quarta-feira, janeiro 28, 2009

Uma nova ordem...

E seguíamos esperançosos, a história nas mãos e as flores no coração...
Fantástico!!!
O olhar comunicava que todos queriam um outro mundo, e todos gritavam numa só voz: - Um outro mundo é possível!
Em frente ao Colégio Marista, os jovens hospedados lá balançavam as bandeiras, faixas e gritavam confirmando: - é possível!
A emoção contagiando a todos, uma ebulição de culturas e um sentimento envolvendo os participantes da marcha: - Vamos mudar o mundo, garaio!!!

segunda-feira, janeiro 26, 2009

O instante

Fica o instante eternizado...
Quando os olhos não alcançam, a máquina resgata.

Fórum da Esperança: Começou!!!

Começou o IX Fórum Social Mundial, tendo como sede a cidade de Belém na Amazônia brasileira, todos mobilizados, gente de toda parte do mundo, os hotéis lotados, escolas servindo de alojamento, barcos ancorados por toda beira-rio, uma festa de cores, credos, raças e um só objetivo: UM OUTRO MUNDO É POSSÍVEL!
Todos os caminhos levam ao Fórum Social Mundial em Belém do Pará.
Vem pra cá, vem!!!
Uma ode ao Fórum Social de Belém

O mundo é complicado
Nossa tarefa também

Julgar sem pré-julgar
Demarcar sem excluir
Incluir sem forçar
Somar, fazer bonito
O mundo é infinito

Combater a indiferença
Respeitar a diferença
e o diferente.
Respeitar

Defender a mata sem esquecer o homem
Cultivar a terra sem derrubar a mata
Cultivar o homem

Amparar sem esperar
Esperar sem se iludir
Não desesperar, agir
Não sucumbir
Perseverar

Convencer, conversar
Persuadir sem mentir
Não sofismar,
Argumentar

Gritar abaixo o imperialismo
Viva o povo palestino
Mas ao anti-semitismo dizer não

Aplaudir a bravura
Mas repudiar a bravata
Não usar gravata

Gritar a Amazônia é nossa
Viva o povo brasileiro
Viva a cesta básica e o Prouni
Viva o luz para todos
Em plena floresta amazônica

Gritar abaixo os banqueiros
Que seja a riqueza de todo o povo brasileiro
Abaixo os juros
E a especulação financeira
Fora com o Deus mercado e o Deus dinheiro

Sonhar mas não dormir
Cada amanhecer é um novo dia
O fim de um descanso
Cada pequeno passo um avanço

Conceituar sem preconceitos
Refinar pensamentos
Provocar sem agredir
Polemizar
De vez em quando aplaudir

Perguntar e saber ouvir
Não ouvir sem perguntar
Questionar,
Sempre
Sempre duvidar,
Não simplificar, complicar

Entender é o que interessa
Para poder avançar
Saber, conhecer, decifrar
Interpretar
O saber é infinito
O universo também

O mundo é complicado
Nossa tarefa também

Bernardo Kucinski, janeiro de 2009

sábado, janeiro 24, 2009

Reforma na língua portuguesa

Com a recente Reforma ortográfica, vai uma dica, prestem bem atenção!
JAMAIS TREMA EM CIMA DA LINGUIÇA!!!

sexta-feira, janeiro 23, 2009

Mulher apayxonante


Caiu na rede...

Vocês acreditam que o Vieirinha de Marapanim enviou-me com toda a pompa a imagem abaixo, dizendo: - Mais uma que acreditou no namorado e caiu na rede...
Tire as suas conclusões, ahahaha...


quinta-feira, janeiro 22, 2009

Suprema dignidade!


Há quarenta anos atrás, mais precisamente no dia 16 de janeiro de 1969, um mês após o AI-5, ai ai ai Jesus! Um ditador tupiniquim de verde-oliva em pronunciamento de televisão, disse em rede: - Aproveitando a ocasião anuncio a aposentadoria compulsória dos Ministros do Supremo Tribunal Federal Victor Nunes Leal, Evandro Lins e Silva e Hermes Lima.
Eles incomodavam o General Costa e Silva, incomodavam a ditadura, incomodavam os algozes da democracia...
Ao calar os três ministros a ditadura demonstrava o seu desprezo pelo contraditório, pela democracia, justiça... A ditadura queria só sim senhor!
Em tempos de Gilmar Mendes, como faz falta magistrados como Victor Nunes, Evandro Lins e Hermes Lima.
Deixaram uma lição à sociedade brasileira, para manter uma postura digna é necessário a convicção de que os valores que defendem são a expressão do interesse da cidadania e da nação.
Não é possível criar essa convicção com a mera formação técnica, a técnica pode se colocar a serviço de qualquer regime, inclusive um ditadorial.
Dignidade humana e valores fundamentais da democracia dependem da gente, mas por favor! Não esqueçam de Victor Nunes Leal, Evandro Lins e Silva e Hermes de Lima.

