domingo, janeiro 31, 2010

Pegadinhas em frente do cemitério

Já que o post anterior foi sobre visagem, vamos rir um pouquinho com as pegadinhas em frente ao cemitério.

Assombrações & Visagens de Belém

Desde pequenino escutava a estória de uma moça que pegava um táxi em frente ao cemitério de Santa Isabel e ia até uma casa na Cidade Velha, chegando lá dizia que não tinha dinheiro e pedia para o motorista retornar de dia para cobrar a corrida. Quando o motorista retornava, aí vinha o susto, ficava sabendo que a moça já era falecida há tempo...
É a estória da "Moça do Táxi", o nome da moça Josefina Conte.
A nossa secretária do Conselho de Recursos Fiscais do Município de Belém é prima da moça do táxi, e já nos contou alguns detalhes dessa lenda... Não serei o desmancha prazer, não contarei tudo que sei sobre o caso, ahahaha... Eu sei tudo, mas ficarei silente, deixa o Walcir Monteiro vender mais livros sobre as "Assombrações e visagens de Belém", ele merece!
Abaixo o vídeo feito sobre a Josefina Conte pelos estudantes de jornalismo da UFPA em 2002.

sábado, janeiro 30, 2010

Vem, à Esquerda e em frente...

Antes de conhecer o autor da poesia abaixo, sempre relacionava a autoria ao poeta operário Maiakovski, até cheguei a postar aqui no blog sobre o engano que muitos cometeram, inclusive eu. Nilton Atayde e o Locobueres me chamaram a atenção sobre o poeta Eduardo Costa, eles tinham razão... A poesia não era de Maiakovski, mas sim de Eduardo Alves Costa...
Passado o tempo e lendo pausadamente o texto abaixo, renova-se a certeza de que é necessário caminharmos irmanados para a superação do abandono de muitos anos dos esquecidos de todas as periferias do Brasil.
Se o país não for de todos, não será de ninguém!

"No caminho, com Maiacóvski" (Eduardo Alves Costa)
Assim como a criança
humildemente afaga
a imagem do herói,
assim me aproximo de ti, Maiacóvski.

Não importa o que me possa acontecer
por andar ombro a ombro
com um poeta soviético.
Lendo teus versos,
aprendi a ter coragem.
Tu sabes,
conheces melhor do que eu
a velha história.

Na primeira noite eles se aproximam
e roubam uma flor
do nosso jardim.
E não dizemos nada.

Na segunda noite, já não se escondem:
pisam as flores,
matam nosso cão,
e não dizemos nada.

Até que um dia,
o mais frágil deles
entra sozinho em nossa casa,
rouba-nos a luz, e,
conhecendo nosso medo,
arranca-nos a voz da garganta.
E já não podemos dizer nada.

Nos dias que correm
a ninguém é dado
repousar a cabeça
alheia ao terror.

Os humildes baixam a cerviz;
e nós, que não temos pacto algum
com os senhores do mundo,
por temor nos calamos.
No silêncio de meu quarto
a ousadia me afogueia as faces
e eu fantasio um levante;
mas amanhã,
diante do juiz,
talvez meus lábios
calem a verdade
como um foco de germes
capaz de me destruir.

Olho ao redor
e o que vejo
e acabo por repetir
são mentiras.

Mal sabe a criança dizer mãe
e a propaganda lhe destrói a consciência.

A mim, quase me arrastam
pela gola do paletó
à porta do templo
e me pedem que aguarde
até que a Democracia
se digne aparecer no balcão.

Mas eu sei,
porque não estou amedrontado
a ponto de cegar, que ela tem uma espada
a lhe espetar as costelas
e o riso que nos mostra
é uma tênue cortina
lançada sobre os arsenais.

Vamos ao campo
e não os vemos ao nosso lado,
no plantio.

Mas ao tempo da colheita
lá estão
e acabam por nos roubar
até o último grão de trigo.

Dizem-nos que de nós emana o poder
mas sempre o temos contra nós.
Dizem-nos que é preciso
defender nossos lares
mas se nos rebelamos contra a opressão
é sobre nós que marcham os soldados.

E por temor eu me calo,
por temor aceito a condição
de falso democrata
e rotulo meus gestos
com a palavra liberdade,
procurando, num sorriso,
esconder minha dor
diante de meus superiores.

Mas dentro de mim,
com a potência de um milhão de vozes,
o coração grita - MENTIRA !

Excluir os nomes de torturadores e golpistas de 1964 das ruas de Belém.

A Rede Globo, SBT e Bandeirantes insistem em tratar igualmente nos seus telejornais os heróis brasileiros que lutaram contra a ditadura e os torturadores do regime militar.
Está errado!
O que mais incomoda são os comentários que colocam no mesmo patamar os heróis brasileiros denominados por essas redes de “guerrilheiros” e os torturadores.
Não existe notícia que a resistência brasileira tenha torturado... O regime militar brasileiro em conexão com outros regimes militares da América Latina torturavam continuamente.
Por favor! Não insistam.
Moro em Belém do Pará, Amazônia brasileira.
Lanço uma proposta para os nossos vereadores de Belém: - Vamos revogar os nomes de rua que homenageiam torturadores e golpistas.
Em Belém temos várias ruas com nomes de sanguinários torturadores, colaboradores e golpistas de 1964.
Em memória dos que morreram defendendo a liberdade e a justiça – Retirem os nomes de ruas e logradouros públicos, peloamordedeus!

sexta-feira, janeiro 29, 2010

Esculturas de fumaça

Mehmet Ozgur é um artista turco, formado em engenharia elétrica, utiliza a fotografia como hobby, abaixo as fotos de esculturas feitas com fumaça. Ozgur tem recebido críticas por estimular o fumo, ele não concorda com as críticas e sustenta que utiliza apenas incensos e nitrogênio líquido para criar as esculturas.
http://www.mehmet-ozgur.com/

quinta-feira, janeiro 28, 2010

Enchentes pelo mundo.

Calma!
Não é em São Paulo.
Na Ásia.
Agora, será que este é o melhor lugar para fugir da enchente?!

Mergulhados na lama de São Paulo.

Depois ficam chateados com os pobres.
Será que o Serra e o Kassab se tivessem as suas residências até o talo de água imunda, ficariam calmos???
O pior de tudo, a desgraça acontecendo na capital e no interior de São Paulo, parecia que o Serra não tinha nada a ver com isso...
É preciso separar o joio do trigo, o que é de São Pedro? Qual a parte do Serra e Kassab?
Não vale falar que tudo é culpa da chuva enviada por São Pedro e ficar inerte diante da desgraça que se abate sobre o Pantanal comunidade próximo do Tietê - 50 dias com as casas e ruas inundadas, não dá!
Os especialistas estão falando que é preciso limpar a calha do rio Tietê e tomar outras providências que até os garis do Bóris sabem.
O que é revoltante: Serra e Kassab agem como autistas.
Pode falar, parece que eles estão em outro mundo...
E ficam putos com as manifestações dos pobres... Ficam chateados...
E até dizem: - Esses caras são chatos!




À la sincerité!

Rasgando papéis, ano novo, rasgando papéis...
Papel junto com outros, ia rasgar, olhei com calma... li, mas não tem autoria...
Será que foi enviado pelo Xico para publicar e acabei esquecendo?
Sincerité? Sei lá!
Leia aí.


Apologie à la sincerité!

Vivre la différence sans la guerre!
Paix pour les coeurs de toutes les personnes!
Sincerité, Egualité, Fraternité et Liberté!
Un nouveau chemin pour les amoreux
qui peux dire la verité enfin?





