sexta-feira, outubro 08, 2010

A Questão do aborto na campanha presidencial.

Num momento de campanha eleitoral para Presidente da República, um tema surgiu na mídia com uma força muito grande: o aborto.
Colocarei com todas as letras a minha posição: - Sou contra!
Mas, nunca fiz disso uma bandeira, e compreendo as muitas situações difíceis que as brasileiras são expostas quando são forçadas a praticar o aborto.
Os segmentos conservadores da sociedade, principalmente a Igreja Católica, nunca apoiaram as propostas que ao longo da história recente do nosso país foram feitas em relação ao "planejamento familiar".
Todos concordamos que os pobres podem ter filhos, mas existem situações que é necessário programar a maternidade, criando condições favoráveis para que uma família constituída possa receber os "herdeiros" e dignamente educá-los, é possível!
A Igreja Católica, através do Papa, sustenta que o católico não deve utilizar camisinha na prática sexual... isto é o fim da picada!(literalmente)
Parlamentares e governantes temem que os bispos e padres excomunguem os políticos que votarem uma política de planejamento familiar, alguém poderia me responder o porquê???
Uma blogueira me advertiu que o tema é sério e não pode ser tratado da maneira que está sendo tratado. Concordo.
Há um jogo do tudo-ou-nada nos apoiadores da candidatura Serra, revoltante a utilização de tema tão delicado... A tentativa de demonizar a candidatura de Dilma com a questão do aborto é um golpe baixo, o aborto não se resume em ser a favor ou contra, coloca a necessidade de políticas públicas para o crescente índíce de mortalidade de mulheres que se submetem ao aborto.
O "planejamento familiar" a igreja católica abortou... Não vai adiante.
Sem esclarecimentos e educação não há como evitar a gravidez, e aí? Cada vez mais cedo as moças são mães... Vamos passear pelo Guamá, Pedreira, Telégrafo, Barreiro... um mar de crianças soltas nas ruas, parece que brotam do chão.
O chão do conservadorismo e ignorância.

Abaixo matéria que retirei da Revista TPM nº 41. A jornalista Soninha Francine, que coordena a campanha do José Serra na internet, declara que fez aborto e relata como foi e assume o ato.
Seria interessante ela se manifestar e expor para o Serra que o tema não pode ser tratado da maneira que o PSDB e DEM tratam.


A atriz Vera Zimmermann, a apresentadora Cynthia Howlett, a vereadora Soninha Francine e a VJ Penélope Nova já fizeram aborto. Um milhão de brasileiras passam pela mesma experiência todos os anos. Segundo nosso Código Penal, escrito em 1940, todas estão cometendo um crime. Vera, Cynthia, Soninha e Penélope tiveram a coragem de mostrar a cara porque são a favor da legalização do aborto. Nenhuma delas têm boas lembranças da experiência. Mas sabem que não é com ameaça de cadeia que vai se conseguir resolver o problema.

PENÉLOPE NOVA
�Provocar um aborto não é uma coisa natural, não é saudável e não é gostoso. Não acho que o aborto deva ser incentivado, mas também não cometi nenhum crime. É por isso que defendo a descriminação. E não apenas em meu nome, mas em nome das mulheres que vêem no aborto a única alternativa, a ponto de enfiarem uma tesoura na vagina para poder provocá-lo.�
Penélope Nova, 31 , é VJ da MTV

SONINHA FRANCINE
�O budismo, a religião que sigo, diz que você não deve tirar a vida de nenhum ser. Para o budismo, o feto, a célula fecundada, é um ser. Mas não há como negar: as pessoas fazem aborto. E, quanto mais escondido, maior o risco. Se você se espeta com uma agulha de crochê no banheiro da rodoviária é grande a chance de ter uma infecção. Então, a melhor coisa a fazer é tentar diminuir o número de vidas perdidas nesse processo.�
Soninha Francine , 37, é vereadora em São Paulo e apresentadora da ESPN

Leia a íntegra dos relatos de Penélope Nova e Soninha Francine e os depoimentos de Cynthia Howlett e Vera Zimmermann na Tpm # 41

8 comentários:

Meri Pellens disse...

"Mas sabem que não é com ameaça de cadeia que vai se conseguir resolver o problema."
Francamente, liberem também os sequestros, estupros, assassinatos em geral e toda espécie de violência e desrespeito ao semelhante, afinal, mesmo com ameaça de cadeia continuam acontecendo. Rá! Querer direitos para si à custa do direito indiscutivel de viver do outro para mim é uma tremenda hipocrisia, a mais cruel injustiça e falta de racicínio.
Ceder à discriminalização do aborto é ceder à ignorância e à incompetência, não só do governo, mas da sociedade também, que não aprende a ser mais responsável e previdente em suas ações e vida sexual. Salvo o caso de estupro. Mas mesmo assim o bebê não tem culpa e há tantas mulheres que gostariam de adotar...
O governo já oferece gratuitamente vários métodos anticoncepcionais, até esterilização para a ambos os sexos. O que falta então? Apenas informação, planejamento, responsabilidade e respeito pelo outro.
Além do mais, o aborto já é permitido em diversos casos como quando a mãe corre risco de vida, ou foi violentada... Mas para isso não é o bastante, querem liberar o aborto ao livre capricho mesmo.
Se as coisas não saem como planejamos temos que lidar com elas da melhor forma possível e não da pior. É abuso a volência contra a mulher em qualquer hipótese, não é? E contra o ser no seu ventre não? Muita hipocrisia é a mulher clamar direitos para si agredindo a vida alheia. Não se pode negar o direito de alguém vir ao mundo por prognóstico de que este terá uma vida infeliz e miserável. O futuro é uma caixinha de surpresa. A infelicidade e miséria pode chegar a qualquer um. A felicidade também. Só Deus sabe.
Sabe, gente, não é a mulher que aborta que vai presa, pelo menos nunca vi, assim como não é o usuário de droga que vai preso, mas sim o traficante. Também penso que isso deve ser muito discutido. Muitas gestantes recorrem ao aborto por não terem apoio no seu meio. Depois tem que seguir a vida muitas vezes com o peso do remorso e culpa. É muito triste. Contudo para mim liberar o aborto é legalizar o assassinato. Não consigo ver de outra forma, pois é impedir de viver um ser humano único e irrepetível.
Abraço.

