terça-feira, janeiro 04, 2011

Como a Jamburana enviou o Elias Pinto para o passado?

Eu e o Jamburânico Elias nos encontramos na quinta-feira passada do ano-passado (30/12/2010) no Restaurante Rural Terra-do-Meio. O velho e bom Andrézão Nunes nos convidou para confraternizarmos, na última hora o Osvaldo se emboletou todo e não chegou na hora que marcamos e sobrou.
Sobrou mesmo! O André preparou um banquete sensacional, a mesa posta ao lado do rio uriboca, vários pratos de peixe, aves exóticas, garaio!...
Cerpinha, uísque e... Jamburana!!!
Antes de irmos para o Terra-do-Meio, Elias tinha que enviar para o "Diário do Pará" a sua coluna [no domingo é uma página inteira], quem mora em Belém sabe que a "Oi" ficou fora do ar na quinta-feira, pela manhã e tarde também, sem celular e sem internet...
Elias "agoniado" sentenciou: - Companheiro não podemos ir para a Jambulândia sem entregar esse garaio no Diário.
Diante do computador, o clone do John Lennon, ajeitou as suas madeixas (cabe um parêntese, segundo a comadre Regina os cabelos de Elias são muito bem tratados - só shampoo de babosa e creme rinse da Wella -, pouco enjoado!) e a mão direita rapidamente arrebatou uma garrafa de jamburana entornando pela goela duas generosas doses de pescador.
Trabalho pronto, partimos para a redação do jornal e só depois seguimos para a "Jambulândia".
Elias me responda: - A página de domingo está ensopada de jamburana?!
Olha só como saiu no domingo  a manchete da página do Elias: "Feliz 2001".
Como eu estava com os lábios trêmulos de jamburana [desgraçada!] no domingo de manhã, comecei a ficar em dúvida se não havia sonhado que vivia em 2011, alguma coisa como de volta para o futuro, ou vice-versa...
Não encontrava o calendário, comecei a entrar em desespero, afinal qual o meu tempo deusdocéu?!
Só me acalmei quando bebi, somente, quatro cálices de jamburana, a vista clareou e pude ver a data do jornal.
Pô mermão! Jamburana faz bem até pra vista, né?!





Obs.: Acima a caricatura do Elias imitando o John Lennon, o notebook no lugar das cordas da guitarra, um excelente trabalho do Luiz Pinto, caricaturista do "Jornal Pessoal" que por acaso é irmão do Elias. Parabéns Luiz!!!

12 comentários:

J.BOSCO disse...

Estou com as minhas três garafonas de jamburana prenste de fim de ano do André Nunes...rss
brigadão Nelito e Andrezão!
vamos um dia lá no Terra do meio!
o banner tá show lá no lápis de memória.
feliz 2011

ELIAS RIBEIRO PINTO disse...

Garaio, companheiro.
'Tumbém' não entendi nada. Acho que a página foi escrita por um heterônimo mamado de (e em) jamburana. Quando chegamos naquela noite de luzes adormecidas às margens plácidas (habitadas de pirarucu) do Uriboca, só fui abrir o pdf da página pela madrugada, e li normal, 2011.
Já no final da manhã de sexta, tornei a abrir e quase tive uma síncope jamburanoide. "Cara, voltei dez anos no tempo". Corri ao espelho a fim de constatar se os cabelos estariam novamente esvoaçantes, condicionado por Elsève Bâlsamo. O destino havia me dado uma nova chance: com os jrnais do futuro à mão, eu poderia acertar todas as mega-senas.
O que aconteceu entre 2001 e 2011? Não tenho explicação. A própria página, se perceberes, está pontilhada de sinais do passado, o título sobre o livro do Lúcio: "O passado bate à porta". A legenda da foto dos atores, que se refere ao ano de 2000. O texto do Paulo é sobre o passado.
Mais de um leitor, até hoje, deve continuar lendo a página munido de lupa. "Garaio, o Elias está nos enviando sinais, senhas, anunciações, mas não consigo decifrar".
Eu próprio, desde então (e já se passaram dez anos, como num piscar de olhos), estou entregue à jamburana, barba crescida e branca,olhos vidrados de profeta.
Alguma coisa ocorreu entre aquela ida ao jornal (a começar pelo desligamento da Oi, que me levou ao quase surto, a tempo, sempre o tempo, de deixar a página, gravada, no jornal), o Old Parr alicorado compartilhado com o André, as histórias do peixe-boi narradas pela Ester, o retorno proustiano pela BR, como se em busca do tempo perdido, desacelerado.
"Foi a jamburana, foi a jamburana, foi a jamburana", é o que eu repito agora, como num estribilho fantasmagórico, feito um personagem de Edgar Allan Poe, never more, never more, enquanto dez anos se dissolvem e tornam a ganhar forma, gravitando em volta das minhas longas barbas brancas. E o meu medo é que a reserva de jamburanas já se vai esgotando, esgotando, esgotando... E então terei, sem o sangue consumido pelo veneno cascávelico da jamburana, de encarar a realidade: "2001 ou 2011?" E ainda a tempo de saudá-lo com o borbulhante brinde.