Sem vagina

Esses dias de reclusão
Em que me encontro sem vagina
E sem coração
[com angina
Penso somente com a razão
Nada de emoção
Sem entradas rápidas
Sem movimentos frenéticos
Sigo inerte
Quieta no meu mais tenebroso inverno
Mulheres sérias não têm vagina
Tem lógica
São matemáticas
Precisas e estáticas




Sem resistência

Dedos ligeiros
Roupa despida
Beleza esculpida
Sedução pura

Quero morrer nos braços teus
Sorver do teu sorriso
Delirar sem aviso

Rosto sereno
Beijos trôpegos
Quem a ti pode resistir?
É impossível
Pedem-me o impossível

quarta-feira, janeiro 27, 2010

De mãos dadas para enfrentar o mundo!

Cláudio Jorge, em nome de toda a turma de Direito da FAP, fez contato comigo para comunicar-me que estou na relação dos professores homenageados pelos formandos de fevereiro de 2010. Agradeço de coração a lembrança, muito singela... Obrigado!
Queridos alunos e alunas que neste momento estão rezando (culto que antecede a formatura) por terem conseguido superar mais uma etapa em suas vidas, saibam que gostaria de orar com todos vocês... Cinco anos se escoaram rapidamente na ampulheta do tempo, muitas vivências, muitas emoções...
Deixo a poesia de Carlos Drummond como uma bússola, a consciência de que não vivemos isolados e que em nosso mundo, em nossa cidade, existem pessoas que precisam de profissionais éticos, comprometidos com a cidadania.
Caminhemos de mãos dadas, afastando o egoísmo insano para proporcionar um presente repleto de solidariedade humana sem o pessimismo derrotista que embota a esperança.

À frente! De mãos dadas!

Mãos dadas (Carlos Drummond de Andrade)
Não serei o poeta de um mundo caduco.
Também não cantarei o mundo futuro.
Estou preso à vida e olho meus companheiros.
Estão taciturnos mas nutrem grandes esperanças.
Entre eles, considero a enorme realidade.
O presente é tão grande, não nos afastemos.
Não nos afastemos muito, vamos de mãos dadas.

Não serei o cantor de uma mulher, de uma história,
não direi os suspiros ao anoitecer, a paisagem vista da janela,
não distribuirei entorpecentes ou cartas de suicida,
não fugirei para as ilhas nem serei raptado por serafins.
O tempo é a minha matéria, do tempo presente, os homens presentes,
a vida presente.

segunda-feira, janeiro 25, 2010

Poetisa esquecida: Adalgisa Nery.


Dá-me tua mão
E eu te levarei aos campos musicados pela
canção das colheitas.
Cheguemos antes que os pássaros nos disputem
os frutos,
Antes que os insetos se alimentem das folhas
entreabertas.

Dá-me tua mão
E eu te levarei a gozar a alegria do solo
agradecido,
Te darei por leito a terra amiga
E repousarei tua cabeça envelhecida
Na relva silenciosa dos campos.

Nada te perguntarei,
Apenas ouvirás o cantar das águas adolescentes
E as palavras do meu olhar sobre tua face muito
amada.
(Adalgisa Nery)

[Adalgisa Maria Feliciana Noel Cancela Ferreira, nome de batismo de Adalgisa Nery, foi poeta, jornalista, prosadora e política. Nasceu no Rio de Janeiro, filha de um funcionário municipal. Órfã de mãe desde os 8 anos, estudou como interna num colégio de freiras. Aos 16 anos, casou-se com o pintor paraense Ismael Nery, um dos precursores do modernismo. O casamento durou até a morte de Ismael, em 1934. Adalgisa lançou seu primeiro livro, Poemas, em 1937. Abandonou a literatura e passou a dedicar-se ao jornalismo. Também adotou a política. Foi deputada três vezes pela legenda do Partido Socialista Brasileiro. Depois do golpe militar de 1964, passou ao MDB e foi cassada em 1969. ]

Viva São Paulo!!!

Por tudo o que representa para o Brasil.
Parabéns São Paulo!!!
São 10.990.249 corações pulsando na cidade que não pára.
São Paulo é um cadinho de etnias, culturas, gente de toda parte do Brasil, do mundo...
O povoado de São Paulo de Piratininga com suas casas de taipa o tempo engoliu, o sonho do Padre Manoel da Nóbrega em homenagear o apóstolo Paulo em 25.01.1554 tomou dimensões inimagináveis pelo padre, a data firmou a lembrança da conversão de Saulo de Tarso às portas de Damasco.
Hoje a cidade soma várias Damasco e muitos ímpios administrando a vida dos paulistanos...
Fico entristecido em ver milhares de pessoas esquecidas em áreas inundadas e fica por isso mesmo... muito triste!
São Paulo representa muito para o Brasil, vamos esquecer Kassab e Serra, momentaneamente, hoje é aniversário da locomotiva do Brasil, nossa homenagem com o vídeo poema premiado da blogueira Simone Costa.
Todas as vezes que estou na cidade de São Paulo e ando pela Avenida Paulista sinto o coração do Brasil pulsando.
Viva São Paulo!!!

domingo, janeiro 24, 2010

Ismael não se cala.

O nosso irmãozinho Ismael Moraes, advogado, Conselheiro estadual da OAB-PA e membro da Comissão de Defesa das Prerrogativas Profissionais do Advogado, respondeu ao post de um blogueiro, que insistia em pautar os advogados, como se os mesmos lutassem por privilégios indevidos relacionados ao sistema de segurança do Fórum de Belém.
Antes de passarmos para o texto do Ismael, cabe um comentário, quem já precisou lutar por seus direitos, sabe o quanto é difícil lidar com as pessoas que trabalham no Judiciário, é claro que existem serventuários e juízes conscientes do papel que desempenham para a consolidação da cidadania... É minoria.
Ninguém vai calar o Ismael! Ele é um cara correto...
Advogado sem coragem para enfrentar esses obstáculos, para o cliente é roça!
Mas, prestem atenção no que escreve o nosso intimorato Ismael, cabôclo bom de demandas, não aceita o cala-te boca, leiam:

Caro Bemerguy,
Julgo estar havendo um certo equívoco na colocação da questão. Não se trata de abolir os sistemas de segurança, a cada dia mais necessários. O que causa protestos de advogados é a forma discriminatória como isso está ocrrendo, pois, entre os elementos da administração da Justiça, apenas os advogados são submetidos a revistas, algumas vezes vexatórias, posto que a direção do foro delegou a um servidor o poder de julgar quem deva ser revistado. Os juizes e membros do Ministério Público não são submetidos às "fiscalizações". Creio que a questão é que o tratamento dispensado a um deve ser também a qualquer outro cidadão, independentemente do cargo que ocupe. Todos sabem de vários casos de atos de violência praticados não apenas por advogados - como o do desequilibrado que matou covardemente um jovem promotor -, mas também há o caso daquele oficial de justiça que atirou na tia juíza, ou de um magistrado que, recentemente, se suicidou. Ora, qualquer pessoa pode praticar um ato de violência e, estando armada, vítimas inocentes serão produzidas. A investidura em cargo de promotor ou juiz não imuniza ninguém de psicopatia.
A questãoe é que o foro é a casa de trabalho não apenas das pessoas do parquet ou da magistratura; também o é daquelas da advocacia. A Justiça deve tratar igualmente os seus.
Minha opinião é que todos devem ser revistados, ou ninguém.
Os advogados também possuem prerrogativas profissionais que não são privilégios, são instrumentos para a boa execução dos seus deveres; são atribuições que as leis nos conferem para podermos tutelar os direitos e interesses dos cidadãos que defendemos em igualdade de condições com os membros do parquet e da magistratura. A manutenção da dignidade é essencial para o exercício de uma advocacia retilínea, com aquela verticalidade que a caracteriza, sintetizada nas palavras do prócer Egidio Sales: "A advocacia não é profissão para covardes".
Se os advogados podem ser discriminados a entrar na casa da Justiça, os juízes também poderiam sê-lo na advocacia, denegando a OAB inscrição a quem bem entendesse. Pode parecer exagero, mas são justamente as pequenas sementes do maltrato que dão origem, quando acostumadas, aos aleijões morais que ignobilizam a profissão.


