terça-feira, setembro 23, 2008

E então, o que quereis?

Companheiro Duda Bueres,
Escrevo este post como se fosse uma carta, é verdade, uma carta aberta, endereçada a ti...
E então, o que quereis? Lembras que numa noite perdida, cheia de viola e vazia de estresse, balbuciei esses versos de Maiakovski, poeta revolucionário russo (1893-1930), entre a polifonia de vozes e acordes dissonantes do teu plangente violão, fiz o esforço de memória e os versos foram saindo:
"Fiz ranger as folhas de jornal
abrindo-lhes as pálpebras piscantes..."
Deste gargalhadas de contentamento, sempre incentivando a arte, a poesia, a música... És um eterno aprendiz do bem viver, com o violão no colo, solenemente disseste - Essa também é do Maiakovski:

Não acabarão com o amor,
nem as rusgas,
nem a distância.
Está provado,
pensado
verificado.
Aqui levanto solene
minha estrofe de mil dedos
e faço o juramento:
Amo
firme
fiel
e verdadeiramente.


É meu poeta e feiticeiro...
Estás mergulhado até o talo nessa campanha eleitoral, foste indicado para disputar uma vaga de vereador, aí na câmara de Ananindeua, aceitaste o desafio de levar a bandeira da cultura e da preservação do meio ambiente... Pascoal te chamou de guerreiro, até brinquei dizendo que não eras pôrra nenhuma de guerreiro, mas um simples soldado e pronto!
Hoje percebo que sairemos mais fortes dessa disputa. Como mais fortes? É elementar meu caro, nós não vendemos nossa alma para o diabo... Como o apóstolo Paulo, nós combatemos o bom combate, fomos fraternos, pacíficos, mesmo quando o punhal penetrava nossa costa e percebíamos as digitais do aliado que nos jurava amor eterno...
Em um momento de descontrole nosso, desejamos a vingança da mão de Javé nele... mas, com o apoio do companheiro David Carneiro e Pascoal, a vontade de vencer os covardes e anunciar que estamos na disputa se alevantou em nós.
E porque amamos firme, fiel e verdadeiramente, iremos superar tudo e ao final daremos muitas gargalhadas e construiremos uma outra história juntamente com David Carneiro, Pascoal, Bruno, Nilton Atayde, Élcio Aláudio, Mariazinha, Cibele, Alex, Flávia, Flavinha, Flávio, Ray, Léo Tocatins, Rocha e muitos outros...
E então, que quereis?(Maiakóvski)
Fiz ranger as folhas de jornal
abrindo-lhes as pálpebras piscantes.
E logo
de cada fronteira distante
subiu um cheiro de pólvora
perseguindo-me até em casa.
Nestes últimos vinte anos
nada de novo há
no rugir das tempestades.
Não estamos alegres,
é certo,
mas também por que razão
haveríamos de ficar tristes?
O mar da história
é agitado.
As ameaças
e as guerras
havemos de atravessá-las,
rompê-las ao meio,
cortando-as
como uma quilha corta
as ondas.
(1927)

6 comentários:

Ivan Daniel disse...

Belíssimo, Pedro.
Do começo ao fim do post.
Abraço!

p.s.: cadê tu, mermão?

citadinokane disse...

Ivan,
E então, o que quereis?!

Recuso-me a beber cerveja sem álcool... Não aceito e pronto!
Saudades de ti mermão!
O número do celular é o mesmo, me liga vai.
abs

elvira carvalho disse...

Muito bom o post. Escolhi Maiakóvski em Maio para as comemorações do dia do trabalhador.
Um abraço e uma boa semana

citadinokane disse...

Elvira,
Um poeta operário... tudo a ver!
Paz e saúde!

Mixikó disse...

Uau...deixo um pouco o sono de lado...para rematar com este magnifico post...intenso.

citadinokane disse...

Mixikó,
Não tão intenso quanto a tua presença.
bjs