domingo, maio 11, 2008

Tertúlia, sucos e o som de MG Calibre.

Encontrar os amigos blogueiros no Café da Sol Informática, é sempre muito bom! O ambiente é totalmente jazzístico, a vontade é de ficar lá, morar no som que emerge dos instrumentos e voar na imaginação do músico que improvisa... é bom para garaio!
Foi uma grata surpresa encontrar o Calibre dedilhando o seu baixo, pô mermão! Esse cara é daqui, mas, passa mais tempo na Europa e Canadá. Tenho uma fita antiga com o Calibre tocando no Festival de Montreaux na Suiça, o cara é o que os "entendidos" em música chamam de virtuose, e nós chamamos de "bom pra garaio!"
Conversamos um pouco, com muita cortesia veio e sentou-se com a gente, resumindo o cara é humilde e toca muuuiiito...
Comprei o Cd "Brazzonia", autografou, e reproduzo o que o nosso Edyr Proença escreveu sobre o Cd de Calibre:
"Simples e genial
O meu amigo só pensa em música. É sua expressão. Bater papo com ele é uma das atividades mais criativas que existem. Calibre fala com as mãos, com os braços, com o corpo. Emite sons que definem frases, conceitos inteiros. Não é que faltem as palavras. É que ele pensa musicalmente. Já tinha ouvido o som do caboclo de Bujaru, gravado na Europa. Agora, em “Brazzonia”, ele apresenta, simplesmente, o disco mais moderno já gravado no Pará. Mistura nossos ritmos com funk, rap, jazz. Homenageia Milles Davis e ao mesmo tempo inclui a voz do povo em sua dolente melodia. Prega contra a devastação, e em pleno carimbó, navega pelo planeta. E o “baixão” ancorando tudo. Uma bandona maravilhosa, bateria, piano, guitarra, sopros. Som cheio, um grave de arrepiar e fazer vibrar as janelas da casa. E tudo do jeito dele. A fusão. O pop. Amazônia e mundo. Simples e genial.
Edyr Augusto Proença"

O Ney Messias Jr em seu blog o Metanoia, conta que MG Calibre é um andarilho do mundo, e já tocou pelas ruas, misturando-se com mendigos, imigrantes, pedidores de esmola... e que numa dessas caminhadas pelas ruas de Belém, Calibre conheceu um morador de rua chamado Carana que era Hare-Krisna, não contou conversa e o convidou para sair da rua e vir morar com ele. O Ney acentua que o Calibre ajudou o Hare-Krisna Carana a se transformar em músico. E Carana virou músico e foi morar em Santa Teresa, Rio de Janeiro. Segundo Ney Messias, Carana promovia umas tertúlias em sua casa, que virou moda entre os mais descolados do lugar. Numa dessas tertúlias um morador de rua chamado “Seu Jorge” apareceu por lá e deu uma canja. E como todo tempo o SeuJorge aparecia por lá, Carana resolveu convidá-lo para morar com ele. Afirma Ney que Carana repetia anos depois a mesma atitude que o Calibre tinha tido com ele. O resto da vida do “Seu Jorge” nós conhecemos, hoje um dos grandes nomes da MPB.

Valeu Ivan, Bruno, Dirceu e todo mundo que esteve lá no Café da Sol, os sucos estavam uma delícia.

A 1ª fotografia é do fotógrafo Thiago Kunz

10 comentários:

Ivan Daniel disse...

Bacana essa história do Ney Messias. Gentileza gera gentileza.
Aí, Calibre! Tu és um cara iluminado, mermão!
Valeu mesmo o sábado na Sol!

citadinokane disse...

Ivan,
Calibre é o cara!
Sábado eu tô lá de novo.
Abraços

Ivan Daniel disse...

Vamos nessa!

citadinokane disse...

Ivan, Vou levar o "cabeça de coxinha" e o "cara de choriço", ok?!
Abraços

Dirceu Franco disse...

Égua jogador quem é o "cara de choriço"?

Sucos muito bons o do Café da Sol. A "vista" lá também é ótima.

Se me convidar eu vou...

Um abraço.

citadinokane disse...

Ei Dirceu!
É o mesmo "cabeça de coxinha". E vamos ver se sábado a gente se encontra, né?!
Abraços mermão.

Veneide disse...

Parece que o encontro dos blogueiros foi bão demais!
Obrigada pela sua visita e pelo endereço do Café do Sol Informatica. Anotei!
Um suquinho com pouco alcool...e muita manga. (Não dirijo em Belém mesmo. Vou ver se empresto uma carroça do meu tio).
Sobre a baliza, não se preocupe: quem anda com Deus não tem medo de assombração! iac, iac!
Vc é fã do Roberto Carlos? Então passe no meu blog. Mas, se não for, passe também.
gde abraço

Anônimo disse...

Pô professor Nelito,

Infelizmente não pude estar presente, mas a "boca pequena" já me disse que a "cortesia" argentina tinha o teor alcoólico bem diferente do suco da foto.
Mas, por outro lado, a mesma "boca pequena" disse que o senhor portou-se como um lorde.
Ainda bem, né!!!
Até à FAP.

Eternamente "B"

citadinokane disse...

Veneide,
Quando estiveres por aqui, faz contato com a gente, vamos beber muitos sucos e criaremos no Café da Sol um "confessionnal" sobre as nossas alegrias... ahahaha...
Adoro o Roberto Carlos cantor, não o "arruma meião" jogador... argh!
Vou lá no teu blog.
Beijos,
Pedro

citadinokane disse...

Bruno,
Não sei o porquê de continuares com o codinome "Eternamente B"?
Mas, não direi o teu nome completo, apenas as iniciais, ok?
Então lá vai: Bruno Soeiro Vieira
Pronto conforme havia prometido somente as iniciais.
Abraços,
Pedro
P.S.: Tu sabes que sempre comporto-me dentro das regras da boa convivência, e não falo de boca cheia, garaio!