Ismael Antonio de Moraes - Conselheiro Estadual da OAB, Membro da Comissão de Defesa das Prerrogativas Profissional OAB-PA nº 6942.

sábado, janeiro 23, 2010

Lembranças de alcova de um blogueiro

Blogueiro conhecido, coça a cabeça, respira fundo... Conversa sobre o seu tempo de boêmio, os olhos dele começam a brilhar pelas recordações que desatam um turbilhão de sentimentos em profusão...
Revelações picantes, segredos, quiçá, de alcova, ahahaha...
Revela-se implacável com o sexo oposto, sustenta que tem ou tinha uma pegada forte e olhar de cobra naja-cuspideira... O seu bote era certeiro.
Acende um cigarro, solta uma baforada para a direita, ajeita o óculos e fala como um ex-boêmio, cheio de saudosismo: - Na noite de Belém, bebia muito e pela manhã quando acordava tinha algumas surpresas...
Ele prossegue:
"- Nunca dormi com mulher feia,
mas já acordei com muitas..."

Como se chama o blogueiro? Não posso revelar, ele é advogado!

terça-feira, janeiro 19, 2010

Quando as garças levantam voo


“O rapaz sentado à mesa do boteco que avançava sobre a Baía do Guajará, impávido diante da vigésima quarta cerveja que compartilhava com o amigo Heitor, inebriado com a brisa que vinha da baía à sua frente, conjecturava sobre o vôo das garças... De repente, levanta-se bruscamente e grita: - Olha lá! Que absurdo fizeram com as garcinhas...
Heitor, quase embriagado, não entende a revolta do amigo e pergunta o que havia acontecido. O rapaz com o copo transbordando de cerveja assevera com o tom de voz elevado, num brado retumbante: - Pôrra! As garças estão todas sujas de óleo queimado jogado nas margens da baía pelos barcos.
Heitor deixa o copo de cerveja sobre a mesa, levanta-se e caminha, em passos parcimoniosamente dados, vai até o parapeito do trapiche do boteco em que bebiam, fixa o olhar nas aves apontadas pelo amigo revoltado, as pálpebras moles franziam sobre os olhos negros, leva a mão direita sobre as sobrancelhas para proteger os olhos dos raios de sol daquele final de tarde. Pronto. Viu tudo.
Heitor volta serenamente para a sua mesa, senta e com firmeza retira da mão do rapaz o copo de cerveja e sentencia: - Pôrra Rogério! Aquelas aves não são garças, mas os urubus do Ver-o-peso – pára de beber!”

segunda-feira, janeiro 18, 2010

Luz na vida!


Prestem atenção no texto de Rachel de Queiroz, e depois reflitam sobre a vida...

Telha de Vidro (Rachel de Queiroz)

Quando a moça da cidade chegou
veio morar na fazenda,
numa casa velha...
Tão velha!
Quem fez aquela casa foi meu bisavô...
Deram-lhe para dormir a camarinha,
uma alcova sem luzes, tão escura!
mergulhada na tristura
de sua treva e de sua única portinha...
A moça não disse nada,
mas mandou buscar na cidade
uma telha de vidro...
Queria que ficasse iluminada
sua camarinha sem claridade...
Agora,
o quarto onde ela mora
é o quarto mais alegre da fazenda,
tão claro que, ao meio dia, aparece uma
renda de arabesco de sol nos ladrilhos
vermelhos,
que - cortados - tão velhos
só hoje é que conhecem a luz do dia...
A luz branca e fria
também se mete às vezes pelo clarão
da telha milagrosa...
Ou alguma estrela audaciosa
careteira
no espelho onde a moça se penteia.
Que linda camarinha! Era tão feia!
-Você me disse um dia
que sua vida era toda escuridão
cinzenta,
fria, sem um luar, sem um clarão...
Por que você não experimenta?
A moça foi tão bem sucedida...
Ponha uma telha de vidro em sua vida!

Amiga Edineide.

Estou exercendo interinamente a presidência do Conselho de Recursos Fiscais do Município de Belém, só posso dizer que é uma tarefa árdua lidar com os interesses privados e da coletividade em conflitos.
Sempre trilhamos o caminho da cidadania, e para este mister conto com várias pessoas, todas estão representadas na figura da querida secretária Fátima Conte (imagino que os executivos da iniciativa privada pagariam uma fortuna para ter um profissional de excelência ao seu lado, eu tenho essa pessoa me secretariando - perfeição!), além dos estimados auxiliares sempre posso contar com a querida Diretora de Tributos Imóveis da Secretaria de Finanças do Município de Belém, minha amiga Edineide, super competente, auditora fiscal e mestre em economia.
É nóis na foto, mana!
Edineide passou no Conselho para me dar um abraço e ficou o registro para a posteridade.

domingo, janeiro 17, 2010

Heroínas do mundo!

É pra falar de heróis e heroínas.
Duas heroínas. O mundo tem perdido pessoas que podiam fazer a diferença...

Hermine (Miep) Gies-Santrouschitz morreu no último dia 11 (segunda-feira), era a última sobrevivente do grupo que ajudou a Anne Frank e a sua família a esconder-se dos nazistas em Amsterdam, durante a Segunda Guerra Mundial, morreu com 100 anos, em fevereiro completaria 101 anos.
A saga de Anne Frank e sua família ficou conhecida depois da publicação do seu diário, o livro recebeu o título de “O Diário de Anne Frank”, é o relato de uma criança de 13 anos sobre a intolerância e a perseguição empreendida pelos nazistas contra os judeus. É emocionante.
Miep Gies pelo o que fez: - É uma heroína.

Antes que o Pedro Bial resolva dizer novamente que aqueles caras do BigBrothers são heróis, acrescentarei mais uma heroína que faleceu junto de milhares de pobres haitianos: - Zilda Arns.
A bandeira que ela abraçou é ingrata e desprezada no mundo do lucro, do mercado.
Na pastoral da Criança a Dra. Zilda demonstrou que era possível diminuir a mortalidade infantil, a desnutrição com ações simples...
Minhas heroínas, minha admiração: Miep Gies e Zilda Arns.
Que os anjos toquem as trombetas para anunciá-las.
Amém.

Haiti e o Cônsul desgraçado!

São essas coisas que deixam a gente chateado. O diplomata haitiano é um poço de preconceitos contra a cultura haitiana, se não bastasse a anarquia e as desgraças naturais, ainda tem esse cônsul desgraçado, pô!

Velhos ditados, hora de corrigir um por um...

Vejam abaixo a contribuição do nosso melhor estagiário, o nome dele é Hélio Azevedo. O estagiário-padrão já nos enviou outras contribuições.
Leiam a contribuição do jovem Hélio... ahahaha...

CORRIGINDO 20 VELHOS DITADOS
01- "É dando que se... engravida".
02- "Quem ri por último... é retardado".
03- "Alegria de pobre... é impossível".
04- "Quem com ferro fere... não sabe como dói".
05- "Em casa de ferreiro... só tem ferro".
06- "Quem tem boca... fala. Quem tem grana é que vai a Roma!"
07- "Gato escaldado... morre, porra!"
08- "Quem espera... fica de saco cheio."
09- "Quando um não quer... o outro insiste."
10- "Os últimos serão... os desclassificados."
11- "Há males que vêm para... f#&er com tudo mesmo!" (essa é ótima!!!)
12- "Se Maomé não vai à montanha... é porque ele se mandou pra praia."
13- "A esperança... e a sogra são as últimas que morrem."
14- "Quem dá aos pobres... cria o filho sozinha."
15- "Depois da tempestade vem a... gripe."
16- "Devagar... nunca se chega."
17- "Antes tarde do que... mais tarde."
18- "Em terra de cego quem tem um olho é... caolho."
19- "Quem cedo madruga... fica com sono o dia inteiro."
20- "Pau que nasce torto... urina no chão."

sexta-feira, janeiro 15, 2010

A jornalista Lúcia Hippólito doidona?!

Uma coisa é importante - quer criticar? Critica de forma sóbria sem ingerir bebidas "fortes", depois fica sem moral para falar mal do Lula "Filho do Brasil", ahahaha...
Mermão! Sumiu uma garrafa de Absolute daqui, quem levou?
A Lúcia Hippólito doidona, qualé mano?

quinta-feira, janeiro 14, 2010

Sentença de Alexandre Eduardo Scisinio

Hoje nos surpreendemos com as coisas que são justas, corretas, dignas...

O meu amigo Oliviomar Barros recebeu e-mail da Associação dos Advogados Trabalhistas do estado do Pará - ATEP e resolveu compartilhar com a gente. É uma sentença do Juiz Alexandre Eduardo Scisinio de 2005, mas que se apresenta como um lenitivo para as mazelas atuais.
Em rápidas pinceladas, ele lembra do caso que estarreceu a todos em 2005, em Niterói um Juiz(magistrado) intentou ação na Justiça contra o condomínio em que morava, tudo porque, pasmem! O porteiro do prédio o tratou de "você"... Ele não gostou do tratamento... Aí? Rolou um porradal que foi parar no judiciário.
A solução do caso está abaixo. Obrigado Olivio.

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO COMARCA DE NITERÓI - NONA VARA CÍVEL - Processo n° 2005.002.003424-4

S E N T E N Ç A

Cuidam-se os autos de ação de obrigação de fazer manejada por ANTONIO MARREIROS DA SILVA MELO NETO contra o CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO LUÍZA VILLAGE e JEANETTE GRANATO, alegando o autor fatos precedentes ocorridos no interior do prédio que o levaram a pedir que fosse tratado formalmente de 'senhor'. Disse o requer ente que sofreu danos, e que esperava a procedência do pedido inicial para dar a ele autor e suas visitas o tratamento de 'Doutor', senhor' 'Doutora', 'senhora', sob pena de multa diária a ser fixada judicialmente, bem como requereu a condenação dos réus em dano moral não inferior a 100 salários mínimos. (...)

DECIDO.
'O problema do fundamento de um direito apresenta-se diferentemente conforme se trate de buscar o fundamento de um direito que se tem ou de um direito que se gostaria de ter.' (Noberto Bobbio, in 'A Era dos Direitos', Editora Campus, pg. 15).
Trata-se o autor de Juiz digno, merecendo todo o respeito deste sentenciante e de todas as demais pessoas da sociedade, não se justificando tamanha publicidade que tomou este processo. Agiu o requerente como jurisdicionado, na crença de seu direito. Plausível sua conduta, na medida em que atribuiu ao Estado a solução do conflito.
Não deseja o ilustre Juiz tola bajulice, nem esta ação pode ter conotação de incompreensível futilidade. O cerne do inconformismo é de cunho eminentemente subjetivo, e ninguém, a não ser o próprio autor, sente tal dor, e este sentenciante bem compreende o que tanto incomoda o probo Requerente. Está claro que não quer, nem nunca quis o autor, impor medo de autoridade, ou que lhe dediquem cumprimento laudatório, posto que é homem de notada grandeza e virtude. Entretanto, entendo que não lhe assiste razão jurídica na pretensão deduzida. 'Doutor' não é forma de tratamento, e sim título acadêmico utilizado apenas quando se apresenta tese a uma banca e esta a julga merecedora de um doutoramento. Emprega-se apenas às pessoas que tenham tal grau, e mesmo assim no meio universitário. Constitui-se mera tradição referir-se a outras pessoas de 'doutor', sem o ser, e fora do meio acadêmico.
Daí a expressão doutor honoris causa - para a honra -, que se trata de título conferido por uma universidade à guisa de homenagem a determinada pessoa, sem submetê-la a exame. Por outro lado, vale lembrar que 'professor' e 'mestre' são títulos exclusivos dos que se dedicam ao magistério, após concluído o curso de mestrado. Embora a expressão 'senhor' confira a desejada formalidade às comunicações - não é pronome -, e possa até o autor aspirar distanciamento em relação a qualquer pessoa, afastando intimidades, não existe regra legal que imponha obrigação ao empregado do condomínio a ele assim se referir.
O empregado que se refere ao autor por 'você', pode estar sendo cortês, posto que 'você' não é pronome depreciativo. Isso é formalidade, decorrente do estilo de fala, sem quebra de hierarquia ou incidência de insubordinação. Fala-se segundo sua classe social.
O brasileiro tem tendência na variedade coloquial relaxada, em especial a classe 'semi-culta', que sequer se importa com isso.
Na verdade 'você' é variante - contração da alocução - do tratamento respeitoso 'Vossa Mercê'. A professora de linguística Eliana Pitombo Teixeira ensina que os textos literários que apresentam altas frequências do pronome 'você', devem ser classificados como formais.
Em qualquer lugar desse país, é usual as pessoas serem chamadas de 'seu' ou 'dona', e isso é tratamento formal.
Em recente pesquisa universitária, constatou-se que o simples uso do nome da pessoa substitui o senhor/ a senhora e você quando usados como prenome, isso porque soa como pejorativo tratamento diferente. Na edição promovida por Jorge Amado 'Crônica de Viver Baiano Seiscentista', nos poemas de Gregório de Matos, destacou o escritor que Miércio Táti anotara que 'você' é tratamento cerimonioso. (Rio de Janeiro/ São Paulo, Record, 1999).
Urge ressaltar que tratamento cerimonioso é reservado a círculos fechados da diplomacia, clero, governo, judiciário e meio acadêmico, como já se disse. A própria Presidência da República fez publicar Manual de Redação instituindo o protocolo interno entre os demais Poderes. Mas na relação social não há ritual litúrgico a ser obedecido. Por isso que se diz que a alternância de 'você' e 'senhor' traduz-se numa questão sociolinguística, de difícil equação num país como o Brasil de várias influências regionais.
Ao Judiciário não compete decidir sobre a relação de educação, etiqueta, cortesia ou coisas do gênero, a ser estabelecida entre o empregado do condomínio e o condômino, posto que isso é tema interna corpore daquela própria comunidade.
Isto posto, por estar convicto de que inexiste direito a ser agasalhado, mesmo que lamentando o incômodo pessoal experimentado pelo ilustre autor, julgo improcedente o pedido inicial, condenando o postulante no pagamento de custas e honorários de 10% sobre o valor dacausa.


P.R.I. Niterói, 2 de maio de 2005.

ALEXANDRE EDUARDO SCISINIO
Juiz de Direito

segunda-feira, janeiro 11, 2010

Em 2010: - Quero Caetano só na música, ok?!


2009 E la nave va...

Vestígios de velhas civilizações, ahahaha... Aos poucos 2010 vai se arrumando, tenho uma lista de pessoas que obrigatoriamente aos sábados vamos acentuar os muitos encontros e menos desencontros. Eu prometo!
E tudo isso estava ao som de Sérgio Endrigo, só que o Tadeu desarrumou...
Tadeu tá bom?! Tudo ao som dos cubanos Silvio Rodriguez y Pablo Milanés.


pablo milanes y silvio rodriguez - el breve espacio

Amor?

