terça-feira, maio 10, 2011

Eterno carvoeiro!

Pô! Fiquei atônito com uma informação dada pelo Locobueres...
Estava com o Osvaldo, Jaqueline e o Xico Rocha na República do Peixe Frito quando se materializou a nossa frente o velho e bom Duda Bueres.
Estávamos festejando ciclos que se fecham para uns e se abrem para outros... aniversário, mermão!
Depois de beber vários copos de cerveja, Bueres me confidencia quase sussurrando ao meu ouvido: - Cara fiz uma regressão em vidas passadas e tu estavas lá...
Eu o interrompi perguntando: - Eu era o quê? Um príncipe?
Ele com um sorriso enigmático, continuou: - Tu eras um carvoeiro que puxava uma carroça pelas ruas, um pária!
Admoestei o Loco: - Valeu pela força! Eu queria esquecer esse passado e tu vens me lembrar que eu era um phudido?!
E completei: - Fumaste um cohiba ou o quê?!
Minha conclusão, se o passado não foi bom deixa ele sepultado, ou melhor, deixe que os mortos enterrem os mortos.
Carvoeiro... todo sujo... puxando carroça... Eis um eterno carvoeiro!

6 comentários:

Berzé disse...

Texto pequeno mas muito gostoso!
Abração, professor!
Berzé

citadinokane disse...

Oi amigo Berzé!
Viver carvoeiro, não é problema. Ruim é ficar sujo de carvão... ahahaha...
Um forte abraço mano velho.

Anônimo disse...

Fica triste não , fiz regressão e deu que estive na batalha de Waterloo , fui o primeiro soldado da linha de frente a morrer no combate , depois deu que eu fui um dos escravos traficados que morreu de doença no galeão que trazia o grande Zumbi e a mais anterior foi que estive no Egito na construção das piramides e fui um dos centenas de milhares de escravos-operários que morreram soterrados pelas "pedrinhas".
Morro de rir quando alguém fala em regressão pois todo mundo só fala que foi principe , nobre , parente de um bacana.
Abraços
Tadeu , que não precisa de regressão já que nasceu retardado.

ELIAS disse...

Ei, companheiro, sumiram os comentários lá do post do Pinto. Sendo assim, peço licença ao El Loco Bueres para dizer que, quanto ao convite para ir ao Meio do Universo Uriboquense, já estou com meu conjunto safári te aguardando aqui na porta desde ontem. Demorou. Vamunessa.
Elias

citadinokane disse...

Tadeu,
Não curto regressão de nada.
Pra mim tudo é daqui pra frente e pronto.
Fui pesquisar e fiquei sabendo que os carvoeiros eram muito importantes no passado, todo mundo precisava desses caras, antes da eletricidade e do gás encanado.
Viva os carvoeiros!!! Fui muito importante, ehehehe...

citadinokane disse...

Ei Elias!
Tá na hora da gente fazer uma visita ao Xamã mais poderoso dessas bandas.
Além de abraçá-lo, preciso me abastecer de jamburana.
Tu tens um conjuntinho Safári que é uma graça, cheio de bolsos, né?!
abs