos da sociedade.
Quem são os teus heróis?
Quem são as tuas heroínas?
Divulgue esta idéia por e-mail ou blog.
Vamos deixar a cargo dos familiares dos participantes, que têm interesse particular no assunto, decidir se fulaninho ou fulaninha deve ou não sair do programa.
Colabore com quem realmente precisa de você.

18 comentários:

Nilza disse...

Oi menino!

Gostei do post. Acho complicado falar de heróismo num pais de miseria como o nosso. Acho que 80% dos brasileiros são super-heróis por conseguirem sobreviverem aqui.

Beijos

Carlos Ponte disse...

Pedro, parabéns! Foi um estridente grito de revolta. Pena que aqueles que deveriam ficar com as orelhas a arder talvez o não oiçam. Por cá também já passou essa estupidez e, desgraçadamente, teve audiência. É a nossa sina, meu amigo.
Um abraço.

Lilian Haber disse...

Caro Pedro,
Eu não assisto tv. Beijos.

Anônimo disse...

O brilhante Pedro Bial é autor de um brilhante livro sobre a vida do brilhante Roberto Marinho.tsc tsc tsc
Esse puxa-saco já amarrou o burro na sombra faz tempo e quer mesmo é se divertir as custas da ignorância da turma.Muito bom o post.
Abração
Pedro.

Anônimo disse...

Pedro , eu assinei o post como Pedro , crise de idade ou de identidade ( eu quero ser vc)??
sei lá , como a gente diz problema de umidade , umidade avançada..
abs
Tadeu

citadinokane disse...

Nilza,
País com dificuldades e ainda temos o "Bial" chamando os "caras" de heróis...

citadinokane disse...

Carlos,
A ganância é forte, esses programas...

citadinokane disse...

Lili,
Também!!!

citadinokane disse...

Tadeu,
Penso como tu pensas.
O Pedro Bial vendeu a alma para Belzebu...

citadinokane disse...

Tadeu,
É a umidade, e só!

Mami disse...

Pedro,

Não abro mão de atender pacientes independente das minha soutras atividades, e posso te afrimar que temos muito heróis também aqui na terra paroara - equipes inteiras, multidisciplinares, que seus dias passam anonimamente. Tem grupo de estudantes fazendo a diferença na "assitência humanizada". São profissionais, estudantes e volutários maravilhosos. Nem tudo está perdido. A nossa periferia representa um pouco de cada pedaço do mundo que você mostrou.
Legal teu texto.

citadinokane disse...

Mami,
Yeeesss!
Que bom ler o que escreveste, se renovam as esperanças...
Em direito temos uma preocupação com a "humanização" do futuro profissional que vai lidar com liberdades e patrimônios das pessoas. A técnica é importante para viabilizar uma advocacia cidadã, respeitando o ser humano, independente da "conta bancária" do cliente ou assistido, daí o surgimento de muitas assessorias populares... O Carlão já deve ter comentado essas coisas contigo, né?!
Obrigado Mami por deixar o teu comentário.
bjs,
Pedro

Patrícia Gabriela disse...

Dias desses vim aqui e li essa postagem, ai comentei um "texto" mas na hora de concluir o comentario deu error no meu pc, pense numa raiva. =/

Ai agora resolvi vir te dizer q sou de acordo com vc, é humilhante ver um reporte de renome como o Bial se passar por um papelão desses. Eu não perco meu tempo assistindo tv, muito menos BBB, meu reality show é minha vida, e descubro todos os dias heróis no meu projeto social. Espero poder ta sempre fazendo bem a quem necessita, assim como esses exemplos q vc citou amigo.

Beijos^^

Mixikó disse...

Puxa Pedro...belo post este...verdadeiramente valioso...devia de ser epalhado nos cantos do mundo para abrir as cabeças ocas...

Anônimo disse...

A cruel verdade é que existe público para os dois, Bial e Reality.Lamentavelmente não existe brilhantismo em nenhum nem outro.(E.Bueres)

citadinokane disse...

Gabi,
O nosso reality show é a vida...
Um forte abraço pela solidariedade com os esquecidos.
Pedro

citadinokane disse...

Mixikó,
E são muitas cabeças... ocas... ocas...

citadinokane disse...

Duda,
Falta brilho, falta verdade, falta inteligência...