Pode ser amor? É amor?
Então, corre atrás...
A semana tá só começando.



Milton Nascimento - quem sabe isso quer dizer amor

domingo, janeiro 10, 2010

Leviatã e o poeta santareno Paulo Paixão.

Meu amigo poeta do Tapajós, quando fica inebriado dos ares de Alter-do-chão entra em transe...
Paulinho Paixão é um cara de raiz, como não?!
É letrista, músico e poeta.
Do que ele fala?
Ele fala e escreve sobre a vida, o amor e de Santarém, sua querida terra natal... E porque não posso dizer minha terra?
Já escrevi alhures que o Pará é Santarém e Santarém é Pará!
O dia que Santarém se separar do Pará, pode arrancar o meu coração e enterrar na curva do Rio Tapajós, por favor!
Já disse e volto afirmar, gosto tanto de Santarém que não aceitarei a separação, no plebiscito que se aproxima fincarei firmemente minha caneta na opção: - SANTARÉM É PARAENSE!
Trabalhamos juntos eu e Paulinho, certo dia ele me confidenciou que estava esparramado na praia do Alter-do-chão encharcado de cerveja...
De repente, ele viu levantar-se do lago verde um monstro que parecia um princípe gigante com uma espada na mão...
Ele não acreditou no que via, esfregou os olhos e por milagre a figura sumiu.
Assustado ele pediu mais uma cerveja para espantar a visagem.
Um, dois, três goles e o bicho se alevantou de novo...
Aí o poeta pediu que um amigo enchesse o copo dele com Rum Montila, ahahaha...
Pediu coca-cola, gelo e limão, pronto.
Estabeleceu um monólogo com o bicho-ruim, leiam abaixo:


Morte a Leviatã!

Areia, água, vento, uma dose de rum
Com gelo, coca, uma rodela de limão
E o pensamento ativado, vencendo espaços,
O tempo, permitindo a evasão das dores,
Dos amores que se foram, as recordações!

Quero gritar mais alto que o estampido
Do mais horrendo trovão para que os
Anjos de Deus me ouçam, saiam do marasmo:
- Que façam guerra de morte aos anseios de Leviatã,
Príncipe dos predadores do planeta Terra!

Dói em nós, humanos do bem, a agonia
Das reses nos holocaustos dos matadouros;
A apreensão e prisão de animais, que outrora,
Livres corriam e pulavam ou nadavam
Nos campos, nas árvores e nos igarapés...

Matas, serras, relvas, vales e planícies...

Só os vejo originais nas telas de Michaud,
O que d’antes fora a Mata Atlântica!
E nas telas de Lili, João Fona ou
Laurimar Leal , a Coroa de Areia...

Como dizia o velho poeta:
- É o império do mal na Terra!
Na mente ainda ressoa o canto monótono
Da juruti, do paraíso que nossos avós,
Com carinho, chamavam, Mapiri!

E assim o homem dá cabo das levezas
Que dão graça ao mundo.

Só me contento ao dizer maravilhado,
Bem do fundo da alma:
- Ainda temos Alter-do-Chão!

Alter-do-Chão, o chão que beijou os pés de Deus.
O jardim do Éden onde tudo aconteceu.
Hoje, muito tempo depois, malgrado a algidez
Dos corações, a poesia ressurge nas maresias
Do rio azul e dos verdes lagos.
Caminha de mãos-dadas com os romeiros
Das procissões do Sairé.

Poesia que o poeta cria ao mergulhar
No imaginário dos ribeirinhos-boraris;
Ao ver um panorama encantado,
Belo como uma fábula de La Fontaine
Ou um romance de Shakespeare...

Sentado sobre a úmida areia e os
Olhos perdidos nos azuis do horizonte,
Onde o Tapajós se une ao céu
Fonte inconteste das minhas inspirações,
Reflito a vida e concordo em achar
Que deve ser vivida até o seu extremo.
No justo limite onde se inicia
O Mistério de Deus!

Que por ser homem do bem
E valorizar o dom da vida,
Valeu a pena, sim!

Toda a vida vivida.

A minha oração para 2010, será que Deus vai ouvir?

Início de ano, balanço sendo feito. As coisas escorrendo como água por nossas mãos...
Naquele momento que a gente olha para as estrelas vem a angústia... Pô! não se pode mudar o passado, mas a esperança insiste em brotar no peito e diz que o futuro pode ser moldado e lutarei para que ele seja repleto de amores e sentimentos plenos.
O torpedo abaixo vai para duas pessoas que distanciaram, mas o amor pode tudo, ahahaha...
Podem aproximar Mari (Pedra de Alquimia) e Rô (Beija-flor/Esfinge/Codinome):



vander lee - onde deus possa me ouvir


ONDE DEUS POSSA ME OUVIR (VANDER LEE)

SABE O QUE EU QUERIA AGORA, MEU BEM...
SAIR, CHEGAR LÁ FORA E ENCONTRAR ALGUÉM
QUE NÃO ME DISSESSE NADA
NÃO ME PERGUNTASSE NADA
QUE ME OFERECESSE UM COLO, UM OMBRO
ONDE EU DESAGUASSE TODO O DESENGANO
MAS A VIDA ANDA LOUCA
AS PESSOAS ANDAM TRISTES
MEUS AMIGOS SÃO AMIGOS DE NINGUÉM
SABE O QUE EU MAIS QUERO AGORA, MEU AMOR?
MORAR NO INTERIOR DO MEU INTERIOR
PRA ENTENDER POR QUE SE AGRIDEM
SE EMPURRAM PRO ABISMO,
SE DEBATEM, SE COMBATEM SEM SABER
MEU AMOR...
DEIXA EU CHORAR ATÉ CANSAR
ME LEVE PRA QUALQUER LUGAR
AONDE DEUS POSSA ME OUVIR
MINHA DOR...
EU NÃO CONSIGO COMPREENDER
EU QUERO ALGO PRA BEBER
ME DEIXE AQUI, PODE SAIR
ADEUS

sexta-feira, janeiro 08, 2010

Sobre amizades e cervejas...

No dia 31 de dezembro fui até a casa do Nilton Atayde. Fui lá para renovar o sentimento de apreço e amizade.
A simpatia que transborda generosamente do amigo Nilton é imensa. Acrescente-se os diálogos filosóficos.
Nilton alimenta a todos os amigos com os ensinamentos dos antigos e modernos filósofos, o que posso dizer? É dugaraio!
Chego e digo: - Mano, estou aqui para te dar um abraço.
Ele diz: - Peraí! Vou abrir a garrafa dum vinho chileno...
A família dele é belíssima, inteira, todos os filhos e a esposa nos abraçam fraternalmente...
Ele corre ao aparelho de som (que em 1989 nem o Lula tinha, ahahaha...) e bota o velho e bom Chico Buarque, muuuiiito bom!
Ele resolve ligar para o LocoBueres e de repente, não mais do que de repente o Loco aparece em sua HarleyDaivison da Honda, tira o capacete põe o óculos escuro, ele vem todo possudo, cheio de lábias, ahahaha...
Eis o nosso Loco!
Papo vai e papo vem. Nilton resolve ligar para o Xico Rocha, celular fora de área... Pô! O Xico é nossa referência Latinoamérica, viveu na Venezuela, em Chiapas no México com os Zapatistas, Havana, Luanda em Angola... Realmente, é o nosso hermano!
Faltou o Xico, faltou...
O Nilton ainda sóbrio jogou uma conversa sobre a cerveja.
Ele começou a falar de forma rebuscada, dominando o tema. E aí vieram as perguntas, vamos lá!
Nilton disse que iria tirar todas as dúvidas sobre a cerveja.
Só que ele perguntava e respondia:
- A CERVEJA MATA? Olhou em nossa direção com o semblante carregado, e ele começou a responder.
- Sim. Sobretudo se a pessoa for atingida por uma caixa de cerveja com garrafas cheias. Anos atrás, um rapaz, ao passar pela rua, foi atingido por uma caixa de cerveja que caiu de um caminhão levando-o a morte instantânea. Além disso, casos de infarto do miocárdio em idosos teriam sido associados as propagandas de cervejas com modelos boazudas...
Aí eu falei em cima: - Ei mano! É sério ou é sacanagem?
Agora, prestem atenção no detalhe, bebemos 7 garrafas de vinhos e eu já não tinha tantas certezas e firmeza.
Ele responde pedagogicamente: - Ê mermão! Te segura na parada.
E continuou:
- O USO CONTINUO DO ÁLCOOL PODE LEVAR AO USO DE DROGAS MAIS PESADAS? E continuava respondendo.
- Não. O álcool é a mais pesada das drogas: uma garrafa de cerveja pesa cerca de 900 gramas .
A partir daí parei de encher o saco e fiquei só escutando. O Bueres? Acho que ele ficou dormindo no sanitário. De novo!
O Nilton continuava, desembaraçado...