Anônimo disse...

Não consegui ler a crônica por isso peço que os amigos me enviem já que quero fazer umas previsões para 2002 , principalmente pra copa pois acho que vamos ganhar apesar do Felipão , retranqueiro.
Abs Tadeu
feliz 2001 a todos.

Jaci Magalhães disse...

Jamburana... nunca experimentei, não! rs..
Tô de volta, viu? Meu blog não foi abandonado, passa lá e dá uma lida no novo post, e vai entender o porquê do sumiço...

Abs

citadinokane disse...

Bosquito,
A reserva pessoal reduziu, mas a fraternidade aumentou.
Viva a Jamburana!!!

citadinokane disse...

Elias,
A jamburana tem produzido revestrés em ti... Huumm...
Tenho uma solução.
Envie-me as 20 garrafas que restam de jamburana em tua casa. Guardarei com todo zêlo e entregar-te-ei no final de 2011, ok?!
Suspeito que teu organismo está saturado de jamburana, precisa de um tempo. Vou quebrar o teu galho, guardarei as tuas garrafas.
abs

citadinokane disse...

Tadeu,
E olha que nem bebeste o que o velho e bom Elias bebeu.
Certeiro palpite.
O nº da Megasena, pode ser???

citadinokane disse...

Jaci,
Um dia provarás...
Vou lá!

André Costa Nunes disse...

O diabo é que esses sacanocratas, na última assembleia geral, foram eleitos diretores honorários e perpétuos do Terra do Meio, com direito a um buquê de flor de jamburana devidamente engarrafado, mas não se iludam, nem só de jamburana vive o homem, mas de toda a magia do Portal da Encataria, dos fluidos dos caruanas, que só é derramado nos corações e mentes de quem é do bem, do bom e do belo, isto é, do amor em toda sua dimensão. Das águas do Uriboca.

Amanhã, quando, fazendo a barba, olhar para o espelho estará mais uma vez reunida a assembleia geral. Não sei qual a próxima insanidade será parida.

A garrafa do tal de licor de lombra está a me olhar.

Vade retro!

andre

Anônimo disse...

Pedro
Os números da megasena ; no período que compreende os anos que foram abduzidos (é assim que se ascreve???) daqueles que já provaram o licor de jamburana isto é : 2001-2011 ; serão sempre numerais entre 01 e 50 , intercalados aleatóriamente em 06 vezes por sorteio.Como sou fiel as doutrinas da religião jamburanica que reza que o seguidor não pode jogar jogos de azar (só de sorte) peço que após essa dica certeira os ganhadores beneficiados com a tal mandem minha parte engarrafada.
Abs e de novo feliz 2001.
Tadeu Schumann

citadinokane disse...

Andrézão,
Meu xamã predileto!
As pessoas que entram em contato com o licor de jamburana apresentam duas reações distintas.
A 1ª - o pavor se apodera delas na hora que vão provar o líquido precioso, acho que elas ficam lendo o que eu e o Elias escrevemos sobre a Jamburana, daí o medo, sem razão.
A 2ª - Delírio e felicidade esfuziante, os labios e língua tremendo, querem mais e perguntam onde vende e etc...
Eu e o Elias vamos propor uma sociedade nesse negócio, hein?!
Nós como um mantra repetimos: - Chega-te a mim Jamburana desgraçada!

citadinokane disse...

Tadeu,
Ô dica paid'égua!
Vou ficar milionário dez mil vezes, ahahaha...
A Jamburana é o maior sucesso por essas paragens.
abs