domingo, junho 15, 2008

Os esquimós

A leitura antropológica revela como a aventura do homem pelo globo terrestre proporcionou tanta diversidade cultural, basta olharmos para o casamento, e aí vamos verificar as diferenças... Para alguns povos o casamento não significa sempre direitos sexuais exclusivos entre um casal, e a família pode funcionar muito bem. Vejam os esquimós, se um homem tiver que viajar e sua esposa estiver doente, ele prontamente toma emprestado a mulher de outro esquimó, para os esquimós nenhum homem pode viajar sem a "assistência" de uma mulher... é isso mesmo!(eles só pensam naquilo)
Faz parte da cultura esquimó "pedir emprestado" a mulher de outro para acompanhá-lo na viagem. Essa situação não causa nenhum constrangimento e é vista como natural pelos esquimós, o vínculo matrimonial não é rompido, fica suspenso temporariamente. Eventualmente, pode acontecer da mulher ficar gestante, não é problema também, os filhos nascidos desses relacionamentos transitórios pertecem à família do pai social, inclusive acaba se estabelecendo entre o pai social e o pai biológico uma relação especial de amizade. Até aqui não existiu adultério para os esquimós.
Quando um esquimó tomar a mulher de outro permanentemente, e com a transferência de afeto do vínculo conjugal, só então se caracteriza o adultério e é considerado um crime muito grave.

Lições que ficam dos esquimós:
1. Pai é quem cria e não quem faz.
2. Se rolar sentimento é adultério, se não rolar é precisão.

4 comentários:

Anônimo disse...

Pedro , olha eu traveis.
Aqui pra baixo do Equador já avisava Chico Buarque também funciona assim , só que não se pode saber , avisar ou comentar de resto , aumente o som de deixa o Ney soltar a voz:
"Não existe pecado .......
Um abraço de esquimó procê.

citadinokane disse...

Mami,
O Chico essa letra encontramos no texto do pai do Chico, o Sérgio Buarque de Holanda, no livro "Raízes do Brasil", eram os holandeses que acreditavam que não existia pecado no lado de cá...
Por conta disso, eles se liberavam das amarras da religião e "arrepiavam"... huumm... deixa pra lá!
Vamos voltar ao Ney... " Não existe pecado..."
Beijo de esquimó, ahahaha...
Pedro

Anônimo disse...

Pedrão , quem te eviou esta abobrinha foi eu que não me identifiquei.
Tadeu

citadinokane disse...

Tadeu,
Pô mermão! Disfarçadão de anônimo, né?
Aí a gente fica confuso, qualé mano?!
Tenho que te confessar, deixaste saudades...
Tem me faltado tempo, mas tenho forçado a barra.
Abraços,
Pedro