- CERVEJA CAUSA DEPENDÊNCIA PSICOLÓGICA?
- Não. 89,7% dos psicólogos e psicanalistas entrevistados preferem uísque.
- MULHERES GRÁVIDAS PODEM BEBER SEM RISCO?
- Sim. Está provado que nas blitz a polícia nunca pede o teste do bafômetro pras gestantes. E se elas tiverem que fazer o teste de andar em linha reta, sempre podem atribuir o desequilíbrio ao peso da barriga.
- CERVEJA PODE DIMINUIR OS REFLEXOS DOS MOTORISTAS?
- Não. Uma experiência foi feita com mais de 500 motoristas: foi dada uma caixa de cerveja para cada um beber e, em seguida, foram colocados um por um diante do espelho. Em nenhum dos casos, os reflexos foram alterados.
- A BEBIDA ENVELHECE?
- Sim. A bebida envelhece muito rápido. Para se ter uma idéia, se você deixar uma garrafa ou lata de cerveja aberta ela perderá o seu sabor em aproximadamente quinze minutos.
- A CERVEJA ATRAPALHA NO RENDIMENTO ESCOLAR?
- Não, pelo contrário. Alguns donos de faculdade estão aumentando suas rendas
com a venda de cerveja nas cantinas e bares na esquina.
- O QUE FAZ COM QUE A BEBIDA CHEGUE AOS ADOLESCENTES?
- Inúmeras pesquisas vinham sendo feitas por laboratórios de renome e todas
indicam, em primeiríssimo lugar, o garçom.
- CERVEJA ENGORDA?
- Não. Quem engorda é você.
- A CERVEJA CAUSA DIMINUIÇÃO DA MEMÓRIA?
- Que eu me lembre, não.

Ao final...
Só então, se espocando de rir, diz que era um e-mail que ele recebeu, ahahaha...

quinta-feira, janeiro 07, 2010

Vinho




Vai um periquita aí?

Como gato... ahahaha...

Xico Rocha fica enviando essas pérolas...
Ditados populares, quantos foram ditos por vós? oh criaturas de Dios!!!No popular se diz:
"Esse menino não pára quieto, parece que tem bicho carpinteiro."

O Correto:
"Esse menino não pára quieto, parece que tem bicho no corpo inteiro."

Outras:
"Cor de burro quando foge."

O correto é:
"Corro de burro quando foge!"

Outro que no popular todo mundo erra:
"Quem tem boca vai a Roma."

O correto é:
"Quem tem boca vaia Roma."(do verbo vaiar).

Encerrando:
"Quem não tem cão, caça com gato."

O correto é:
"Quem não tem cão, caça como gato." (caça sozinho!)

quarta-feira, janeiro 06, 2010

Para o amigo Edilben.

Sou uma pessoa de muita fé.
Recebi um e-mail que mexeu com as minhas estruturas, meu amigo expunha o quanto estava atordoado com a debilidade da saúde de uma pessoa que ele ama muiiito...
Ele tem que se mostrar forte para segurar toda a família.
Estamos juntos não faz muito tempo, mas a nossa amizade se consolida a cada dia, sentimos um respeito mútuo, nos preocupamos e demonstramos carinho e solidariedade um pelo outro.
Compartilhamos a mesma fé.
Mas, fiquei tão sensibilizado pela situação que resolvi dedicar o post pra ele.
Meu amigo Edilben, estou contigo e vamos superar toda adversidade, ok?
Fé em Deus!

terça-feira, janeiro 05, 2010

Estranho amor...


Anos 80.
Eu na humildade dos meus 15 e poucos anos, já conjugando as palavras amor e solidariedade no meu dicionário.
Caetano e Marina Lima mandando esse torpedo, foi bom demais, começamos a perceber a diversidade, as várias formas de amor valia a pena...
Ah! Neguinha... Deixa eu gostar de você... Pra lá do meu coração.... Deixa!

Créeme - Vicente Feliu.

Posso dizer que cada palavra de Vicente Feliu me mobilizava...
E sentia amor em cada proposição.
Podes crer?
Creia que existe amor nos gestos revolucionários... ahahaha...
Assista Vicente Feliu, ok?
"Créeme" - Vicente Feliu y Miryam Quiñones


Créeme
(Vicente Feliú)

Créeme,
cuando te diga que el amor me espanta,
que me derrumbo ante un "te quiero" dulce,
que soy feliz abriendo una trinchera.

Créeme,
cuando me vaya y te nombre en la tarde
viajando en una nube de tus horas,
cuando te incluya entre mis monumentos.

Créeme,
cuando te diga que me voy al viento
de una razón que no permite espera,
cuando te diga: no soy primavera,
si no una tabla sobre un mar violento.

Créeme,
si no me ves y no te digo nada,
si un día me pierdo y no regreso nunca.

Créeme,
que quiero ser machete en plena zafra,
bala feroz al centro del combate.

Créeme,
que mis palomas tienen de arco iris,
lo que mis manos de canciones finas.

Créeme, créeme,
porque así soy
y así no soy de nadie.
(1975)

Silvio Rodriguez. Te amaré!

O meu amor à música cubana se aprofundou após conhecer a Nova Trova Cubana no tempo de universitário, escutava Pablo Milanes, Silvio Rodriguez, Vicente Feliú...
Colocar cada palavra e melodia como Silvio, ninguém conseguia. Meu amigo Jimenez em Havana dizia-me: - Pedro, Silvio é o cantor da Revolução.
Devo confessar, Pablo é o mundo, Silvio é trincheira, fuzil e amor...
Escute a música, não tem tricheira e fuzil, mas amor... Amor incondicional!
Fico muito emocionado com Silvio Rodriguez.
Pô! Esse cara se parece comigo.
Bueres ajuda aí!

Te amaré (Silvio Rodriguez)

Te amaré, te amaré como al mundo
Te amaré aunque tenga final
Te amaré, te amaré en lo profundo
Te amaré como tengo que amar.

Te amaré, te amaré como pueda
Te amaré aunque no sea la paz
Te amaré, te amaré lo que queda
Te amaré cuando acabe de amar

Te amaré, te amaré si estoy muerto
Te amaré al día siguiente además
Te amaré, Te amaré como siento
Te amaré con adiós, con jamás.

Te amaré, Te amaré junto al viento
Te amaré como único sé
Te amaré hasta el fin de los tiempos
Te amaré y después te amar



silvio rodriguez - te amaré

"COP 15 e o Pará" por Fernando Maia.