terça-feira, janeiro 13, 2009

Adios bambinos!!!

Não poderia ser sem um pouco de antecipada noltalgia...
Quando cheguei no boteco o amigo Ranulfo anunciou: Acabou mermão!!!
O que o Ranulfo anunciava era o fim do Vital Drink's, o nosso pé-sujo...
Ainda argumentei que o amigo Tadeu Schumann não havia tomado uma gelada ali. E o Ranulfo respondeu: - Fecho no final de março...
Deixo a poesia de Fernando Pessoa para revelar o meu estado d'alma, mas que tristeza!

Ah, Quanta melancolia! (Fernando Pessoa)

AH, QUANTA melancolia!
Quanta, quanta solidão!
Aquela alma, que vazia,
Que sinto inútil e fria
Dentro do meu coração!
Que angústia desesperada!
Que mágoa que sabe a fim!
Se a nau foi abandonada,
E o cego caiu na estrada -
Deixai-os, que é tudo assim.

Sem sossego, sem sossego,
Nenhum momento de meu

Onde for que a alma emprego -
Na estrada morreu o cego
A nau desapareceu.

segunda-feira, janeiro 12, 2009

Saudade da vida...

Visitei o site do Carlos Lyra um dos "culpados" pela Bossa Nova, ahahaha... Extraí de lá o pequeno texto sobre o poetinha, leia aí abaixo:

4Vinícius de Moraes, pouco tempo antes de morrer, estava num bar - o Barbas - sendo entrevistado por uma jovem e inconseqüente jornalista que, enquanto "dava um tapa num baseado", perguntou-lhe: "Poeta, você está com medo da morte?" No que Vinícius indiferente ao constrangimento geral que se fez à sua volta, respondeu, serenamente: "Não, filhinha, estou é com saudade da vida..." 3

Carlinhos Lyra

sábado, janeiro 10, 2009

O canto de atravessar do Márcio Montoril

Nunca tínhamos conversado antes, depois de muitos anos fiz um comentário picante, mas sem antes fazer uma perguntinha...


Calma hermanos! Vou explicar as primeiras linhas do post.
Hoje o post é em homenagem ao Márcio Montoril, Professor, compositor, cantor e militante social. Conheço o Márcio há muitas primaveras, mas nunca tínhamos conversado antes, hoje fiquei surpreso em encontrá-lo numa reunião de um Instituto em que fui escolhido para exercer a função de Secretário do Conselho Deliberativo e ele escolhido como membro do Conselho Fiscal.
No passado já um pouco distante, moramos no mesmo conjunto residencial, eu bem novinho e ele mais maduro já professor de educação física, eu um menino com a testosterona transbordando pelos póros, huumm... embasbacado com uma linda menina que jogava vôlei na quadra de areia, aí o Márcio chegava com uma moto posante e a garota saía correndo cheia de graça ao seu encontro e montava na garupa da moto e eles batiam em retirada. Jurei com os dentes cerrados que um dia teria uma moto, e aí eu queria ver esse Márcio Montoril arrastar as mina na nossa frente, ahahaha... Já passou a revolta, ahahaha...
Perguntei pro Márcio: - Tinha uma loirinha que sempre tu carregavas na moto, casaste com ela? Ele respondeu: - Era a fulana de tal, não, não casei com ela.
Retruquei incontinênti: - Ela era muuuuiiito gostosa!!!
Depois dessa inconfidência demos boas gargalhadas, e todos estavam perdoados pelo tempo que se passou.
Quero dizer que acompanho há algum tempo o trabalho musical do Márcio, trabalho que resgata as raízes de nossa cultura amazônica, o cara pesquisa e compõe carimbó, lundú, merengue, boi-bumbá... Letras e batidas com influência caribenha...
Fiquei extremamente feliz em assistir na televisão a desenvoltura do Márcio e a minha amiga Rosah Corrêa na "Opereta do boi" que foi encenada no palco de teatro, dá até vontade de chorar de tão bonito.
Márcio acredita que a arte pode mudar e melhorar a vida, por isso desenvolve o projeto Música e Cidadania nas escolas públicas, a "Opereta do boi" no ano passado contou com um elenco de quase 30 alunos da Escola Estadual Luiz Nunes Direito, além de outros tantos músicos, técnicos e pessoal de apoio, o espetáculo arrancou boas críticas dos expertos das artes cênicas de Belém. A tradição do Boi-bumbá na opereta ganha uma linguagem bem atual, misturando teatro, dança e música, tudo bem encadeado pelas toadas e canções que o Márcio compõe.
Fica a letra do "Canto de Atravessar" e no final do post o vídeo no qual a Banda Calypso canta a música do Márcio.

