quarta-feira, outubro 20, 2010

Ela canta...

Dedicado à Káritas(leitora oculta)


Estava dentro do carro num engarrafamento, final da tarde, sol já se despedindo, raios bem alaranjados, baixo o vidro do carro e uma brisa suave beija meu rosto...
Tudo parado. Continuo prazerosamente esperando no carro, esperando, esperando tranquilamente para chegar em casa. De repente, começo a escutar uma pessoa cantando alegremente, é uma senhora que lavando roupas, começa estendê-las, aproveitando os últimos raios solares. Do carro fiquei mirando aquela senhora tão feliz numa choupana na beira da estrada, como a felicidade é contagiante, comecei a cantar, ahahaha...
Aí lembrei que Fernando Pessoa no livro [O eu profundo e os outros eus - Editora Record] discorria o seu olhar poético sobre uma mulher do povo, ela cantava também...

Ela canta, pobre ceifeira (Fernando Pessoa)

Ela canta, pobre ceifeira,
Julgando-se feliz talvez;
Canta, e ceifa, e a sua voz, cheia
De alegre e anônima viuvez.


Ondula como um canto de ave
No ar limpo como um limiar,
E há curvas no enredo suave
Do som que ela tem a cantar.


Ouvi-la alegra e entristece,
Na sua voz há o campo e a lida.
E canta como se tivesse
Mais razões p'ra cantar que a vida.

Ah, canta, canta sem razão!
O que em mim sente está pensando.
Derrama no meu coração
A tua incerta voz ondeando!

Ah, poder ser tu, sendo eu!
Ter a tua alegre inconsciência disso! Ó céu!
Ó campo! Ó canção! A ciência

Pesa tanto e a vida é tão breve!
Entrai por mim dentro! Tornai
Minha alma a vossa sombra leve!
Depois, levando-me, passai!
[1914]

Nenhum comentário: