domingo, dezembro 14, 2008

Esparadrapo, dedos e fissura.

Em "Soy Loco por ti, América", composição de Capinan e Gilberto Gil, Caetano cantava: - Estou aqui de passagem/Sei que adiante/Um dia vou morrer/De susto, de bala ou vício...
Para um revolucionário não existe morte pior do que morrer prosaicamente...
Imaginem um tapete com ventosas que deveria impedir que as pessoas escorregassem na hora do banho, pois muito bem, o CitadinoKane quase se quebra todo, ficou ensangüentado, uma pequena fissura na costela, dois dedos do pé direito estourados, um rasgado e muito sangue.
Era noite de sábado, havia sido convidado pelo amigo Rogério para o aniversário de sua esposa e nossa amiga Fernanda Galvão, e lá vou eu tomar o meu banho para depois jogar o patchouli no corpo, ahahaha...
Absorto no aniversário, pisei no tapete e o resto está dito acima.
Fica aqui um ensinamento, a linha que separa a vida da morte é tênue, frágil demais!
Estou me recuperando, mas os dedos continuam latejando... E enrolados no esparadrapo.

4 comentários:

Ivan Daniel disse...

Égua! Até senti toda essa dor. Melhoras.

Direito & Esquerdo disse...

Nelito,

Fiquei assustado em saber do acidente, foi quando uma voz singela perguntou:
-Será que o acidentado estava com algumas doses do famoso "periquita" correndo por suas veias?
Minha resposta foi também simples:
-Não sei, mesmo que fosse verdade, ele não assumiria.
Um abraço "mermão" e melhoras.
Bruno

citadinokane disse...

Fale Ivan!
Obrigado por ser solidário, a dor até passou mermão!

citadinokane disse...

Bruno,
Estava sóbrio, não bati a cabeça porque lembrei-me das minhas aulas de ginástica olímpica(quando criança, é claro!).
Por favor, cuidado! O mal é o que sai da boca... cuidado!
abs