Canto de Atravessar(Márcio Montoril)

O pescador quer beber
Vai beber no Guajará
Vento no bote, força no remo,
Canto de atravessar

O pescador quer beber
Vai beber no Guajará
Vento no bote, força no remo
Canto de atravessar

Sentir a força do vento que vem do norte
Levantei peguei o bote
Naveguei pra Gapuiá
Tava tão forte essa maré tava de morte
Quase que virou o bote, fez bote rodopiar

Virei a proa pro rumo de São José
Pra não pegar contra maré pra ver se dava pra chegar

Cheiro de peixe, pitiú, olho de boto
Barco que dorme no porto de costa pro Guajará

Vem morena, vem de Canapijó
Vem mostrar pra gente como se dança o Carimbó
Quero te ver morena, quero que venha só
Pra dançar o tipiti e também o Carimbó

Sentir a força do vento que vem do norte
Levantei peguei o bote
Naveguei pra Guapiá
Tava tão forte essa maré tava de morte
Quase que virou o bote, fez bote rodopiar

Virei a proa pro rumo de São josé
Pra não pegar contra maré
Pra ver se dava pra chegar

Cheiro de peixe pitiú olho de boto
Barco que dorme no porto de costa pro Guajará

Vem morena, vem de Canapijó
Vem mostrar para gente como se dança o Carimbó
Quero te ver morena, quero que venha só
Pra dançar o Tipití e também o Carimbó.





sexta-feira, janeiro 09, 2009

Mais políticas socias

Não posso concordar com certas coisas...
Escuto críticas ao momento de violência que atravessamos, muitos apontam o dedo para o governo, não irei blindá-lo, ele é impessoal, né? Mas, é necessário fazermos algumas considerações.
Ao analisar-se a era tucana, tanto no Brasil como no Pará, algumas mazelas se apresentam imediatamente. Vejamos o discurso do Estado-mínimo, senhores liberais peloamordedeus! Se realmente rezássemos pela cartilha de FHC e o PFL (ontem liberais, hoje democratas - DEM, então tá!) todos nós estaríamos revirando as latas de lixo, o mercado não resolve tudo, ok?
Sempre questionei nos 12 anos de governo tucano no Pará a ausência de políticas sociais, elas existiram? Onde mesmo? Sério?!
Dados estatísticos da Secretaria de Segurança do Estado do Pará, demonstram que a maior parte dos assaltos e sequestros-relâmpago, é praticado por jovens de 14/16 anos. No primeiro governo dos tucanos, esses jovens tinham 2 ou 4 anos de idade, moravam no Barreiro, Terra Firme, Guamá, na periferia e aí???
Adoro a questão cultural, pois é... A Secretaria comandada pelo arquiteto Paulo Chaves tinha orçamento vultoso e o social? Quanto mesmo?!
Não sou dono da verdade. Claro! Mas, tem certas coisas que não posso concordar...
A violência que no momento se abate sobre nós, não é produto do hoje, mas uma consequência do ontem...
Conheço a sensibilidade da governadora Ana Júlia, caminhamos juntos durante algum tempo, por isso acredito que é possível mudar essa realidade.
Mais políticas sociais, governadora!

sábado, janeiro 03, 2009

Tyson ou Maguila?

