domingo, setembro 19, 2010

Por teu amor fingido?

Final de semana gostoso... Visitei o "Terra-do-meio" no sábado.
A boa conversa com o Andrézão Nunes e o Elias Pinto deixa a gente leve e com a certeza que existe vida inteligente apesar do horário eleitoral.
Noel Rosa, estou escutando neste momento: ... Se tu ainda não tens esse dom de saber iludir...
Gosto mesmo: ... Pelo teu ódio sincero ou por teu amor fingido...


Pra Que Mentir? (Noel Rosa/Vadico)

Pra que mentir se tu ainda não tens
Esse dom de saber iludir?
Pra quê?! Pra que mentir
Se não há necessidade de me trair?
Pra que mentir, se tu ainda não tens
A malícia de toda mulher?
Pra que mentir
se eu sei que gostas de outro
Que te diz que não te quer?
Pra que mentir
Tanto assim
Se tu sabes que eu já sei
Que tu não gostas de mim?!
Se tu sabes que eu te quero
Apesar de ser traído
Pelo teu ódio sincero
Ou por teu amor fingido?!

12 comentários:

Luciana Klopper disse...

Lindo o romantismo, como é bom!!!

André Costa Nunes disse...

Ave, Nelito,

Vocês saíram por derradeiro. Tu, o Elias, a Regina, o Pedro Pinto. A Adelina saiu antes, junto com um bando de gente boa que tinha outros compromissos. Estava escurecendo. Queria que ficassem mais um pouco. Não deu. Fiquei só. Eu e a minha companheira. Logo, ela subiu para atender à Mana (Maria de Nazaré) e ao Tobi (Tobias Barreto), um casal de vira-latas com que caduca. Fiquei só, na beira do rio. A lua saiu. Saquei a rolha de caranã de outra garrafa de licor de flor de jamburana e mergulhei no nirvana. Vocês deveriam ter ficado mais um pouco. Ou, pelo menos, chegado mais cedo.
Até mais ver,
andré costa nunes

Lafayette disse...

Seu feladagaita! Vais e nem me avisa... tá, tá bom, te pego na saída! (te lembra?)

Quero bater um papo contigo sobre a TV Uriboca. Quando?

Wellyn Nascimento disse...

E eu só ouço falar dessa tal terra do meio...Apareça viu? Ai ai ai

Céli disse...

Iludir, mentir, omitir, pra mim isso tudo é pecado!

Anônimo disse...

Putz , essa música com licor de jamburana de auditoria do mestre André na nascente do Uriboca é pra lamber a cara do Tobí ou da Mana e morrer de felicidade.
Abraços
Tadeu

citadinokane disse...

Luciana,
O romantismo é carregado de tintas trágicas... Sofrer de/por amor é algo antigo e não faz bem para a saúde, a regra é ser feliz.
bjs

citadinokane disse...

André,
Suponho que nessa nascente do uriboca, justamente onde edificaste o teu sítio, há milênios de anos uma antiga civilização se comprazia em macerar as folhas de jamburana em ritual sagrado, misturando com estranho líquido... Essa combinação quando ingerida, e com certeza era feita em noite de lua cheia às margens do uriboca, o sacerdote erguia a taça e os tambores só cessavam de tocar quando o último membro da tribo entrava em transe e aí os antepassados se manifestavam...
Trazes um enigma no olhar como os antigos pajés...
Nem o tuiteiro Lafayete sabe a fórmula do licor de jamburana, o que ele narra é que costumas mergulhar no rio uriboca [não sem antes pedir permissão à Iara] ao anoitecer e retornas com essas ervas que fazem com que nossas línguas e lábios tremam durante alguns segundos.
Há muitos mistérios que o uriboca guarda...

citadinokane disse...

Lafa,
Vou até postar sobre a Tv Uriboca.
Tudo é correria e não deveria ser...
Porra! A gente não consegue ter autonomia.
Existe uma força estranha que nos carrega e nos impõe certos caminhos.
Vou te ligar.

citadinokane disse...

Wellyn,
No "Terra-do-meio" existe um pajé que "mundia" todo mundo lá.
São fortes emoções...

citadinokane disse...

Céli,
Ainda bem que no "terra-do-meio" não existe pecado. Sabes por quê?
Fica embaixo da linha do Equador...

citadinokane disse...

Tadeu,
O Andrézão fica de bubuia nas águas do uriboca, sem que lhe falte uma garrafa de licor de jamburana... Depois de um tempo ingerindo esse líquido a gente começa a falar uma língua estranha... É uma experiência mística, precisas ver!