André Costa Nunes disse...

Caro Nelito,

No blog faloporquetenhoboca, no Itajaí e no Lafa, sobre o tema do aborto, e do Serra mostrar no seu programa, que ainda não vi, um bando de mulheres grávidas, fiz a seguinte postagem (não sei se ao pé da letra):

Querida Waleiska,

Essa questão do aborto é uma canalhice oportunista, odiosa e cínica de puro patrulhamento religioso obtuso. É anti-democrático. Não exatamente da Marina Gandhi, mas de usurpação de uma postura religiosa que, embora discordando, temos que respeitar. Nunca aderir só para jogar para a platéia.

É bem verdade que não nutro grandes simpatias pelo senhor José Serra, mas no caso, sua postura de vestal chega a ser patética.

Sou, como sabes, livre pensador, democrata, libertário, e, no conceito antigo, libertino.

Se, aqui, no Brasil, que é um estado laico, e tentamos, aos trancos e barrancos, construir uma democracia, isso acontece, quem poderá julgar a postura eleitoral de um candidato a presidente do Irã ou de outro qualquer país fundamentalista?

Foda-se o papagaio da amassadeira:

- Sou a favor do direito de a mulher decidir com liberdade sobre si. Sou a favor do aborto. Sou a favor da pesquisa e uso de célula-tronco. Sou a favor da mini-saia. Sou a favor do biquíni, da tanga e do fio dental. Sou a favor do amor livre. Sou a favor da liberdade sexual. E, de um mundo de coisas mais. Todas perfeitamente patrulháveis pelo aiatolá de plantão.

andré costa nunes

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

aqui no Japão o aborto é descriminalizado.
é conversado mto com a mãe, para tentar esgotar todas as formas possíveis de evitar o aborto (dar o filho para adoção, a própria mãe asumir a criança, etc). mas caso não se tenha resultado, o aborto é feito, legalmente.

um monte de aborto é feito todo ano, em todos os lugares. pelo menos se legalizar pode-se controlar, dar mais segurança, e até conscientizar mais sobre o tema.

sou contra o aborto. totalmente. mas a favor que cada mulher decida o que é melhor pra si.
abraços!

citadinokane disse...

Meri Pellens,
Como muito bem colocaste: - Tema difícil.
Considero que todos os argumentos levantados são pertinentes.
Como o tema é polêmico, temos vários posicionamentos...
Beijos,
Pedro

citadinokane disse...

André,
Definiste a tua posição.
Respeito.
Sou contrário e não faço questão de polemizar, ok?!
abraços

citadinokane disse...

Alexandre,
Entendo que devemos caminhar nesta direção que expuseste.

José Barroso disse...

O aborto na minha opinião é um assunto muito pessoal, acho que só diz respeito à mulher, onde a mesma deverá ter direito à escolha e que só à mulher diz respeito.
Pessoalmente sou a favor da despenalização do aborto, em que esta medida poderá evitar muitos problemas, a nível de saúde na mulher, evitando responsabilizar indirectamente o Estado, porque ao ser ilegal recorre-se a outros sítios muitas vezes sem o mínimo de condições para o fazer, com consequências em que a mulher depois terá que ser tratada num hospital público, sujeita a sanções.
O aborto é um tema controverso que tem dividido opiniões na sociedade – a favor e contra.
Quem se revela a FAVOR argumenta vários factores que se apresentam a favor do aborto, quer a nível de saúde da mulher, assunto de saúde pública, perseguição da mulher que o pratica, um direito da futura criança que é ser desejada …
Quem se revela CONTRA muitas vezes encontra fundamento nos valores da igreja, que defendem ser contra o impedimento do direito de opção, por ser contra as leis cristãs, em que entendem que o aborto significa tirar o direito à vida de um ser humano e que esta opção terá de ser natural e gerida pelas normas de fé cristã. Outra parte é contra por várias razões como por exemplo congestionamentos de hospitais, por ser imoral, por entenderem que um feto é uma pessoa com os mesmos direitos das outras pessoas…


José Barroso

citadinokane disse...

Zé Barroso,
Foste preciso e certeiro.
Assino embaixo do teu comentário.
Retornes mais vezes, ok?!
abs