Os caras do Paralamas do Sucesso na música Perplexo já esbravejavam nos anos noventa: - Eu sou Maguila, não sou Tyson!!!
Pois é...
Recebo o telefonema do amigo valentão, ele relata que estava numa praia oceânica e se envolveu num porradal, os argumentos dele justificam a empreitada, mas sinceramente fico muito preocupado com o episódio narrado por ele... Na juventude o meu amigo valentão brigava muito, o pai dele foi lutador de boxe e ensinou tudo pra ele sobre esse esporte, não precisa dizer que o valentão deitava e rolava em cima dos desavisados que o desafiavam. Casou e vieram os filhos, aí ele parou, pendurou as luvas... Era só diálogo, um verdadeiro amante da paz!
Ele envergonhado fala da recaída, diz que puxou o cara de dentro do carro e acertou um sossega-leão, e quando virou-se de lado recebeu um torpedo de um bad boy, caiu bateu com a cabeça na sarjeta e ficou por uns longos cinco minutos em convulsão espumando pela boca, abobalhado e sem poder de reação, foi necessário o bom e velho pai dele interferir dando pernadas a três por quatro nos agressores do valentão.
No final do telefonema o valentão concluiu dizendo: - Mermão, não é fácil não... eu me senti o próprio Rocky Balboa em final de carreira, e o pior, estou sem reflexo...
Perplexo com a situação narrada pelo valentão, fiquei sussurrando a música do Paralamas:

"Segunda-feira, Terça-feira, Quarta-feira
Quinta-feira, Sexta-feira, Sábado de aleluia
Eu vou lutar, eu vou lutar
Eu sou Maguila, não sou Tyson"

Menino dorme...

Forum Social Mundial!

Recebi e enviei para várias pessoas comprometidas com a causa... Eu vou participar do Forum, e educação é o foco, ok?!

CARTA CONVITE Em, 19 e novembro de 2008
Senhor ou senhora,
Estamos todos vivendo um momento de violência generalizada, da qual não está salva nenhuma classe social. A questão tem sido causa de minha maior preocupação que acredito, assim como foi construída, pode ser desconstruída ou diminuída a um patamar tolerável e controlável.
Em minhas andanças participando de debates, palestras, aulas e conversas com particulares observo nas pessoas de diferentes segmentos sociais, que assim como eu estão preocupadas com o rumo dessa violência, de cada vez mais difícil reversão. Observo que a maioria delas, pessoas simples e autoridades legalmente constituídas, têm se desdobrado, cada um a seu modo para controlar a situação, utilizando seu espaço de influência com muita seriedade, mesmo diante da descrença e críticas de seus pares.
Sempre que ouço alguém com visão e conhecimento bem elaborado, outros nem tanto, mas todos com sensibilidade falando sobre o assunto de forma crítica, penso que possivelmente possa haver uma idéia para solução do problema. Por isso inscrevi a minha proposta no Fórum Social Mundial, onde levarei para debater um plano de combate à violência por meio da escola e estou convidando algumas dessas personalidades para compartilharem comigo, pois acredito que juntos, autoridade de movimentos populares, profissionais da educação, autoridades do meio jurídico e outros segmentos correlatas, possamos construir uma proposta exeqüível que otimize solução para a clientela em foco: alunos e famílias em situação de alto risco social, vulneráveis a violência social.
Nas escolas, também tentamos fazer o que podemos dentro de nossa competência específica, mas falta-nos o domínio técnico e de suplência em outras áreas para as emergências de infra estrutura do público focado. Juntos podemos suprir, um a lacuna do outro.
O tema eixo do debate é: Educação com Equidade: uma ação necessária ao combate da evasão escolar e violência Social.
Venha somar comigo. Cada convidado será muito importante no debate. O público focado, precisa muito de nossa ajuda e nós seremos os maiores beneficiados.
Pedagoga: Maria Salomé V. dos Santos
Fone: 91954739, E mail: salvi.santos@bol.com.br

sexta-feira, janeiro 02, 2009

Ano novo, Maracugina e Fazenda Vitória

Se alguém perguntar por mim, diz que fui por aí...
Resolvi retornar com a família para a passagem de ano na Fazenda Vitória.
Foi bom demais!
Fiquei jogado numa rede debaixo de mangueiras carregadas de frutos, o vento batia e os galhos balançavam e as mangas caiam ao alcance das mãos do Citadinokane, cravei os dentes com vontade na polpa, suguei todo o sumo e os fiapos foram ficando...
E toma-lhe maracugina! Tô calmo, calmo...