Compartilho com todos o artigo do meu amigo Fernando Maia, estudioso e militante do meio ambiente com quem tive a oportunidade de trabalhar e sonhar que "um outro mundo é possível".
__________________________
"Na COP 15, a governadora Ana Júlia demonstrou o potencial do Pará tanto para ações e investimentos na área da conservação, por meio do pagamento por serviços ambientais, os mecanismos de Redução por Desmatamento e Degradação Evitados (REDD), a concessão florestal, a exploração sustentável de produtos florestais não-madeireiros, quanto às oportunidades com plantio de florestas, seja na escala familiar ou empresarial".
(Fernando Maia – Ex-Secretário de Meio Ambiente da Prefeitura de Belém na gestão do governo do Povo. Professor e Mestrando do PPGEDAM/NUMA/UFPA )

Diversas são as evidências de que estamos vivendo um momento crucial, do atual estágio civilizatório em que cerca de 6,5 bilhões de habitantes estão a mercê dos fenômenos antes ditos como naturais, hoje conseqüência da ação antrópica desmedida do chamado progresso da humanidade.
Muitas mudanças ocorreram desde os tempos mais remotos do planeta, onde éramos habitados por bactérias que com as várias transformações evoluíram para seres mais complexos até chegar a nós seres humanos. Hoje nosso planeta já sofre as conseqüências desse sistema perverso que utiliza de forma devastadora os recursos naturais existentes, são tsunamis, temporadas de ciclones e furacões em várias regiões do planeta, degelo das calotas polares, aumento do nível da água do mar, secas e aumento da desertificação do planeta, temporais e alagamentos nas pequenas e grandes cidades, ou seja, não há um metro quadrado de nosso planeta que não esteja sofrendo os fenômenos das mudanças climáticas. Entendemos que a discussão sobre esses fenômenos se são ou não naturais, já está ultrapassada.
É necessário avançarmos para medidas que possam, evidentemente, mitigar as atuais mudanças climáticas. É preciso que avancemos para além do combate das emissões dos Gases de Efeito Estufa (GEE), embora tudo pareça crer que de fato, vivemos numa época de mudanças climáticas e aquecimento global, entretanto o clima planetário é resultado de uma conjunção de fatores poderosos e complexos dos quais a emissão dos gases por atividades humanas, pode ter algum papel. Por outro lado precisamos reconhecer o fato que desde o início da revolução industrial aumentamos drasticamente não somente a poluição atmosférica, como também a poluição do planeta em geral.
E mais ainda precisamos considerar que a população mundial aumentou praticamente seis vezes desde início da revolução industrial, ocupando espaços tanto geologicamente como climaticamente instáveis. Além de tudo isso, a crescente freqüência das inundações nas grandes cidades se deve a: impermeabilização dos solos de imensas áreas urbanas pela cobertura de asfalto e cimento, provocando enchentes e grandes alagamentos, e ainda os grandes centros urbanos criam micro-climas com temperaturas médias acima de seus ambientes, tornando-se estufas gigantes, capazes de causar mudanças locais do regime de precipitação. Nesse ponto passamos a refletir sobre o limite da reunião de Compenhage, porque, apesar de amplos debates não se conseguiu chegar a um acordo que superasse o Protocolo de Kyoto, ou seja, os míseros 5,2% de redução de GEE, ao inicio da década de 1990. O que é que está por trás dessa polêmica? Serão que são tão incompatíveis os interesses dos EUA e os países emergentes, como por exemplo, a China. Como esses governos pretendem influenciar o clima, se não conseguem influenciar os “humores” do tal mercado ou pelo menos resolver o drama da fome, que são de fato conseqüências de atividades humanas. Afinal de contas, se o motivo da discussão sobre o aumento das temperaturas é a preocupação com o sofrimento de milhões de humanos com os eventos climáticos extremos, precisamos perguntar por que a reunião de Copenhague não discute o sofrimento humano em conseqüência das guerras, das crises econômicas, desemprego e fome, do crescimento caótico dos centros urbanos com suas periferias miseráveis, que geralmente também são sempre os mais atingidos pelos eventos climáticos extremos? Apesar da evidente sensação de frustração ao final da COP 15, é necessário destacar o papel que o Brasil desempenhou nesta disputa de interesses. De qualquer forma algumas poucas, mas importantes questões tiveram algum tipo de avanço, o que viabilizará que sejam mais bem discutidas ao longo deste ano, como a questão do pagamento de ações para se manter as florestas em pé, dentro do chamado Mecanismo Redd, o financiamento para ações de adaptação a efeitos do aquecimento global, nos países mais pobres, e de mitigação, nos países emergentes que são os grandes emissores de gases de efeito estufa. O Brasil fez a sua parte, apresentando "metas ousadas" de emissões evitadas de CO2, entre 36% e 39%, em 2020, e trabalhou para que prevalecesse um acordo de alto nível ao final da COP-15, o que infelizmente não ocorreu. Conforme o texto, oficialmente anotado pela ONU, os países ricos se comprometeram a doar US$ 30 bilhões, nos próximos três anos, para um fundo de luta contra o aquecimento global.
Isso é menos do que o Brasil vai gastar para atingir sua meta voluntária de reduzir em até 39% das emissões de gases de efeitos estufa, até 2020. O acordo ainda prevê US$ 100 bilhões por ano, em 2020. O documento diz ainda que os países desenvolvidos se comprometeram em cortar 80% de suas emissões até 2050. Já para 2020, eles apresentaram uma proposta de reduzir até 20% das emissões, o que está abaixo do recomendado pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), que sugere uma redução entre 25% e 40% até 2020. Para a secretária de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental do Ministério do Meio Ambiente e membro do IPCC, Suzana Kahn, o resultado da COP15 foi decepcionante, uma vez que os chefes de estado discutiram mais a questão econômica das nações ricas e emergentes e se esqueceram daquelas que vão sofrer dramaticamente os efeitos das mudanças climáticas.
O fórum de Governadores da Amazônia com a participação determinante da Governadora do Pará Ana Júlia Carepa levou a COP 15 as seguintes propostas: Pagamento por Serviços Ambientais; criação de um Fundo de Mudanças Climáticas, com recursos oriundos da exploração do petróleo (cerca de R$ 1 bilhão/ano) e o FPE Verde (aporte de recursos repassados aos estados pelo Governo Federal, que vai garantir um volume maior de verbas às Unidades da Federação que mais protegem o meio ambiente). Por esta proposta, haverá uma distribuição de benefícios e recursos dos mecanismos de REDD entre os estados da região amazônica.
Dessa forma, serão beneficiados tanto os locais onde há taxas altas de desmatamento, que precisam de projetos de recuperação e proteção, quanto às regiões com baixas taxas de desmatamento. Isso vai garantir a manutenção e evitar a devastação da floresta. Na COP 15, a governadora Ana Júlia demonstrou o potencial do Pará tanto para ações e investimentos na área da conservação, por meio do pagamento por serviços ambientais, os mecanismos de Redução por Desmatamento e Degradação Evitados (REDD), a concessão florestal, a exploração sustentável de produtos florestais não-madeireiros, quanto às oportunidades com plantio de florestas, seja na escala familiar ou empresarial. Diante desses fatos, entendemos que o Estado do Pará, terá um papel de destaque no êxito das metas brasileiras, senão vejamos certamente a redução do desmatamento da Amazônia em 80%, até 2020, por si só já é um marco na luta ao combate a degradação e desmatamento da floresta amazônica.
Na agropecuária a recuperação de pastos, a integração da lavoura a pecuária, o plantio direto, o programa de reflorestamento de um bilhão de árvores, outro marco concreto no desenvolvimento sustentável da Amazônia. Em termos energéticos o aumento da eficiência energética hidráulica, o incremento do uso de bicombustíveis sem degradar a floresta e a expansão da oferta de energia, principalmente, por fontes alternativas (PHC, bioeletricidade, solar, eólica, etc.) são passos significativos que o Pará cumprirá para que se promova um desenvolvimento sustentável e duradouro para as atuais e as futuras gerações. Entretanto, o grande desafio que está posto para nós seres humanos, neste momento, é construir outro mundo, que não tenha investimentos vultosos em guerras e armas, que não veja os recursos naturais como mero almoxarifado, a ser utilizado até esgotar a natureza sem dar-lhe tempo para recomposição, que não tenha mais doenças decorrentes desse progresso insustentável, que permita o direito inalienável a vida e o dever do Estado em fazer cumprir esse preceito, que se estabeleçam relações globais de diálogo, respeito aos países, a democracia e aos direitos individuais de todos os seres deste planeta. Sem dúvida são muitos os desafios a serem enfrentados nos próximos anos para que possamos seja mitigar ou nos adaptar as mudanças climáticas e o aquecimento global em curso, ou seja, é preciso juntar todos os governantes, instituições públicas ou privadas, ONGs e sociedade global na luta pela preservação da espécie humana, no sentido de desacelerar a gradativa e constante destruição de nosso planeta. Não há mais tempo... o tempo é agora... ou nos mobilizamos, nos organizamos e lutamos por um outro mundo, que não esse... ou assistiremos, na aldeia global, a supremacia de um sistema que aliena, destrói, consome e exclui qualquer possibilidade de existência sustentável em nosso planeta.

