domingo, maio 03, 2009

Carta aos Delegados do Pará

O leitor e amigo do blog Nilton Atayde manda e-mail para publicação de sua Carta aos delegados do Pará, deixo em aberto para o debate democrático.

"Prezados colegas,
Como é do conhecimento de todos, fui afastado de minhas atividades sindicais pelo senhor delegado geral, fato ocorrido há vinte dias, mais ou menos. Em suas alegações, o DG, incorrendo em equívoco por sua assessoria, entendia que somente dois servidores da Policia Civil podem ser licenciados por entidade. Como o SINDELP tinha três delegados licenciados, optou o senhor DG em me afastar da atividade sindical. Para mim foi uma enorme surpresa, principalmente por dois motivos: a) o atual delegado geral, desde que me entendo na polícia civil, sempre esteve ligado a atividades sindicais, ficando aproximadamente oito anos em plena militância. A consciência sindical não deve ser uma mera circunstância, mas uma firme convicção no sentido de melhoramento da respectiva entidade, o que foi postergado. Lembro-me de uma frase de Agostinho Neto, militante político nas décadas de 70/80, em favor da independencia de Angola. Dizia o militante: Não basta que seja pura e justa a nossa causa, é necessário que a pureza e a justiça existam dentro de nós. A história é cíclica, como entendem alguns pensadores, mas não me parece que seja incoerente. Na atual conjuntura política do Pará, onde temos como governadora uma ex-militante sindical, nada mais propício do que justamente o fortalecimento das entidades sindicais, ou pelo menos respeito com elas. Mas a história é cíclica, como alguns entendem..O motivo "b" reside no fato de que, se a minha "retirada" do SINDELP foi por algum motivo presumidamente político (sou elemento politico apenas na concepção filosófica, aristotélica. Nada mais, como alguns podem imaginar), o que pode ter como causa alguma ação do SINDELP, também não tem sentido. O Dr. Benassuly, na administração passada, sempre ocupou cargos de direção (DAS) e teve, de minha parte, todo o respeito que é devido. Sempre foi, em suma, prestigiado, por isso não quero acreditar que o ato agora revogado pela justiça tenha tido como causa alguma conotação de cunho político.
É cediço também que, por não concordar com o ato do delegado geral, por entendê-lo ilegal (o que, à propósito, lhe fora demonstrado em uma exposição de motivos onde se pleiteava a reconsideração do ato, e que foi solenemente ignorado), usando de garantias constitucionais, o SINDELP ajuizou mandado de segurança no sentido de garantir a autonomia e a independência sindical. Fomos atendidos em nosso pleito, em caráter liminar, mediante decisão do juízo da 2ª vara da Fazenda Pública da Capital, cujo titular é o dr. Marco Antonio Lobo Castelo Branco.
Assim, volto as atividades do SINDELP até decisão de mérito, o que deverá ocorrer brevemente. Quero agradecer as manifestações de apoio que tive de vários colegas delegados, inclusive do interior, e lamentar pelo silêncio de nossa irmã classista, a ADEPOL, que em nenhum momento manifestou qualquer solidaderiedade ao SINDELP, ou à mim, pelo ato abusivo.
Obrigado!!
Nilton Atayde (Secretário Geral do SINDELP).

4 comentários:

Xico Rocha disse...

Pedro, as atitudes do senhor Benassuli, é uma clara demonstração da mediocridade que envolve os colaboradores da governadora Ana Júlia. É uma clara demonstração de incompetencia e desconhecimento jurídico, tanto que o companheiro Nilton, recebeu o aval do judiciário quando teve uma liminar deferida a seu favor.
Saudações Socialistas
Xico Rocha

Anônimo disse...

Prezado Nelito,

Como é diferente o discurso da "práxis".
As convicções políticas e ideológicas rendem-se a um mero cargo em comissão.
Cargo este que é transitório.
O mais triste é que o diretor compõe o quadro de delegados e contra seus pares se volta.
Será que é falta de personalidade ou excesso de per$onalidade?
Um abraço

Bruno Vieira

citadinokane disse...

Xico,
Quero acreditar que a orientação que o nosso amigo Benassuli recebeu foi equivocada...
abraços

citadinokane disse...

Bruno,
Volto a insistir, o companheiro Benassuli é um cabôclo de fé, deve ter sido orientação jurídica errada, vamos ver como a situação se desenvolve, ok?!
abraços irmão de faca amolada,
Pedro