domingo, maio 25, 2008

Do nada pra lugar nenhum...

(a tela abaixo é do camarada Gilmar e está pendurada no Café Portela)Eduardo Bueres mesmo com dengue, puxou o violão e mandou a música abaixo que aprendemos a gostar na voz de Nilson Chaves, mas a autoria é da dupla Sá & Guarabira, muito linda!
No final, Bueres chorava, eu dizia pra ele: - Companheiro sei quanto essa música te emociona, eu também fico todo remexido por dentro... E o cara me responde: - Garaio! Não estou remexido pôrra nenhuma! Tô com dores, mermão!
Fica a letra e aquela história de desencontros... Nossos desencontros!

Do nada pra lugar nenhum (Sá e Guarabira)

Lembro de quando tudo era doce
Lembro de quando tudo era vivo
Dentro de dois a força de ser só um
E hoje te vejo assim espantada
Como perdida aí nessa estrada
Que vai do nada pra lugar nenhum

Lembro da gente sempre bem perto
Por um caminho curto e direto
Atravessando os mares sem medo algum
E hoje me vejo, destino incerto,
No meio desse imenso deserto
Que vai do nada pra lugar nenhum

O que será que existe dentro de nós dois
Além daquela vontade
De descobrir a verdade antes de tudo?
O que haverá no muro entre nós dois
Além daquele espaço estranho, escuro e mudo?

Não há tristeza mais dolorida
Do que ter tido tudo na vida
E de repente perceber que é comum
Ser mais uma pessoa enganada
Pelo rumo confuso da estrada
Que vai do nada pra lugar nenhum

4 comentários:

A Poetinha disse...

Lindo. E melhoras para o amigo dengoso.

citadinokane disse...

Muitas dores... de todos os matizes. Sofrimentos do corpo e da alma... pobre Bueres!

Sandra Leite disse...

e não há verdade maior na vida: descobrir-se pó nesse mundo e ainda assim,o pó desejado...


beijos

citadinokane disse...

E para o pó voltaremos...

Beijos Sandroca,
Pedro