domingo, agosto 08, 2010

Amém Drummond!

Eu vi um programa, no canal por assinatura, sobre o poeta mineiro Carlos Drummond de Andrade. Só posso dizer que foi maravilhoso, a figura de Drmmond tão humana, sorrindo descontraidamente, brincando com os seus parentes, enfim, um Drummond humano, profundamente humano...
Gostaria de seguir no meu cotidiano com a poesia de Drummond colada em minh'alma, pela manhã oraria em silêncio o "Pai Nosso" e depois recitaria 6 vezes, em voz alta, contrito a poesia de Drummond, principalmente a "Mãos Dadas" e ao final diria: - Assim seja!


Mãos Dadas (Carlos Drummond de Andrade)

Não serei o poeta de um mundo caduco.
Também não cantarei o mundo futuro.
Estou preso à vida e olho meus companheiros.
Estão taciturnos mas nutrem grandes esperanças.
Entre eles, considero a enorme realidade.
O presente é tão grande, não nos afastemos.
Não nos afastemos muito, vamos de mãos dadas.

Não serei o cantor de uma mulher, de uma história,
não direi os suspiros ao anoitecer, a paisagem vista da janela,
não distribuirei entorpecentes ou cartas de suicida,
não fugirei para as ilhas nem serei raptado por serafins.

O tempo é a minha matéria, o tempo presente, os homens presentes,
a vida presente.

















Amém Drummond!

3 comentários:

Lígia Saavedra disse...

Amém, Pedro!
Vou incluí-la em minhas orações para aprender com Drummond.

Bjs

citadinokane disse...

Ligia,
Santo remédio para a desesperança... Ahahaha...
Poesia faz bem para a saúde.
beijos

Anônimo disse...

o que eu estava procurando, obrigado