terça-feira, março 31, 2009

Enterrem o meu coração no dia 31 de março de 1964


Para não esquecer...
Por favor!
Para não esquecer, jamais!
Não esqueçam dos hermanos que lutaram por nós...
Liberdade, liberdade, abra as asas sobre nós!

14 comentários:

Codinome Beija-Flor disse...

Isso é o que vc pensa.
Ainda não perdoei a traição.
Sabe bem do que estou falnado não é?

Bj

Anônimo disse...

Olá, Mano Panda...

O traço mais humano dos ditos "traços humanos",provavelmente seja o chamado "esquecimento";

penso as vezes, encerrar-se nele,todos os códigos que nos permite estar, (a um só tempo),vivos ou mortos;

sigamos pois,
Fernado Pessoa diria:

"Navegar é preciso,viver,não é preciso..."


Mas,"esquecer,"não significa ser o mesmo que deixar as coisas caducarem;envelhecer;deixar de ter valor;perder as forças;tornar-se nulo e perder o uso da razão e do discernimento:

trata-se de tirar lição, de aprender e lembrar daquilo que talvez esteja propositalmente "esquecido".

Contribuio,no que se refere ao regime imposto em 1964 por um conjunto de forças sinistras, onde o pêndulo estava com os caciques fardados,

o fato,estarem estes, macomunados, com outros "coronés",e "generais" sem fardas,

que exerciam um mandarinato regional e político, o que gerou o apetite voraz dos fora da lei;

figuras que a época,eram tratadas como as "varejeiras dos quarteis".

O golpe, foi militar, a trama, foi da tropa civil,

ela foi diligentemente gestada no covil do colaboracionísmo servíl dos politicos da época,

que tinham (o que se repete hoje) uma especie de "urgencia historica"
em tirar proveito material de quaisquer circunstancias desfavoraveis em nível conjuntural ou estrutural que estivesse o País atravessando.

Os grandes jornais como "A Folha de S.Paulo",;"O Globo", entre outros,adesístas de primeiríssima hora, somaram fileiras com suas boquinhas abertas para o filão;

as publicações chamadas "nanícas",entre muitas "O Pasquim"em nível nacional

e aqui, em Belém, "O Combate" do jornalísta, ainda menino, Lucio Flávio Pinto,para ficar só nele

e não cometer injustiça com ilustres brasileiros,que andam "esquecidos" pelos donos dos prélos com suas cicútas de ampulheta e conseguentemente pela juventude,

Paulinho Fonteles, Bené Monteiro,Dalcídio, Piratininga,mais a frente Batísta,Canuto e muitos outros esquecidos que tombaram as margens do Araguaia na defesa da justiça e da democracia,

e estiveram em nível de importancia nacional a frente das lutas e da resistencia intelectual,

que somado a bravura dos jovens estudantes urbanos,(cara-pintadas da época),

que mesmo em vista da adversidade abisal de recursos,

partiram para a defesa armada no combate a bandidagem organizada civil militarísta;

combate que representava, mesmo com todas as suas falhas e métodos, o resgate de um sistema de valores onde a cultura do racional e o humanísmo prevaleceria sobre a inteligencia imoral dos "espertos"de colarinho e sêda e seus sócios de tanques,

razão para rejubilarmo-nos com o legado por eles deixado onde um novo mundo foi possivel ser construido..

Um abraço Mano Panda.

Eduardo Bueres.

Anônimo disse...

Senhor Pedro Nelito.Cá, a imprensa deu subtitulos a passagem do golpe cometido por vossos militares na década de 60.Lamentavelmente ,apesar do modelo progressista em nivel de desenvolvimento onde figuraram com crescimento do pib em doze por cento, não conseguiram alcançar o acto fim que siria: desenvolvimento com proteção social, deixando-vos uma herança das mais malversadas.Certamente os frutos do nosso abril foi à melhore. Parabens pelo nivel do comentário do ilustre senhor Bueres, que desnuda a máscara histórica de cunho exclusivista em ca as mazelas de erros e jactancias fora obrada somente pelos militares como querem livrar-se em vontades os donos de vossa imprensa. Congratulações.

Nuno Setubal - Porto,Portugal.

Tozé Franco disse...

Olá Pedro:
Também aqui há gente que vai esquecendo os 48 anos de ditadura.
É importante lembrar.
Um abraço.

citadinokane disse...

Oi Beija-flor!
Sei do que se trata, a camisa está no patchouli, bem cheirosa...
Vou criar vergonha na cara e irei aos correios e pronto.
Não mudaste de endereço?
Assim é melhor, mais demorada, ahahaha...
Beijos,
Pedro

citadinokane disse...

Duda,
Falaste tudo.
abs,
Pedro

citadinokane disse...

Nuno,
Muito me agrada a tua bela presença, e sempre com comentários certeiros.
Volte sempre amigo de além-mar.
abs,
Pedro

citadinokane disse...

Tozé,
Os algozes agradecem o esquecimento, né?
Hoje são velhinhos indefesos, mas na época eram feras que barbarizavam... Deusnoslivre deles para sempre!
Que assim seja.

Xico Rocha disse...

Mano Velho, já da minha parte tenho saudade daqueles velhos tempos em que a imposição de um regime fazia borbulha reações culturais e cabeças pensantes. Esta tal de-mo-cra-cia, é ph, como disse Mayakóvski "nada de novo há no rugir das tempestades", o que é terrivel.
Abraços
Xico Rocha

Anônimo disse...

Enquanto isso na redação da Folha...........Ditabranda????????
Dá vontade de rogar praga de mulher baixinha e grávida pro insensato.
O Duda foi forte e mandou bem
Abraços
Tadeu

citadinokane disse...

Xico,
Isso é humanamente explicável, diante de regimes de força, a necessidade de expressar os sentimentos reprimidos pela força das baionetas, impulsionam energias criativas... Aí nós temos pessoas como o Chico Buarque e outros.
Só há de novo a música do Bueres, ahahaha...
abraços mermão

citadinokane disse...

Tadeu,
O Duda Bueres teve o pai cassado pela ditadura e carrega no peito essa revolta.
abraços

Anônimo disse...

Pedro,Ouvi,por acaso a entrevista do Bueres na PRC-5, no fatídico dia 31.03. Fiquei feliz de ve-lo sentando a lenha nos chamados ventrilogos que se prestam a macular o nome dos verdadeiros jornalístas.A carapuça servio para muitos aqui do Pará.Um abraço. Fala pro bueres que eu sou o irmão do Kim,ex-aluno de violão dele. E o CD ? gostamos MUITO !onde compramos?

Raymundo Simplício, Bragança-Pará

citadinokane disse...

Ray,
O nosso amigo Bueres é contundente quando se trata da ditadura, e assim deve ser mesmo!
Estamos na fase final, mixagem e masterização das faixas. Quando tudo estiver pronto vou anunciar aqui, ok?
E a nossa zona bragantina como vai?
Abraços companheiro e vou falar pra ele do Kim.
Pedro