Estátua da Liberdade e 18.000 homens.

A internet é maravilhosa!
O compartilhar de imagens que fazem parte da história. É fantástico!
Não sei quem compartilhou a imagem, mas sei que eram 18.000 homens, homens preparados para morrer na 1ª Grande Guerra Mundial em 1918...

São 18.000 homens perfilados disciplinadamente, formando a estátua da liberdade.
O acampamento de treinamento em Camp Dodge, no Iowa - EUA.
Dezoito mil homens !!!
Não esqueçam, 18.000 almas.

Dados da Foto
Base de Ombro: 150 metros
Braço Direito: 340 metros
Parte mais larga do braço segurando tocha: 12 1 / 2 meet
Polegar direito: 35 metros
Parte mais espessa do corpo: 29 pés
Mão esquerda comprimento: 30 pés
Face: 60 pés
Nariz: 21 pés
Longest Spike pedaço de cabeça: 70 pés
Tocha e chama combinado: 980 metros
Número de homens na chama da tocha: 12.000
Número de homens na tocha: 2.800
Número de homens no braço direito: 1.200
Número de homens no corpo, cabeça e equilíbrio da figura apenas: 2.000
Total de homens: 18.000

Bóris Casoy é uma vergonha!

Direto do www.tribunadodavi.blogspot.com, o meu amigo blogueiro Davi denuncia a postura fascista do jornalista Bóris Casoy da Rede Bandeirante.
Além de Bóris existem outras coisas ruins na grande mídia - escrita e televisionada.
A "Revista Veja" é enviada de graça pra mim, não me conquistam mais, não quero esse tipo de imprensa que não aceita a alternância de poder e fica fazendo chantagem contra os que não rezam pela sua cartilha. E a televisão paulista - BAND? A Bandeirante regrediu... É tucana até o último fio da zizica.
A Empresa Abril dona da Revista Veja começou a enviar-me de graça a revista, telefonei e disse que não queria, continuam enviando... porquê?
Por incrível que eu possa escrever, a "Revista Veja" considera o educador Paulo Freire um embusteiro, é sério! A Unicef e outros organismos internacionais consideram Paulo Freire um dos maiores educadores de todos os tempos, e aí?
Li Paulo freire e vivenciei Paulo Freire... Fui durante um tempo "educador de rua", trabalhei com meninos e meninas de rua. Como vou ler Veja? Como diria Raul Seixas: - Mentir sozinho, eu sou capaz!
Mas, vamos ao post do Davi Carneiro. Ah! Ia esquecendo: - O Bóris é um escroque!
________________
ISSO QUE É UMA VERGONHA (David Carneiro)

1 - Recentemente, em uma edição do Jornal da Band, o âncora Boris Casoy, conhecido por seus posicionamentos conservadores, deu para humilhar dois garis que desejavam feliz ano novo, veja a transcrição:
Casoy: "Que merda, dois lixeiros desejando felicidades do alto da sua vassoura." Millena: apenas ri (condescendente) Casoy: "O mais baixo da escala do trabalho..." Operador: "Deu pau, deu pau..."
2 - Na edição seguinte, logicamente, o apresentador pediu desculpas. Mas qual o motivo para alguém pedir desculpas? Considerar do fundo do coração que errou e que todos merecem a mesma dignidade? O que levaria Boris de um dia para o outro a mudar seus valores a este ponto? Assumir que fez uma piadinha infeliz? Mas que tipo de pessoa cultiva um senso de humor que consiste em humilhar os mais pobres? De uma forma ou de outra, longe de representar um fato isolado, este episódio retrata fielmente como pensam parte das elites conservadoras do país e seus correspondentes midiáticos. Piadinhas como essas são comuns a colunistas assíduos da Revista Veja (como Reinaldo Azevedo e Diogo Mainardi), e outros meios da mesma estirpe. Também são quase a regra nos círculos dos abastados que, apesar de se considerarem modernos burocratas ou empresários, cultivam a ética senhorial de tempos remotos de nossa história, tempos que aliás insistem em nos assombrar quando o assunto é política e cidadania. Aliás, a título de lembrança, a Band de Boris Casoy é a mesma que recentemente quis incitar um golpe contra o presidente Lula, conforme mostrado aqui na Tribuna. Tudo por conta do ódio da emissora aos sem-terra e à reforma agrária.
3 - Combater este tipo de conservadorismo, ao contrário do que pode se pensar, não é meramente um embate entre dois posicionamentos políticos, entre duas visões sobre o estado ou a economia. Mas é uma luta do verdadeiro progresso contra o atraso, da cidadania e da dignidade contra uma elite caquética e preconceituosa que acha que não faz parte do país e sua "gentinha". O engraçado é que este é o mesmo pessoal que diz que "o povo precisa ser educado", o "povo é ignorante", vive falando absurdos e acha que não tem nada a ver com os problemas do país. Desta vez, no entanto, o rei está nu. E não vamos deixar barato.

A Primavera Materna de Maria Flor da Terra

Para iniciarmos o ano, vão as linhas tracejadas pela poetisa Maria Flor... O filho como uma flor frágil que o vento levou...
O vento, o tempo, as flores e as feridas sempre dialogam... Singelos monólogos, diria, pesaroso, o Locobueres depois da terceira garrafa de WhiteHorse. Ei mano! Segura esse cavalo.


PRIMAVERA MATERNA (Maria Flor da Terra)

Chegou setembro
E minha roseira não floriu!
Nenhum botãozinho em nosso lar.

Chegou setembro
E não há primavera em meu quintal
Porque meu menino partiu.

Já é setembro
Esperarei a próxima estação
Quem sabe o pé de rosa floresça
Então eu sorrirei com meu menino.

Tens o colo, o peito, o leite mãe.
As quatro luas habitam em ti

Sente a pulsação...

Sente a respiração...

Embalam o berço, as melhores lembranças.

Canta ciranda
Cantiga de ninar
Canta pra vida continuar
Canta, não pára de sonhar.

Canta, não pára de cantar.

sexta-feira, janeiro 01, 2010

Em 2010, haja o que houver...


Entrei 2010 escutando a Zizi Possi...
Eu ali cheio de esperança e algumas dúvidas, mas a música insistindo, haja o que houver...



Zizi Possi - Haja o que houver